EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Algas tóxicas no Atlântico causam sintomas semelhantes aos da gripe

Ostreopsis fotografado debaixo de água
Ostreopsis fotografado debaixo de água Direitos de autor LUISA MANGIALAYO/AFP
Direitos de autor LUISA MANGIALAYO/AFP
De  Estelle Nilsson-Julien
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Desde 2021, uma variante tóxica de uma alga chamada "ostreopsis" tem vindo a tornar-se cada vez mais frequente no Oceano Atlântico.

PUBLICIDADE

Desde 2021, cerca de 900 pessoas foram infetadas por ostreopsis, uma forma de alga microscópica que foi detetada pela primeira vez no Oceano Atlântico em 2021.

Um novo relatório da ANSES, a Agência Nacional de Segurança Sanitária francesa, alerta para os perigos do contacto humano com as algas e as suas toxinas.

Marc Rappoport, um médico que vive em Biarritz, acredita ter sido contaminado quando surfava em Saint-Jean-de-Luz, na região basca.

"Comecei a sentir os sintomas 45 minutos depois de ter entrado na água. À tarde, comecei a sentir dores, os meus olhos estavam vermelhos e estava extremamente cansado. Durou 48 horas e os meus sintomas eram semelhantes aos de uma gripe".

Embora a inalação de salpicos do mar continue a ser o modo mais comum de infeção, também pode ocorrer através do contacto com a pele e da ingestão. Os sintomas surgem normalmente poucas horas após o contacto direto ou indireto com as algas e tendem a desaparecer numa questão de dias.

Para além dos surfistas, as pessoas que trabalham nas praias - como os nadadores-salvadores - estão particularmente expostas ao risco de infeção. Contactado pela Euronews Green, o Comité Basco de Nadadores Salvadores afirmou que ainda não tinha registado um aumento significativo de casos de ostreopsis entre o pessoal.

As pessoas com problemas respiratórios também devem estar particularmente atentas, de acordo com a porta-voz da ANSES, Carole Castini.

Monitorização dos níveis de algas nas costas de França e Espanha

Em 2021, várias praias de Biarritz, Saint-Jean-de-Luz e Bidart, na costa basca, foram encerradas como medida preventiva devido aos elevados níveis de ostreopsis.

No entanto, o controlo das infeções por ostreopsis revelou-se difícil para as autoridades sanitárias durante a pandemia. Os sintomas eram semelhantes aos da COVID-19, mas desde então as autoridades intensificaram o controlo científico das águas da região.

Maïder Arosteguy, presidente da Câmara Municipal de Biarritz, uma cidade que atrai milhares de turistas todos os anos, disse à Euronews Green que o encerramento das praias continua a ser altamente improvável este ano.

"Temos mais informação agora do que em 2021. Também sabemos que, se fecharmos as praias, devemos também fechar os restaurantes e lojas nas proximidades, devido à sua presença no ar".

"Ficámos muito desapontados com a Agência Nacional de Segurança Sanitária francesa por não nos ter enviado o relatório antes de ser divulgado publicamente. Temos agora de nos apressar a agir, mas não fomos avisados antes das conclusões".

Arosteguy acrescentou que, quando os níveis de ostreopsis atingirem níveis alarmantes, serão catalogados na Kalilo, uma aplicação meteorológica que funciona na região basca.

Surf Rider Europe
Surf Rider Europe tem recolhido amostras para monitorizar os níveis de algasSurf Rider Europe

No entanto, algumas organizações consideram que a monitorização pelas autoridades poderia ir mais longe. A ONG Surf Rider Europe, que trabalha para preservar os oceanos em toda a Europa, tem recolhido regularmente amostras de ostreopsis nas zonas de surf.

"Os surfistas vêm de todo o mundo para surfar aqui, mas não ouvem necessariamente os avisos sobre as algas, mas nós queremos garantir a sua segurança", disse Marc Valmassoni, porta-voz da Surf Rider Europe, à Euronews.

Os banhistas entram na água durante 10 a 15 minutos de cada vez, mas um surfista fica lá muito mais tempo. Um surfista bebe, em média, o equivalente a um copo de água por sessão de surf".

A ONG tem vindo a sensibilizar para os perigos das algas nos clubes de surf locais, bem como nas farmácias e nos centros comunitários.

Estarão as alterações climáticas a trazer algas tóxicas para as costas europeias?

Os surtos de ostreopsis ocorrem principalmente no verão, quando a temperatura da água ultrapassa os 20 graus.

PUBLICIDADE

As microalgas foram observadas pela primeira vez em França em 1972 e, atualmente, são encontradas com regularidade ao longo das costas mediterrânicas de França, Itália e Espanha.

A variante tóxica da ostreopsis é designada por estirpe "ovata" e é originária de águas tropicais. Devido a uma combinação do aquecimento global e dos movimentos do transporte marítimo, surgiu no Mediterrâneo.

A ostreopsis tem uma cor castanho-avermelhada, mas não é normalmente visível devido ao seu tamanho microscópico. No entanto, pode agregar-se em florescências flutuantes e dar à água um sabor metálico.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha registou 22 mil mortes relacionadas com o calor nos últimos oito anos. Como é que um novo mapa pode ajudar?

Abril bate recordes de temperatura global pelo 11º mês consecutivo. Qual o papel do El Nino?

Teorias da conspiração passaram da covid-19 para o clima. Que impacto podem ter nas eleições europeias?