Fruta está a desaparecer dos pomares italianos devido ao clima extremo

Inundações, granizo, temperaturas recorde e ataques de insetos não nativos estão a perturbar colheitas.
Inundações, granizo, temperaturas recorde e ataques de insetos não nativos estão a perturbar colheitas. Direitos de autor Canva
De  Angela Symons
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Pereiras italianas perderam seis em cada dez frutos este verão

PUBLICIDADE

As condições meteorológicas extremas estão a dizimar as culturas em Itália. A associação de agricultores Coldiretti diz que seis em cada dez peras desapareceram dos pomares italianos este verão. 

A corporação atribui o incidente a inundações, granizo, temperaturas recorde e ataques de insetos não nativos.

A produção de peras em Itália diminuiu 63% em relação ao ano passado e a oferta global na Europa caiu 13%. A colheita de peras em França igualmente foi perturbada, tendo registado uma quebra de 23%.

As colheitas de uvas, melancias, alperces, tomates e beringelas em Itália também sofreram perdas devido ao clima.

No entanto, os fruticultores italianos não são os únicos afetados pelos estados de tempo extremos.

A produção de trigo e de leite diminuiu 10% e a produção de uvas para vinho, 14%, em relação a 2022, de acordo com a análise da Coldiretti.

A produção de mel registou uma quebra de 70%, uma vez que as abelhas estão demasiado "exaustas" devido ao calor para polinizar as plantas, explica a associação.

Os agricultores estão a tirar partido de tecnologias como drones e satélites para poupar água e contrariar os efeitos das alterações climáticas.

Escassez  de alimentos e aumentos de preços na Europa

No início deste ano, os consumidores do Reino Unido depararam-se com prateleiras de fruta e legumes vazias e preços inflacionados. 

As condições meteorológicas invulgares que perturbaram as colheitas em Espanha e Marrocos, o aumento dos custos da energia e a burocracia do Brexit contribuíram para a escassez.

Em julho, quase metade da União Europeia viu os alertas de seca acionado, alimentando ainda mais os receios quanto à produção e aos preços dos alimentos.

A fruta e os legumes - em especial o tomate e produtos relacionados, como as pizzas e o ketchup - foram particularmente afetados na Europa. 

As culturas de cereais, como o trigo e a cevada, também foram gravemente perturbadas por um ano de inundações, seca e calor, o que teve repercussões na alimentação do gado e na agricultura.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndios florestais e ansiedade ecológica levam crianças portuguesas a iniciar batalha judicial europeia

Itália: Incêndios na Sicília e inundações em Milão

Itália entre tempestade de granizo e onda de calor