EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

NASA alerta: 2023 pode ser "Muito mais quente do que tudo o que já vimos"

Uma mulher protege-se do sol com uma ventoinha de mão em Madrid, Espanha, em julho de 2023\.
Uma mulher protege-se do sol com uma ventoinha de mão em Madrid, Espanha, em julho de 2023\. Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
De  Angela Symons
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os maiores impactos do El Niño far-se-ão sentir entre fevereiro e abril de 2024, alerta a NASA.

PUBLICIDADE

Há 50% de hipóteses de 2023 ser o ano mais quente de que há registo na Terra, de acordo com os especialistas da NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço, dos Estados Unidos).

E, com os maiores impactos do El Niño ainda por sentir, 2024 será ainda mais quente.

O mês passado foi o julho mais quente "de longe", confirmou a cientista chefe da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA), Sarah Kapnick, durante uma conferência de imprensa na segunda-feira.

Os gases com efeito de estufa produzidos pela atividade humana foram apontados como o principal motor do aquecimento.

2023 está a preparar-se para ser um ano recorde

De acordo com as perspectivas anuais de temperatura global do NCEI (Centros Nacionais de Informação Ambiental dos Estados Unidos) , é "praticamente certo" que 2023 será um dos cinco anos mais quentes de que há registo. Até à data, já se encontra em terceiro lugar.

Com os maiores impactos do fenómeno de aquecimento do Oceano Pacífico, conhecido como El Niño, previstos para fevereiro e abril de 2024, é provável que o próximo ano seja ainda mais quente.

Os cientistas receiam que este fenómeno possa contribuir para que o planeta ultrapasse o limite de 1,5ºC de aquecimento e provoque fenómenos meteorológicos extremos como secas, tempestades e inundações.

No início deste mês, o Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas (C3S) da UE (União Europeia) confirmou que julho foi o mês mais quente alguma vez registado na Terra.

A NOAA corroborou este facto na segunda-feira, com números que mostram que as temperaturas foram mais de 0,2ºC superiores ao recorde anterior estabelecido em 2019.

"O mês passado foi muito, muito mais quente do que qualquer coisa que já vimos", disse Kapnick.

Partes da América do Norte e do Sul, o Norte de África e a Península Antárctica foram especialmente quentes, com aumentos de temperatura de cerca de 4ºC acima da média, dizem os especialistas da NASA.

As temperaturas à superfície do oceano também atingiram um recorde pelo quarto mês consecutivo, o que contribuiu para o calor recorde de julho.

A Mãe Natureza está a enviar-nos uma mensagem

Com os últimos nove anos a serem os mais quentes desde que os registos da NASA começaram em 1880, o administrador da agência espacial Bill Nelson avisou: "A Mãe Natureza está a enviar-nos uma mensagem, e essa mensagem é 'É melhor agirmos agora, antes que seja tarde demais para salvar o nosso planeta'".

O aumento das temperaturas provocou uma cascata de desastres, desde o derretimento do gelo marinho e a subida do nível do mar até aos incêndios florestais, inundações e tempestades dos últimos meses.

"O que acontece nos oceanos não fica nos oceanos, afecta todo o planeta", afirmou Carlos Del Castillo, chefe do laboratório de ecologia oceânica da NASA.

Embora o El Niño tenha exacerbado os fenómenos meteorológicos extremos, a agência espacial norte-americana afirmou que as emissões de origem humana são as principais culpadas - especialmente nas últimas quatro décadas.

"Esperamos que muitos destes impactos se agravem com a continuação do aquecimento", afirmou Katherine Calvin, cientista-chefe e conselheira climática sénior da NASA.

"Não há fronteiras políticas ou geográficas, estamos todos juntos nisto", acrescentou Nelson.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Verão de extremos": As alterações climáticas são responsáveis pelas ondas de calor e inundações?

Alterações climáticas afetam a saúde: OMS pede plano de ação aos governos

As consequências dramáticas das alterações climáticas na Europa