EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Países europeus batem recordes de temperaturas: onde é que faz mais calor?

Europa enfrenta nova vaga de calor
Europa enfrenta nova vaga de calor Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Ian Smith
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Europa enfrenta uma segunda vaga de calor este verão. Analisamos as temperaturas mais elevadas alguma vez registadas no continente.

PUBLICIDADE

Grande parte do sul da Europa foi atingida por um período intenso e prolongado de calor extremo.

Prevê-se que as temperaturas atinjam hoje os 40ºC em Espanha e os 40ºC na Sicília.

Estas temperaturas elevadas trazem uma série de problemas, desde incêndios florestais, secas e desertificação a mortes relacionadas com o calor. Cientistas e especialistas em clima alertam para o facto de os fenómenos meteorológicos extremos, como as ondas de calor, estarem a aumentar rapidamente devido às alterações climáticas.

Qual é o recorde de temperatura na Europa?

A temperatura mais quente, 48,8ºC, foi registada na cidade de Siracusa, na ilha italiana da Sicília, em 2021.

As condições obrigaram o país inteiro a declarar o estado de emergência.

Antes disso, durante 44 anos, a Grécia foi detentora do recorde. Em 1977, foi registada uma temperatura de 48ºC em Atenas.

Outras zonas do sul da Europa também registaram temperaturas acima dos 40ºC. Portugal registou 47,3ºC em 2003 na Amareleja, no sudeste do país. E Espanha registou temperaturas de 47,6°C em 2021.

O ano passado foi o mais quente de Espanha desde o início dos registos, em 1961, e também o sexto mais chuvoso do país, apesar da presença do fenómeno meteorológico El Niño, que reduziu ligeiramente as temperaturas médias globais.

A Islândia tem o recorde do registo mais frio de temperatura elevada da Europa, com 30,5ºC registados em 1939. A Irlanda tem o segundo registo mais frio de temperatura elevada, com 33,3ºC. Este valor foi registado em 1887 e é o único registo de temperatura elevada do século XIX na Europa.

O continente tem estado a aquecer duas vezes mais do que a média global desde a década de 1980, de acordo com um relatório publicado no início deste ano pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) da ONU e pela rede europeia Copernicus.

De acordo com os dados da OMM, 18 países europeus registaram a temperatura mais elevada desde 2010.

Como são registados e verificados os recordes de temperatura?

Apesar da frequência de novos registos nos últimos 13 anos, a verificação não é um processo rápido. A OMM mantém um arquivo global de extremos meteorológicos e climáticos, que regista temperatura, pressão, precipitação, granizo, aridez, vento, relâmpagos e mortalidade relacionada com o tempo.

A organização entra em contacto com o serviço meteorológico nacional do país onde se pensa ter existido um registo para obter informações como o equipamento utilizado e as práticas de observação.

Um comité de peritos examina estas informações ao longo de seis a nove meses. Em seguida, recomenda uma conclusão ao relator da OMM para os Extremos Meteorológicos e Climáticos, que aceita o registo para inclusão no arquivo ou o rejeita.

Por exemplo, o recorde europeu de temperatura na Sicília foi registado em 2021 e aceite preliminarmente, mas só foi confirmado esta semana pela OMM.

Qual é a temperatura mais quente alguma vez registada?

A agência também analisa os registos mais antigos. O atual recorde mundial de temperatura mais elevada é de 56,7°C no Death Valley, nos EUA, a 10 de julho de 1913.

Mas, durante anos, acreditou-se que o recorde era de 58°C, supostamente registado na Líbia em 1922, até que uma equipa da OMM efetuou uma investigação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ondas de calor "muito mais prováveis" devido a alterações climáticas

Em imagens: A Europa é assolada por temperaturas abrasadoras com a segunda vaga de calor

Demasiado calor para trabalhar? O que diz a lei nos países da Europa?