EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Portugal proíbe barcos turísticos de se aproximarem das orcas após uma série de atropelamentos

Uma orca fêmea dá à costa enquanto nada em Puget Sound, perto de Bainbridge Island, Washington.
Uma orca fêmea dá à costa enquanto nada em Puget Sound, perto de Bainbridge Island, Washington. Direitos de autor AP Photo/Elaine Thompson
Direitos de autor AP Photo/Elaine Thompson
De  Euronews Green
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os incidentes traumáticos podem estar na origem deste comportamento invulgar, que se acentuou nos últimos três anos.

PUBLICIDADE

Portugal proibiu os barcos de turismo de se aproximarem dos grupos de orcas, depois de uma série de incidentes em que os animais embateram nas embarcações.

Em maio, um grupo das chamadas baleias assassinas abalroou um veleiro ao largo da costa espanhola durante a madrugada. Perfuraram o casco e partiram o leme, informou o serviço de salvamento marítimo local.

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (INCF) de Portugal afirma que, para além dos veleiros, algumas embarcações turísticas mais pequenas têm despertado o interesse das orcas.

"Dado o tamanho das orcas adultas, que podem atingir um comprimento máximo de nove metros e pesar entre três e cinco toneladas (...) uma interação mais intensa com (...) embarcações mais pequenas, utilizadas para a observação de cetáceos, poderá ter consequências mais graves", afirma o INCF em comunicado.

A proibição de se aproximar ativamente das orcas foi decretada por razões de segurança dos turistas e para evitar perturbar os animais. Os barcos são também aconselhados a afastar-se dos animais para evitar interações e a pararem de se mover se as orcas conseguirem aproximar-se do barco sem serem notadas.

Porque é que as orcas chocam com os barcos em Espanha e Portugal?

Desde 2020, têm-se registado interações entre orcas e embarcações no Estreito de Gibraltar, ao longo da costa portuguesa, e na Galiza, em Espanha, refere o INCF.

O motivo ainda é um mistério, mas alguns especialistas acreditam que a vingança pode estar por detrás deste comportamento invulgar, com base na experiência traumática de uma orca chamada White Gladis.

Depois de uma primeira colisão, há alguns anos, a orca começou a exibir um "comportamento defensivo" contra as embarcações, que outras orcas começaram a copiar.

Uma coisa é certa: os ataques de orcas ao largo da costa espanhola e portuguesa são cada vez mais frequentes. O ataque à embarcação Mustique, a 25 de maio, foi uma de pelo menos 20 "interações" entre os cetáceos inteligentes e os marinheiros no Estreito de Gibraltar, só nesse mês.

De acordo com o grupo de investigação GTOA, que acompanha as populações da subespécie orca ibérica, registaram-se 207 incidentes em 2022. Este número é superior aos 197 registados em 2021 e aos 52 registados entre julho e novembro de 2020.

Os predadores de topo, altamente sociais, têm normalmente como alvo os veleiros, mas não tendem a causar muitos danos. Apenas três barcos foram afundados por orcas desde que o comportamento começou em maio de 2020. Estima-se que apenas tocam num em cada cem navios que passam por um local.

Então, o que é que está realmente na origem deste comportamento?

Estarão as orcas a querer vingar-se?

Elaine Thompson/AP
Orca salta da água perto de um barco de observação de baleias no Mar Salish, nas Ilhas San Juan, Washington.Elaine Thompson/AP

Alfredo López Fernandez, biólogo da Universidade de Aveiro em Portugal e representante do GTOA, disse ao Live Science que as orcas estão a escolher os barcos de propósito.

"Não sabemos a origem nem a motivação, mas o comportamento defensivo baseado em traumas, como origem de tudo isto, ganha cada vez mais força para nós", sublinhou.

Alguns investigadores suspeitam que a orca conhecida como Gladis Branca sofreu um "momento crítico de agonia" - ao ser atingida por um barco ou ao ficar enredada durante a pesca ilegal - que acionou um interruptor comportamental.

"Foi essa orca traumatizada que deu início a este comportamento de contacto físico com o barco", acrescentou López Fernandez.

Alguns comentadores chegaram ao ponto de afirmar que Gladis e companhia, vingativos, estão a ensinar as jovens orcas a partir os lemes dos barcos. Mas López Fernandez - que foi coautor de um estudo sobre os mamíferos marinhos no ano passado - acha que a prática está simplesmente a espalhar-se por imitação entre os animais.

Ou as visitas das orcas são apenas sociais?

No entanto, ainda ninguém sabe ao certo porque é que o comportamento de abalroamento está a acontecer.

PUBLICIDADE

"A minha ideia, ou a que qualquer pessoa lhe daria, é uma especulação informada. É um mistério total, sem precedentes", disse à CBS News Andrew W. Trites, professor e diretor de Investigação de Mamíferos Marinhos na Universidade da Colúmbia Britânica.

Ele não acredita que os incidentes sejam ataques; questiona por que razão as orcas quereriam adotar um comportamento autodestrutivo.

A teoria de Trites é que se trata "apenas de um comportamento lúdico que se descontrolou". Lembra-se de uma baleia chamada Luca, vista ao largo da costa de Vancouver, no Canadá, que nadou para longe do seu grupo e começou a seguir barcos.

"Mais tarde, aprendeu a agarrar-se aos lemes para os quebrar e inutilizar os barcos, para os empurrar", disse Trites. "Neste caso, procurava interações sociais. E aprendeu que podia prolongar as interações afetando os barcos. E então eles teriam que ficar com o animal."

É uma forma engraçada de fazer amigos, talvez. O lado tátil das orcas também sugere outra explicação.

PUBLICIDADE

"Sei de muitos casos em que as orcas se aproximam e quase encostam o nariz à hélice do barco e sentem a água a passar por cima delas. Seria como estar num jacuzzi", disse Trites à CBS.

O comportamento pode estar a colocar em risco os marinheiros e as baleias

Um pouco de "brincadeira" (se é que é isso mesmo) pode parecer uma diversão inofensiva para uma baleia. Mas o impacto nas embarcações pode ser prejudicial e perigoso para os marinheiros.

Os conservacionistas estão preocupados. Embora as suas mortes não possam ser diretamente relacionadas com os eventos nos barcos, sabe-se que quatro orcas pertencentes à subpopulação ibérica morreram desde que o comportamento começou em 2020.

No último censo, em 2011, foram registadas apenas 39 orcas ibéricas e este grupo está classificado como criticamente ameaçado pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN.)

"Se esta situação continuar ou se intensificar, pode tornar-se uma verdadeira preocupação para a segurança dos marinheiros e um problema de conservação para esta subpopulação ameaçada de orcas", concluíram López Fernandez e os seus co-investigadores no estudo do ano passado.

PUBLICIDADE

Entretanto, o Ministério dos Transportes espanhol instou os barqueiros a abandonarem a zona se observarem uma mudança de direção ou de velocidade da orca e a comunicarem quaisquer interações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quais os melhores países da Europa para ir de bicicleta para o trabalho?

Alterações climáticas: glaciares austríacos em risco de desaparecer nos próximos 45 anos

"O progresso é possível": Como é que o Brasil e a Colômbia reduziram a desflorestação?