Combustíveis fósseis ainda dominam apesar do crescimento das energias renováveis

Fossil fuel demand still dominated the energy market in 2022, a new report has shown
Fossil fuel demand still dominated the energy market in 2022, a new report has shown Direitos de autor canva
De  Charlotte Elton com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O crescimento das energias renováveis não prejudicou o domínio dos combustíveis fósseis em 2022, revela um relatório.

PUBLICIDADE

As energias renováveis não conseguiram mudar o domínio dos combustíveis fósseis em 2022, mostra um novo relatório, apesar de um crescimento maciço na capacidade eólica e solar.

A procura global de energia aumentou 1% no ano passado, revela o relatório Statistical Review of World Energy, divulgado na segunda-feira, e 82% da oferta total foi fornecida pela produção de petróleo e gás.

Isto ocorre apesar de um aumento maciço na capacidade renovável, que cresceu uns impressionantes 266 gigawatts.

"Apesar do forte crescimento da energia eólica e solar no setor da energia, as emissões globais de gases com efeito de estufa relacionadas com a energia aumentaram novamente", disse Juliet Davenport, presidente do Energy Institute, que tem sede no Reino Unido.

"Ainda estamos a caminhar na direção oposta à exigida pelo Acordo de Paris."

Que combustíveis fósseis dominaram o fornecimento de energia em 2022?

O ano passado foi marcado por turbulências nos mercados de energia após a invasão da Ucrânia pela Rússia, o que ajudou a disparar os preços do gás e do carvão para níveis recordes na Europa e na Ásia.

Mas, apesar da turbulência, a procura por energia aumentou. A procura global de energia primária cresceu cerca de 1%, desacelerando em relação aos 5,5% do ano anterior, mas a procura ainda estava cerca de 3% acima dos níveis pré-coronavírus em 2019.

A teimosa liderança dos produtos de petróleo, gás e carvão na cobertura da maior parte da procura de energia consolidou-se.

As energias renováveis, excluindo a energia hidroelétrica, representaram 7,5 por cento do consumo global de energia, cerca de 1 por cento acima do ano anterior.

Enquanto isso, o consumo de petróleo aumentou 2,9 milhões de barris por dia, para 97,3 milhões de barris por dia. A tendência geral foi ligeiramente descendente, com o consumo de petróleo a cair 0,7% em relação aos níveis pré-COVID.

O relatório anual, referência para o setor, foi publicado pela primeira vez pelo Energy Institute em conjunto com as consultorias KPMG e Kearny, após a aquisição da BP, que era a autora do relatório desde a década de 1950.

Parque eólico offshore
CanvaParque eólico offshore

O que o crescimento dos combustíveis fósseis significa para o clima?

A nossa contínua dependência de combustíveis fósseis é uma enorme ameaça para o meio ambiente.

Os cientistas dizem que o mundo precisa reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em cerca de 43% até 2030, em relação aos níveis de 2019 para ter alguma esperança de cumprir a meta internacional do Acordo de Paris de manter o aquecimento bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais.

A extração e o consumo de combustíveis fósseis são a maior causa do aquecimento global.

Para limitar os aumentos de temperatura induzidos pelas mudanças climáticas abaixo de 2 graus Celsius, a sociedade deve descarbonizar-se rapidamente.

Mas no ano passado, os subsídios para o petróleo e "gás natural" (também conhecido como gás fóssil) dispararam. Os governos gastaram mais de 900 mil milhões de euros em subsídios aos combustíveis fósseis em 2022, o valor mais alto já registado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ministros chegam a acordo sobre reforma do mercado da eletricidade da UE

Centro de Nova Iorque ocupado por protestos contra combustíveis fósseis

Representante da UE na Áustria disse que governo dá "dinheiro de sangue" à Rússia