EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"Verão de extremos": As alterações climáticas são responsáveis pelas ondas de calor e inundações?

A Europa tem sido assolada por temperaturas extremas este verão.
A Europa tem sido assolada por temperaturas extremas este verão. Direitos de autor AP Photo/Ross D. Franklin, File
Direitos de autor AP Photo/Ross D. Franklin, File
De  Rosie Frost
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os especialistas dizem que, se não pararmos de queimar combustíveis fósseis hoje, o que estamos a viver agora pode tornar-se o novo normal.

PUBLICIDADE

As vagas de calor do mês de julho provocaram temperaturas recorde em três continentes e as chuvas intensas conduziram a inundações mortais em todo o mundo.

Os meteorologistas prevêem que a Europa poderá atingir nos próximos dias as temperaturas mais elevadas de sempre, prevendo-se que partes de Itália atinjam mais de 48ºC. A China já bateu o recorde com 52,2ºC na remota cidade de Sanboa no domingo.

Nos Estados Unidos, cerca de 90 milhões de pessoas - 27% da população do país - vivem em zonas onde se prevêem níveis perigosos de calor durante esta semana.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) alertou para o facto de não se vislumbrar uma trégua imediata deste "verão de extremos". A organização meteorológica da ONU afirmou que as temperaturas elevadas em todo o mundo poderão continuar até agosto.

Mas o que está a provocar este tempo extremo e serão as alterações climáticas as culpadas?

O nosso clima está a tornar-se mais extremo?

As alterações climáticas não significam apenas que o mundo está a ficar mais quente.
Os padrões meteorológicos são perturbados, o que leva a um aumento da frequência e da intensidade dos fenómenos extremos, nomeadamente das temperaturas elevadas e da precipitação intensa.

De acordo com Álvaro Silva, especialista da divisão de ciências climáticas da OMM, um número crescente de estudos demonstra a ligação entre o rápido aquecimento e as alterações dos padrões climáticos essenciais.

Com o Ártico a aquecer quatro vezes mais depressa do que a média global, a investigação sugere que as temperaturas mais elevadas nesta região estão a provocar o abrandamento dos ventos fortes conhecidos como a corrente de jato.

"A corrente de jato torna-se mais fraca e mais ondulante quando o ar quente é transportado para o norte e o ar frio para o sul", explica.

"Nestas condições, estabelecem-se padrões meteorológicos quase estacionários que conduzem a ondas de calor e secas prolongadas em algumas regiões e a precipitação intensa noutras."

AP Photo/Andy Wong
Residente de Pequim deita água na cabeça para se refrescar, 10 de julho, 2023.AP Photo/Andy Wong

O início do fenómeno meteorológico El Niño, em junho, só deverá aumentar a frequência e a intensidade destes fenómenos extremos.

Significa que as águas do Oceano Pacífico Oriental estão mais quentes do que o habitual, o que potencia a ocorrência de fenómenos meteorológicos extremos e, quando combinado com o aquecimento excessivo resultante das alterações climáticas, provoca temperaturas recorde.

"O desenvolvimento do El Niño, um fenómeno natural que envolve a libertação de calor do Oceano Pacífico, também está a contribuir para o aquecimento", explica Friederike Otto, professora de ciências climáticas no Instituto Grantham para as Alterações Climáticas e o Ambiente.

"Mas as alterações climáticas causadas pelo homem são a principal razão pela qual os recordes de temperatura global estão a ser batidos".

Como é que sabemos que a culpa é das alterações climáticas?

Os cientistas do clima utilizam simulações informáticas complexas para determinar se os seres humanos estão a provocar o agravamento de fenómenos meteorológicos extremos.

Em abril deste ano, Espanha, Portugal e o noroeste de África sofreram mais uma onda de calor recorde. A Espanha registou a temperatura mais quente de sempre em abril, atingindo 38,8°C no aeroporto de Córdova, no sul do país.

Os três dias de calor excecional vieram juntar-se a secas históricas de vários anos em muitas destas regiões.

Cientistas de Marrocos, França, Países Baixos, EUA e Reino Unido reuniram-se para avaliar o impacto das alterações climáticas.

PUBLICIDADE

Concluíram que a vaga de calor de 26 a 28 de abril era "pelo menos 100 vezes mais provável" devido à crise climática. De acordo com a investigação da World Weather Attribution (WWA), estas temperaturas extremas teriam sido "estatisticamente impossíveis" na ausência do aquecimento global provocado pelo homem.

AP Photo/Thanassis Stavrakis
Uma casa denificada pelas chamas na floresta ardida de Mandra, a oeste de Atenas, Grécia, 19 de julho, 2023.AP Photo/Thanassis Stavrakis

Embora os dados relativos às vagas de calor deste mês de julho ainda tenham de ser analisados, a investigação aponta as alterações climáticas como a causa.

Um relatório do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC), publicado no início deste ano, confirmou o aumento da frequência e da intensidade dos fenómenos meteorológicos extremos desde a década de 1950. Um estudo separado sobre as ondas de calor na Europa revela que estes fenómenos se tornaram cada vez mais graves nas últimas duas décadas.

E a WWA afirma que, sem as alterações climáticas, seria "extremamente improvável" que o Reino Unido atingisse temperaturas máximas de 40ºC em julho de 2022.

O Dr. Otto afirma que este calor é "sem precedentes para os seres humanos", com a Europa a registar "ondas de calor mais longas, mais quentes e mais frequentes devido às alterações climáticas causadas pelo homem".

PUBLICIDADE

As pessoas podem chamar-lhe uma "nova era" ou "território desconhecido", mas não se trata de um "colapso climático" ou de um "aquecimento descontrolado". Ainda temos tempo para garantir um futuro habitável para muitos, mas precisamos de eliminar rapidamente os combustíveis fósseis e reduzir as emissões globais para zero", explica.

Estaremos a caminhar para uma nova "fronteira climática"?

James Hansen, o cientista norte-americano que alertou pela primeira vez o mundo para o efeito de estufa em 1980, afirmou que parece que estamos a caminhar para uma "nova fronteira climática".

"Em testemunhos ao Congresso em 1988 e 1989, e num documento anexo ao testemunho de 1989, observámos que o aquecimento global faz com que os locais húmidos se tornem mais húmidos e os locais secos se tornem mais secos", escreveu, juntamente com dois outros cientistas do clima, numa declaração divulgada na semana passada.

Segundo eles, o mundo está agora a mudar para temperaturas mais elevadas do que em qualquer outro momento no último milhão de anos.

"Em média global, junho de 2023 foi facilmente o junho mais quente do registo histórico", lê-se na declaração.

PUBLICIDADE

Estes extremos climáticos também significam tempestades mais fortes, secas mais intensas e ondas de calor.

E os cientistas afirmam que este clima só continuará a tornar-se mais frequente e mais extremo enquanto os seres humanos continuarem a libertar gases com efeito de estufa.

"Se deixássemos de queimar combustíveis fósseis hoje, o que estamos a viver agora tornar-se-ia o novo normal", afirma o Dr. Otto.

"Mas enquanto continuarmos a queimar combustíveis fósseis, o clima vai continuar a aquecer e vamos assistir a extremos muito mais quentes do que este ano."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NASA alerta: 2023 pode ser "Muito mais quente do que tudo o que já vimos"

À medida que as temperaturas continuam a subir em todo o mundo e na Europa, qual é o limite que o seu corpo pode suportar?

Temperaturas globais devem bater recordes nos próximos 5 anos