Apenas sete países respiram ar considerado limpo. Três deles situam-se na Europa

Mulher com máscara facial participa num protesto contra a poluição atmosférica, em Sarajevo, Bósnia, a 20 de janeiro de 2020.
Mulher com máscara facial participa num protesto contra a poluição atmosférica, em Sarajevo, Bósnia, a 20 de janeiro de 2020. Direitos de autor AP Photo/Eldar Emric
De  Angela Symons
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os cientistas afirmam que a poluição atmosférica é uma "catástrofe sanitária mundial".

PUBLICIDADE

Apenas sete países do mundo atingiram níveis seguros de poluição atmosférica em 2023, revela um novo relatório da empresa suíça de tecnologia da qualidade do ar IQAir.

O Relatório Mundial sobre a Qualidade do Ar, publicado esta semana, baseia-se em dados de mais de 30 000 estações de monitorização em 134 países, territórios e regiões.

Destas, 124 violaram os níveis seguros de PM2,5 (partículas finas), de acordo com as diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Estas partículas microscópicas, com menos de 2,5 mícrones de diâmetro, podem ser inaladas para o interior dos pulmões e até chegar à corrente sanguínea. Têm sido associadas a doenças cardíacas e pulmonares, tensão arterial elevada, aumento do risco de asma, depressão e ansiedade e morte prematura.

Que países atingem níveis seguros de qualidade do ar?

Os sete países que cumpriram a diretriz de segurança de cinco microgramas por metro cúbico de ar (µg/m3) ou menos foram a Austrália, a Estónia, a Finlândia, Granada, a Islândia, as Maurícias e a Nova Zelândia.

Porto Rico, Bermudas e Polinésia Francesa também se situaram dentro dos níveis de segurança.

Na Europa, a Islândia tinha o ar mais limpo, com 4µg/m3, seguida da Estónia com 4,7µg/m3 e da Finlândia com 4,9µg/m3.

Foi utilizada uma escala de cores para indicar os níveis de poluição, com muitos países europeus a situarem-se na categoria verde, que indica níveis até ao dobro da norma de segurança.

Começando pelos menos poluídos, estes incluem a Suécia, a Irlanda, a Noruega, Portugal, o Liechtenstein, a Dinamarca, o Reino Unido, Andorra, a Letónia, a Ucrânia, os Países Baixos, o Luxemburgo, a Suíça, a Alemanha, a Bélgica, a França, a Áustria, a Espanha e a Rússia.

As cidades europeias registaram melhorias desde o relatório de 2022, com 54% classificadas como verdes em 2023, em comparação com 39% no ano anterior.

Concentrations of PM2.5 around the globe.
Concentrations of PM2.5 around the globe.IQAir

Qual é a gravidade da poluição atmosférica noutros países europeus?

Na categoria amarela - que denota níveis de poluição até três vezes acima da norma de segurança - os países europeus incluem a Lituânia, a República Checa, a Hungria, Malta, a Eslováquia, a Bulgária, a Croácia, a Polónia, Chipre, a Eslovénia e a Itália.

Em 2023, a Croácia foi o país que registou os maiores progressos na redução dos níveis de PM2,5, tendo a média anual diminuído mais de 40 por cento em relação a 2022. Para o conseguir, aumentou a utilização de energias renováveis, que até agora representam mais de 31% do cabaz energético do país - muito acima da média da UE de 23%.

A Croácia também introduziu políticas para eliminar gradualmente o carvão antes de 2033, reduzir as emissões de metano em 30% abaixo dos níveis de 2020 até 2030 e acabar com a desflorestação até 2030.

Na categoria laranja - até cinco vezes acima dos níveis seguros - encontravam-se a Moldávia, a Roménia, a Albânia, a Grécia, a Turquia, a Sérvia e o Montenegro.

A Bósnia e Herzegovina registou uma diminuição de 18% nos níveis de PM2,5 em 2023, em comparação com 2022, mas continua a ser o país mais poluído da região, seguido da Macedónia do Norte - ambos na categoria vermelha, com níveis de poluição superiores a cinco vezes a norma de segurança.

Igdir, na Turquia, é a cidade mais poluída da Europa, com níveis de PM2,5 superiores a nove vezes a norma de segurança.

The Bosnian capital of Sarajevo is covered by layers of fog, Bosnia, 17 December 2020.
The Bosnian capital of Sarajevo is covered by layers of fog, Bosnia, 17 December 2020.AP Photo/Eldar Emric

Quais são os países mais poluídos do mundo?

Os países com a pior qualidade do ar concentram-se na Ásia Central e do Sul, onde se situam as 10 cidades mais poluídas do mundo.

O Bangladesh ocupou o invejável primeiro lugar, com 79,9 µg/m3 - mais de 15 vezes superior à diretriz anual da OMS para PM2,5.

PUBLICIDADE

O Paquistão ficou em segundo lugar, com níveis 14 vezes superiores às normas de segurança. Seguiu-se a Índia, com níveis de PM2,5 10 vezes superiores ao limite. O país alberga também as quatro cidades mais poluídas do mundo, sendo a cidade industrial de Begusarai, no nordeste, a pior.

O Tajiquistão e o Burkina Faso foram o quarto e o quinto países mais poluídos, ambos com níveis de PM2,5 nove vezes superiores às normas de segurança.

Pela primeira vez na história dos seis relatórios do IQAir, o Canadá foi o país mais poluído da América do Norte, sendo o lar das 13 cidades mais poluídas da região.

Porque é que os dados sobre a qualidade do ar são importantes?

Os relatórios sobre a qualidade do ar funcionam como importantes apelos à ação para reduzir os níveis de poluição, que são normalmente piores em áreas onde vivem grupos de pessoas vulneráveis e sub-representadas.

A falta de dados nos países africanos deixa um terço da população do continente sem acesso a dados sobre a qualidade do ar, o que significa que muitos não puderam ser incluídos no estudo.

PUBLICIDADE

"Um ambiente limpo, saudável e sustentável é um direito humano universal", afirma Frank Hammes, Diretor Executivo Global do IQAir. "Em muitas partes do mundo, a falta de dados sobre a qualidade do ar atrasa uma ação decisiva e perpetua o sofrimento humano desnecessário.

"Os dados sobre a qualidade do ar salvam vidas. Quando a qualidade do ar é comunicada, são tomadas medidas e a qualidade do ar melhora."

São urgentemente necessários esforços para "gerir as causas da neblina transfronteiriça e reduzir a nossa dependência da combustão como fonte de energia", de acordo com Aidan Farrow, cientista sénior de qualidade do ar da Greenpeace International.

"Em 2023, a poluição atmosférica continuava a ser uma catástrofe sanitária mundial", afirma. "O conjunto de dados globais do IQAir fornece um lembrete importante das injustiças resultantes e da necessidade de implementar as muitas soluções que existem para este problema."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Das inundações aos incêndios: Como verificar se uma casa é resistente ao clima

Capital Verde Europeia 2024: O que é que Valência tem planeado para o seu ano na ribalta?

A vida fora da rede pode parecer fácil no Instagram, mas o final trágico desta família conta uma história diferente