Cancro da pele: Quais são os países da UE com as taxas de incidência e mortalidade mais elevadas?

Proteção contra o cancro da pele
Proteção contra o cancro da pele Direitos de autor Euronews/Canva
De  Camille Bello
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O organismo europeu de luta contra o cancro coloca o melanoma como o sexto cancro mais comum, tanto nos homens como nas mulheres.

PUBLICIDADE

Nos últimos tempos, surgiram nas redes sociais "influencers" que desaconselham o uso de protetor solar.

Os autoproclamados “gurus do bem-estar”, que ameaçam os esforços de prevenção do cancro da pele, afirmam que o protetor solar é prejudicial e não passa de um estratagema das empresas farmacêuticas para gerar lucros.

Estas afirmações ganharam audiência nas redes sociais. Um treinador de fitness que defende esta teoria atingiu 25 mil pessoas no Instagram.

Mas o consenso científico apoia fortemente a utilização de protetor solar como uma salvaguarda vital contra a radiação ultravioleta (UV) nociva.

E, embora poucos europeus estejam atentos ao uso de protetor solar, o melanoma, uma forma de cancro da pele, é o sexto cancro mais comum em homens e mulheres, depois dos cancros da mama, colorretal, próstata, pulmão e bexiga.

O protetor solar previne o cancro da pele, segundo os especialistas

A American Academy of Dermatology Association - o maior, mais influente e representativo grupo de dermatologia dos Estados Unidos - recomenda que pessoas de todas as raças e idades usem protetor solar diariamente.

"A utilização de protetor solar pode ajudar a prevenir o cancro da pele, protegendo-a dos raios ultravioleta (UV) nocivos do sol", lê-se no sítio Web.

"Qualquer pessoa pode contrair cancro da pele, independentemente da idade, sexo ou tom de pele. De facto, estima-se que um em cada cinco americanos venha a desenvolver cancro da pele durante a sua vida."

"A utilização diária regular de protetor solar com FPS 15 pode reduzir o risco de desenvolver carcinoma espinocelular (CEC) em cerca de 40% e diminuir o risco de melanoma em 50%", aconselha a Skin Cancer Foundation no seu sítio Web.

O carcinoma de células escamosas da pele é a segunda forma mais comum de cancro da pele, caracterizando-se pelo crescimento anormal e acelerado das células escamosas - um tipo de célula epitelial que constitui a camada mais externa da pele (epiderme). Quando detetados precocemente, a maioria dos CEC são tratáveis.

O melanoma é uma forma agressiva de cancro da pele que começa quando as células conhecidas como melanócitos (as células que dão à pele a sua cor bronzeada ou castanha) começam a crescer fora de controlo. Embora o melanoma seja menos comum do que o CEC, é mais perigoso devido à sua capacidade de se espalhar rapidamente para outros órgãos se não for tratado numa fase precoce.

Apenas 10% dos europeus afirmam utilizar de forma rotineira ou frequente todas as formas de proteção solar, como a aplicação de protetor, a permanência à sombra, o uso de chapéu e de vestuário de proteção durante todo o ano, em comparação com 14% das pessoas fora da Europa.

"É um número muito pequeno", afirma a dermatologista Fayne Frey. A médica diz reconhecer a preocupação das pessoas em relação a alguns dos químicos incluídos nos protetores solares mas, em declarações à Euronews Next, sublinhou que “os benefícios da aplicação de protetores solares - todos os protetores solares aprovados pela FDA (Food and Drug Administration) incluindo os da Europa - superam as desvantagens de não os aplicar".

Prevalência do cancro da pele na Europa

De acordo com o Sistema Europeu de Informação sobre o Cancro, o melanoma cutâneo foi responsável por 4% de todos os novos diagnósticos de cancro nos países da UE-27 em 2020 e por 1,3% de todas as mortes por cancro.

Está também entre as 20 principais causas de mortalidade relacionada com o cancro.

Em 2022, foram registados mais de 100 mil novos casos de melanoma, a maioria dos quais em adultos com idades entre os 45 e os 69 anos, que provocaram mais de 15 mil mortes.

Os homens têm mais probabilidades de desenvolver melanoma do que as mulheres. Uma em cada 74 mulheres tem um risco ao longo da vida (idades 0-74) de desenvolver cancro da pele, em comparação com um em cada 66 homens.

Os países da UE com as taxas de incidência de melanoma mais elevadas (homens e mulheres em conjunto) são a Dinamarca, os Países Baixos, a Suécia, a Finlândia e a Alemanha. Os países com as taxas mais baixas são a Roménia, a Bulgária, Chipre, Portugal e a Polónia.

PUBLICIDADE

Os países da UE com a mortalidade mais elevada por melanoma (homens e mulheres em conjunto) são a Espanha, a Grécia, Portugal, Malta e a Roménia. Os países com a mortalidade mais baixa são a Eslováquia, a Dinamarca, a Eslovénia, a Croácia, a Suécia e os Países Baixos.

Os estudos sugerem que a região nórdica, apesar da sua exposição limitada à luz solar, sofre períodos intensos de radiação UV durante os meses de verão, o que leva a uma maior incidência de melanoma. Este facto é ainda agravado pela prevalência de pele clara e pela maior suscetibilidade a queimaduras solares entre a população destas regiões.

"Há cada vez mais provas de que as queimaduras intermitentes aumentam o risco de melanoma", explica Frey.

De acordo com as conclusões do Instituto Karolinska, uma universidade de investigação de renome na Suécia, o aumento do risco de desenvolvimento de melanoma recorrente entre os suecos pode ser atribuído a dois fatores principais: banhos de sol mais ativos e aumento das viagens para destinos com muito sol.

Em consonância com as conclusões da Suécia, um outro estudo publicado na revista científica Medicine analisou a tendência crescente da incidência do melanoma na Dinamarca, concluindo que a causa provável são as alterações "nos padrões de exposição ao sol, incluindo o aumento das viagens desde os anos 60 e a introdução e disseminação de solários em 1980".

PUBLICIDADE

Apesar da elevada incidência, os países nórdicos registam algumas das taxas de sobrevivência ao melanoma mais elevadas da UE. E em todo o bloco, a sobrevivência de cinco anos dos doentes com melanoma é mais elevada na Europa Ocidental e mais baixa em alguns países da Europa Oriental, refletindo "variações na gestão e tratamento do cancro".

"Isto é apenas a ponta do iceberg", escreve Ana-Maria Forsea, professora do departamento de dermatologia oncológica da Universidade de Medicina e Farmácia Carol Davila, na Roménia, numa revista científica de acesso livre.

As disparidades nas taxas de sobrevivência, observa Forsea, devem-se a diferenças essenciais nas fontes e na disponibilidade de acesso à prevenção, ao diagnóstico precoce e ao acesso ao tratamento, "e - não menos importante - à disponibilidade e precisão dos dados epidemiológicos".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Modelo de IA pode melhorar a remoção de tumores durante as cirurgias ao cancro da mama - estudo

Como Atenas luta contra as ondas de calor

Nenhuma cidade está "verdadeiramente preparada" para as ondas de calor que se avizinham