EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Uso de ar condicionado mais do que duplicou na Europa desde 1990

Uma bomba de calor em Biddinghuizen, Países Baixos, em 27 de maio de 2023
Uma bomba de calor em Biddinghuizen, Países Baixos, em 27 de maio de 2023 Direitos de autor Martin Meissner/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Martin Meissner/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Marie Jamet
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em francês

Os europeus podem ter tendência a não utilizar sistemas de ar condicionado, mas as vendas e a penetração dos aparelhos de ar condicionado e das bombas de calor estão a aumentar de forma constante, especialmente nos países do sul do continente.

PUBLICIDADE

Culturalmente, os europeus ainda são resistentes ao ar condicionado. No entanto, os números mostram que, à medida que as temperaturas sobem, a utilização de ar condicionado está a aumentar constantemente no continente.

De acordo com o último relatório da Agência Internacional da Energia (AIE) sobre o assunto, datado de 2018 e baseado em dados de 2016, a União Europeia tem muito menos sistemas de ar condicionado do que a China ou os EUA, tanto em termos absolutos (96,5 milhões de unidades) como por mil habitantes (cerca de 20 unidades por mil habitantes).

Nessa altura, só três países representavam dois terços dos sistemas de ar condicionado do mundo: a China, os EUA e o Japão.

De acordo com dados mais recentes, mas menos precisos, da AIE, a taxa de penetração do ar condicionado em 2022 será de 90% nos EUA e de apenas 19% na Europa.

Nas suas projeções para a União Europeia, a AIE estima 130 milhões de unidades instaladas até 2023 e que o número de unidades deverá quadruplicar no continente até 2050.

Uma característica específica do mercado europeu em comparação com o dos outros países estudados é o fato de o ar condicionado ter sido inicialmente instalado em edifícios comerciais, como em escritórios, e não em casas particulares.

De acordo com a AIE, o ar condicionado está a progredir mais rapidamente no mercado doméstico do que nos edifícios comerciais, mas continua a ser frequentemente um pequeno luxo.

Um estudo realizado em 16 países por quatro investigadores das Universidades de Berkley, nos EUA, e de Mannheim, na Alemanha, mostra que, globalmente, o número de famílias que instalam ar condicionado é mais elevado nos países mais ricos e está a aumentar mais acentuadamente entre as famílias mais ricas. O custo da instalação é um obstáculo. O aumento da fatura energética quando o ar condicionado está a funcionar é outro.

O círculo vicioso do ar condicionado

O aumento do uso do ar condicionado tem três efeitos ao longo do ciclo de vida de um sistema de ar condicionado, desde a produção até ao fornecimento, funcionamento e reciclagem:

  1. um aumento do consumo de energia
  2. um aumento dos gases com efeito de estufa
  3. ar mais quente, nomeadamente nas cidades, com o efeito de ilha de calor

De acordo com a Agência Internacional da Energia (AIE), o ar condicionado é atualmente responsável pela emissão de cerca de mil milhões de toneladas de CO2 por ano, num total de 37 mil milhões de toneladas emitidas em todo o mundo.

Clara Camarasa, especialista da Agência Internacional da Energia (AIE), explica que o ar condicionado "pode exercer uma enorme pressão sobre as redes elétricas e acelerar as emissões de gases com efeito de estufa, agravando a crise climática”.

Acrescenta ainda: “o__rápido crescimento das necessidades [de ar condicionado] pode levar à utilização de equipamentos ineficientes e de elevado consumo energético. Os aparelhos de ar condicionado também necessitam frequentemente de grandes volumes de água e alguns deles, com determinados fluidos refrigerantes, têm um potencial de aquecimento particularmente elevado, o que também é prejudicial para a camada de ozono".

A necessidade de arrefecimento dos edifícios quadruplicou entre 1979 e 2022 na União Europeia, e está a tornar-se cada vez mais evidente no norte do continente.

De acordo com o Eurostat, o gabinete de estatísticas da União Europeia, a refrigeração do ar representa atualmente apenas 0,5% do consumo final de energia das famílias europeias. Esta percentagem varia consoante a localização geográfica dos países e a sua exposição a temperaturas elevadas.

Nas cidades, a utilização do ar condicionado acentua o efeito de ilha de calor. Para além de contribuírem para as alterações climáticas globais, os sistemas de ar condicionado arrefecem os edifícios libertando calor para estes espaços mineralizados, que armazenam calor e o libertam novamente, sobretudo à noite.

PUBLICIDADE

Em França, uma equipa do Cired (Centro Internacional de Pesquisa sobre o Ambiente e o Desenvolvimento), liderada por Vincent Viguié, investigador em economia das alterações climáticas, simulou a combinação de uma vaga de calor com o nível de equipamento de ar condicionado na cidade de Paris.

Calculou que a temperatura nas ruas de Paris aumentaria 2,4°C à noite se todos os edifícios com ar condicionado da cidade mantivessem uma temperatura interior de 23°C durante uma vaga de calor de nove dias com uma duração de 38°C. Esta vaga de calor vai provocar, mais uma vez, a utilização do ar condicionado, num círculo vicioso que sugere que devemos abandonar definitivamente a climatização dos edifícios.

Uma necessidade básica?

No entanto, em algumas regiões, o ar condicionado está a tornar-se cada vez mais uma necessidade básica.

"Alguns puristas acham que não devíamos usar ar condicionado, mas eu penso que isso não é viável", diz Robert Dubrow, diretor do Centro de Alterações Climáticas e Saúde da Universidade de Yale.

PUBLICIDADE

O acesso ao ar condicionado já salva dezenas de milhares de vidas por ano, um número que está a aumentar, de acordo com um relatório recente da AIE, do qual Dubrow é um dos autores. Estudos mostram que o risco de morte relacionada com o calor é reduzido em cerca de 75% nos lares com ar condicionado.

Todos os especialistas concordam que a atitude mais sensata não é reduzir o uso do ar condicionado, mas promover sistemas mais eficientes, por um lado, e dar prioridade ao isolamento dos edifícios e à plantação de vegetação, por outro.

Clara Camarasa, especialista da Agência Internacional da Energia (AIE), salienta que "as soluções assentes na natureza (...) estão a suscitar um interesse crescente como forma de combater as ilhas de calor urbanas. Os espaços verdes, os telhados verdes... (e) podem tornar as cidades mais resilientes, como complemento de tecnologias eficientes.

Por conseguinte, considera que "dar prioridade às bombas de calor reversíveis e melhorar o isolamento dos edifícios pode ajudar a construir cidades mais sustentáveis e resilientes, ao mesmo tempo que se faz face ao aumento da procura de energia."

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lyon enfrenta vaga de calor mas o pior ainda está para vir

Ondas de calor "muito mais prováveis" devido a alterações climáticas

Estas são as 5 principais fontes de microplásticos em sua casa: eis como as evitar