EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Marcas de fast fashion chinesas com nota zero em matéria de direitos humanos e políticas ambientais

Marcas de fast fashion chineses com nota zero em matéria de direitos humanos e políticas ambientais
Marcas de fast fashion chineses com nota zero em matéria de direitos humanos e políticas ambientais Direitos de autor AP Photo/Ng Han Guan
Direitos de autor AP Photo/Ng Han Guan
De  Tian Macleod Ji / Isabella O'Malley com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Mais de 26 milhões de toneladas de roupa são deitadas fora, todos os anos, na China. Para além disto, apenas 20% dos têxteis chineses são reciclados no país.

PUBLICIDADE

Numa fábrica na província de Zhejiang, na costa oriental da China, dois montes de roupa de algodão e roupa de cama, separadas por cores escuras e claras, amontoam-se no chão de uma sala de trabalho. As mangas dos casacos, os colarinhos e as etiquetas das marcas sobressaem da roupa, enquanto os trabalhadores colocam as peças de vestuáro nas máquinas de trituração.

Esta é a primeira fase de um processo que dará uma nova vida aos têxteis, e que parte de um esforço de reciclagem na Wenzhou Tiancheng Textile Company, uma das maiores fábricas de reciclagem de algodão da China.

Os resíduos têxteis são um problema global urgente, sendo que apenas 12% são reciclados em todo o mundo, de acordo com a Fundação Ellen MacArthur. Ainda menos - apenas 1% - das roupas descartadas são recicladas e transformadas em novas peças de vestuário; a maioria é utilizada para artigos de baixo valor, como para encher colchões.

Em nenhum outro lugar o problema é mais premente do que na China, o maior produtor e consumidor de têxteis do mundo, onde mais de 26 milhões de toneladas de roupa são deitadas fora todos os anos, de acordo com estatísticas governamentais. A maior parte acaba em aterros sanitários.

E fábricas como esta mal fazem mossa num país cuja indústria do vestuário é dominada pela fast fashion - roupa barata feita de sintéticos não recicláveis. Produzidos a partir de produtos petroquímicos que contribuem para as alterações climáticas e para a poluição do ar e da água, os produtos sintéticos representam 70% das vendas de vestuário na China.

A pegada da China é mundial: as marcas de comércio eletrónico Shein e Temu fazem do país um dos maiores produtores mundiais de moda barata, vendendo em mais de 150 países.

Um trabalhador coloca têxteis fora de uso numa máquina de trituração na Wenzhou Tiancheng Textile Company, uma das maiores fábricas de reciclagem de algodão da China, em Wenzh
Um trabalhador coloca têxteis fora de uso numa máquina de trituração na Wenzhou Tiancheng Textile Company, uma das maiores fábricas de reciclagem de algodão da China, em WenzhAP Photo/Ng Han Guan

O que é a sustentabilidade circular?

Para conseguir um impacto revolucionário, é necessário que as principais marcas de vestuário chinesas adotem aquilo a que Shaway Yeh, especialista em moda, chama de "sustentabilidade circular". Isto significa que os resíduos são totalmente evitados.

"É necessário começar a produzir a partir de fibras recicláveis e depois todos estes resíduos têxteis serão novamente utilizados", afirmou Yeh.

Mas esse é um objetivo ilusório: apenas cerca de 20% dos têxteis chineses são reciclados, de acordo com o governo chinês - e quase tudo isso é algodão.

O algodão chinês tem a sua própria mancha, disse Claudia Bennett da Fundação dos Direitos Humanos, uma organização sem fins lucrativos. Grande parte provém de trabalho forçado na província de Xinjiang pela minoria étnica Uyghur do país.

"Uma em cada cinco peças de vestuário de algodão em todo o mundo está ligada ao trabalho forçado dos Uyghur", explicou Bennett.

Em maio, os Estados Unidos bloquearam as importações de 26 comerciantes e armazéns de algodão chineses para evitar produtos fabricados com trabalho forçado uigur. Mas como a cadeia de abastecimento é tão incompleta, o algodão uigur é utilizado em peças de vestuário produzidas noutros países que não ostentam a etiqueta "made-in-China", disse Bennett, acrescentando que "Muitas, muitas, muitas marcas de vestuário estão ligadas ao trabalho forçado dos uigures através do algodão. Escondem-se atrás da falta de transparência na cadeia de abastecimento".

Temu teve nota zero em direitos humanos

Embora a China seja líder mundial na produção de automóveis elétricos e de transportes públicos movidos a eletricidade, e tenha estabelecido o objetivo de alcançar a neutralidade carbónica até 2060, os seus esforços para promover a sustentabilidade da moda e a reciclagem de têxteis ficaram para trás.

De acordo com um relatório deste ano da organização independente de vigilância da moda Remake, que avaliou as principais empresas de vestuário relativamente às suas práticas em matéria de ambiente, direitos humanos e equidade, as marcas mais conhecidas são pouco responsáveis.

O grupo atribuiu à Shein, cujo mercado online agrupa cerca de 6.000 fábricas de vestuário chinesas sob a sua marca, apenas 6 pontos em 150 possíveis. A Temu obteve zero.

PUBLICIDADE

Também receberam zero pontos a marca americana SKIMS, co-fundada por Kim Kardashian, e a marca de baixo preço Fashion Nova. O retalhista norte-americano Everlane foi o que obteve a pontuação mais elevada, com 40 pontos, mas apenas metade desses pontos foram atribuídos a práticas de sustentabilidade.

A política interna da China não ajuda

O algodão reciclado a partir de vestuário usado está proibido de ser utilizado para fazer novas peças de vestuário na China. Inicialmente, esta regra tinha como objetivo acabar com as operações chinesas de reciclagem de material sujo ou contaminado.

Mas, atualmente, significa que os enormes carretéis de fio de algodão, tipo corda, produzidos na fábrica de Wenzhou Tiancheng, a partir de roupa usada, só podem ser vendidos para exportação, principalmente para a Europa.

Para piorar a situação, muitos consumidores chineses não estão dispostos a comprar artigos usados, algo que o diretor de vendas da fábrica de Wenzhou, Kowen Tang, atribui ao aumento dos rendimentos das famílias.

PUBLICIDADE

"Querem comprar roupa nova, coisas novas", disse Tang sobre o estigma associado à compra de roupa usada.

Zhang Na, cuja marca de moda, Reclothing Bank, vende roupas, bolsas e outros acessórios feitos de materiais como garrafas de plástico, redes de pesca e sacos de farinha
Zhang Na, cuja marca de moda, Reclothing Bank, vende roupas, bolsas e outros acessórios feitos de materiais como garrafas de plástico, redes de pesca e sacos de farinhaAP Photo/Ng Han Guan

Jovens chineses tentam tornar a moda sustentável mais "cool"

Ainda assim, entre os chineses mais jovens, a crescente consciencialização para a sustentabilidade contribuiu para o aparecimento de novas empresas de vestuário "refeito".

O designer Da Bao, de 30 anos, fundou a Times Remake em 2019, uma marca sediada em Xangai que pega em roupas usadas e transforma-as em peças novas. Na sala de trabalho da empresa, em Xangai, os alfaiates trabalham com calças de ganga e sweatshirts em segunda mão, costurando-as em novas e divertidas peças de moda.

A empresa, que começou com Da Bao e o seu sogro a publicarem os seus modelos únicos na internet, tem agora uma loja principal no moderno distrito de Jing'an, em Xangai, que armazena as suas peças de vestuário refeitas juntamente com artigos vintage, como casacos Levi's e Carhartt.

PUBLICIDADE

Os designs são "uma combinação do estilo do passado com a estética da moda atual para criar algo único", explicou Bao.

Zhang Na tem uma marca de moda, Reclothing Bank, que vende roupa, malas e outros acessórios feitos de materiais como garrafas de plástico, redes de pescas e sacos de farinha.

As etiquetas dos artigos têm códigos QR que mostram a sua composição, como foram feitos e a proveniência dos materiais. A Reclothing Bank baseia-se em métodos de produção bem estabelecidos, como as fibras têxteis feitas de folhas de ananás, uma tradição secular originária das Filipinas.

"Basicamente, podemos desenvolver milhares de novos tecidos e novos materiais", disse Na.

PUBLICIDADE

O Reclothing Bank começou em 2010 para dar "nova vida a coisas velhas", de acordo com Zhang sobre a sua loja num beco histórico de Xangai com uma mistura de arquitetura ocidental e chinesa. Um grande depósito de roupa usada fica à entrada.

"Os objectos antigos transportam, de facto, muitas memórias e emoções das pessoas", afirmou Na.

Um novo mercado para roupa vintage

Zhang referiu que a preocupação com a sustentabilidade tem vindo a crescer desde que abriu a sua loja, com clientes principais na casa dos 20 e 30 anos. Bao Yang, uma estudante universitária que passou pela loja numa visita a Xangai, disse que ficou surpreendida com a qualidade das roupas.

"Acho que é espantoso, porque quando entrei pela primeira vez, ouvi dizer que muitas das roupas eram feitas de conchas ou cascas de milho, mas quando toquei nas roupas em pormenor, não fazia ideia de que teriam este toque muito confortável", disse Yang.

PUBLICIDADE

Ainda assim, admite que comprar roupa sustentável é difícil de vender. "As pessoas da minha idade são mais viciadas em fast fashion, ou não pensam na sustentabilidade das roupas", acrescentou Yang.

As roupas recicladas vendidas em lojas como a Reclothing Bank têm um preço muito mais elevado do que as marcas de fast fashion devido aos seus métodos de produção dispendiosos.

E é aí que reside o verdadeiro problema, explicou Sheng Lu, professor de estudos de moda e vestuário na Universidade de Delaware.

"Os estudos mostram repetidamente que os consumidores não estão dispostos a pagar mais por vestuário fabricado a partir de materiais reciclados e, em vez disso, esperam um preço mais baixo porque consideram que esse vestuário é feito de material em segunda mão", afirmou Lu.

PUBLICIDADE

Com custos mais elevados na aquisição, triagem e processamento de vestuário usado, Lu não prevê que a moda sustentável seja bem sucedida em grande escala na China, onde a produção de vestuário é tão barata. "As empresas não têm incentivo financeiro", acrescentou.

Para que haja uma verdadeira mudança, é necessário que existem "sinais mais claros vindos do topo", acrescentou, referindo-se a objetivos governamentais como os que impulsionaram a indústria chinesa de veículos eléctricos.

Ainda assim, na China "o governo pode ser amigo de qualquer setor", disse Lu, por isso, se os líderes comunistas chineses virem potencial económico, isso poderá desencadear uma mudança de política que impulsione novos investimentos na moda sustentável.

Mas, por agora, os cones de algodão embrulhados em plástico e bem enrolados, que estavam a ser carregados em camiões à porta da fábrica de Wenzhou Tiancheng, dirigem-se todos para mercados estrangeiros, longe do local onde a sua viagem de reciclagem começou.

PUBLICIDADE

"A fast fashion não está definitivamente fora de moda" na China, afirmou Lu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Exposição da Galeria Saatchi explora a mudança da fotografia de moda

Luxo e sustentabilidade: como os turistas se regeneram no resort do Mar Vermelho

Moda sustentável e inovadora na Feira Neonyt