EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Como Atenas luta contra as ondas de calor

Como Atenas luta contra as ondas de calor
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Jeremy Wilks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nesta edição de Climate Now, vamos até uma das capitais mais quentes da Europa para ver como a cidade enfrenta as altas temperaturas.

PUBLICIDADE

Nesta edição de Climate Now vamos à capital grega, Atenas, para saber como as pessoas se estão a adaptar a um mundo mais quente.

Primeiro, vemos os últimos dados do Serviço de Alterações Climáticas do Copernicus, que mostram que, a nível mundial, tivemos o junho mais quente de que há registo.

Globalmente, as temperaturas no mês passado foram pouco mais de 0,5 graus Celsius acima da média de 1991-2020.

Olhando para o mapa das anomalias europeias - a Irlanda, o Reino Unido, a Bélgica e os Países Baixos tiveram o mês de junho mais quente de que há registo. Entretanto, foi mais frio do que a média na Turquia, Grécia, partes dos Balcãs e Rússia.

Euronews
Anomalias de temperatura na Europa em junho de 2023Euronews

Um dos principais fatores que impulsionam o registo global de calor é o facto de a superfície do mar estar mais quente.

Pode ver-se neste mapa, por exemplo, que houve temperaturas excecionalmente elevadas à superfície do mar no Atlântico Norte, com máximos extremos em torno das Ilhas Britânicas.

Euronews
Anomalias na temperatura do mar em junho de 2023Euronews

A água atingiu um pico de cinco graus acima da média ao largo do oeste da Irlanda - atingindo temperaturas que normalmente se esperariam no final do verão, e não em junho.

Euronews
A água esteve cinco graus acima da média, em certas zonas.Euronews

Vários fatores terão contribuído para o aquecimento da água - ventos mais fracos, menor poluição por partículas e os efeitos a longo prazo das alterações climáticas.

Reportagem em Atenas

A capital grega está no meio de uma onda de calor, com temperaturas que chegam aos 40 graus Celsius.

Edifícios brancos que se estendem até ao horizonte - Atenas é uma das cidades mais densamente construídas da Europa, e também uma das mais quentes.

Elissavet Bargiani, responsável pela gestão da temperatura na cidade, diz que as perspetivas das alterações climáticas são sombrias: "As projeções para as próximas décadas são dramáticas, estaremos em condições de calor constante no verão. Temos de ajustar o nosso modo de vida a este calor e adaptarmo-nos", conta.

Para se ajustar e adaptar, Atenas tem um plano de ação completo para aumentar a sensibilização para os riscos de saúde causados pelo calor e para repensar a cidade.

Uma das iniciativas é uma aplicação para smartphone que mostra o percurso pedestre mais fresco de A a B: "Mostra-lhe o caminho para o seu destino de acordo com as ruas mais frescas a seguir. O algoritmo calcula a temperatura de acordo com dados de satélite e também calcula a densidade das árvores nos percursos", diz Elissavet Bargiani.

Copernicus
Mapa das temperaturas em AtenasCopernicus

Elissavet leva-nos a um dos 10 chamados "pocket parks", ou parques de bolso, que a cidade criou em terrenos baldios: "Este sítio era um local abandonado. Não havia nenhuma árvore, nenhuma vegetação, nenhuma irrigação", explica. É agora um local refrescante num dos bairros mais quentes da cidade.

"Penso que se colocarmos o termómetro aqui debaixo das árvores e no asfalto, veremos pelo menos dois graus Celsius de diferença", diz Bargiani.

O efeito refrescante da vegetação é vital, porque as temperaturas de verão em Atenas já aumentaram em média 1,9 graus nos últimos 30 anos.

E há mais para vir, diz o meteorologista Pannos Giannopoulos: "Os estudos sobre as alterações climáticas mostram que o clima na Grécia se tornará mais quente, com verões mais quentes, mas também com invernos menos frios e menos chuva na maioria das áreas do país", diz.

A água é o próximo desafio - por isso, este aqueduto da era romana está a ser renovado por Kostas Gerolimatos, coordenador do projeto "Hidrant Cultural".

PUBLICIDADE

Poderá trazer 50 mil metros cúbicos de água subterrânea por ano para os subúrbios - água que atualmente vai para o mar.

"Se o aqueduto ainda estiver a funcionar, queremos pegar nessa água e distribuí-la pela vida quotidiana do bairro, dos residentes", diz Giannopoulos.

O objetivo a longo prazo é que 30% de Atenas seja espaço verde. Diz Elissavet Bargianni: "Não vai acontecer amanhã. Mas será uma cidade morta se não fizermos nada do género nos próximos anos. E penso que o vamos fazer".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Cancro da pele: Quais são os países da UE com as taxas de incidência e mortalidade mais elevadas?