Das inundações aos incêndios: Como verificar se uma casa é resistente ao clima

Um homem, à esquerda, caminha em direção a um edifício de apartamentos na aldeia de Cullera, a sul de Valência, Espanha, em abril de 2008.
Um homem, à esquerda, caminha em direção a um edifício de apartamentos na aldeia de Cullera, a sul de Valência, Espanha, em abril de 2008. Direitos de autor AP Photo/Fernando Bustamante
De  Angela Symons
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Não faça a maior compra da sua vida sem antes verificar estes riscos.

PUBLICIDADE

Para a maioria das pessoas, comprar uma casa é o maior investimento da sua vida. Por isso, faz sentido ter em conta todos os riscos.

Cada vez mais, as alterações climáticas estão a afetar o mercado imobiliário, danificando e desvalorizando as casas e aumentando os custos dos seguros.

O site imobiliário norte-americano Realtor.com anunciou na semana passada que está a alargar os riscos climáticos nas suas listas de propriedades, passando de incêndios e inundações para níveis atuais e projetados de calor, vento e qualidade do ar.

Mais de 40% das casas nos EUA estão em risco grave ou extremo no que diz respeito a estes fatores, afirmou Realtor.com num comunicado de imprensa.

Alguns proprietários de casas já estão a sentir os piores efeitos. No ano passado, propriedades da Grécia a Itália foram engolidas por incêndios florestais, erosão costeira e chuvas intensas.

A maioria dos proprietários ficará vinculada à sua hipoteca durante cerca de 25 anos - período durante o qual, se as emissões não diminuírem, 800 milhões de pessoas viverão em cidades em risco de subida do nível do mar, de acordo com a rede de ação climática C40.

Para o ajudar a tomar uma decisão informada, eis alguns riscos das alterações climáticas a ter em conta ao comprar uma casa.

Verifique o historial meteorológico da zona: tempo quente pode levar a subsidência e incêndios florestais

2023 foi o ano mais quente de que há registo no mundo - e os especialistas receiam que 2024 seja ainda mais quente.

À medida que ultrapassamos o limiar de aquecimento de 1,5°C que nos ajudaria a evitar os piores efeitos das alterações climáticas, o calor extremo terá impacto em tudo, desde a nossa saúde às nossas casas.

Períodos prolongados de seca e temperaturas elevadas roubam a humidade do solo, provocando o seu encolhimento. Isto pode resultar em instabilidade e afundamento do solo, levando a que os edifícios rachem e se tornem instáveis. O solo também actua como um amortecedor contra a seca e as inundações - ambas as situações podem piorar quando o solo fica demasiado seco.

Consulte o historial meteorológico da zona onde pretende comprar para determinar com que frequência as temperaturas e a humidade subiram acima da média local nos últimos anos.

O tempo anormalmente quente tem outros efeitos preocupantes, como a deflagração ou exacerbação de incêndios florestais, que podem invadir propriedades próximas de áreas selvagens, como florestas e arbustos - especialmente se também estiverem a sofrer de seca.

Para além de ser desconfortável e perigoso, o calor elevado pode também levar a custos de refrigeração e manutenção mais elevados, tornando a propriedade de uma casa mais cara.

O custo do arrefecimento será menor nas casas com um isolamento eficiente.

Verifique as defesas costeiras: inundações e a erosão ameaçam as casas

Os nossos oceanos também estão a aquecer à medida que as temperaturas sobem, provocando um degelo sem precedentes e a subida do nível do mar, bem como chuvas e tempestades mais frequentes e intensas.

Esta situação coloca as habitações costeiras em grave perigo. As comunidades europeias, de Inglaterra a França, já estão a sentir os efeitos da erosão costeira, com propriedades a serem inundadas, desestabilizadas e destruídas.

Se está a pensar comprar uma propriedade vulnerável à erosão costeira, verifique a existência de defesas costeiras, como um paredão, que ajudarão a protegê-la. Mas não se esqueça de que estas podem não ser mantidas ou não estar em condições de serem utilizadas no futuro, o que terá impacto na segurança, no valor e no seguro da sua casa.

As casas construídas em ou perto de rios e planícies aluviais são também extremamente vulneráveis ao clima, uma vez que a alteração dos padrões meteorológicos traz chuvas mais fortes e tempestades mais frequentes e intensas. As casas inundadas, mesmo quando recuperáveis, podem ser afectadas por danos estruturais e bolores nocivos.

PUBLICIDADE

As inundações de esgotos representam um risco ainda mais grave, que pode ser causado por chuva excessiva. Consulte os mapas de esgotos locais e evite comprar uma casa construída sobre um esgoto ou perto de um ponto fraco, como uma tampa de esgoto, para reduzir o risco. As companhias de água também estão a descarregar cada vez mais esgotos nos rios quando a chuva intensa ameaça a capacidade dos seus tanques, o que coloca ainda mais as casas em risco de inundações insalubres.

As chuvas intensas podem mesmo originar sumidouros - por isso, esteja atento a depressões circulares na terra, afundamentos, poças profundas e fendas no solo à volta da sua propriedade.

As casas podem ser vistas da outra margem do Lago Concordia na segunda-feira, julho de 2009, no local do deslizamento em Nachterstedt, Saxónia-Anhalt, Alemanha.
As casas podem ser vistas da outra margem do Lago Concordia na segunda-feira, julho de 2009, no local do deslizamento em Nachterstedt, Saxónia-Anhalt, Alemanha.AP Photo/Matthias Rietschel

Verifique o historial meteorológico da sua área: ventos fortes podem causar danos materiais

As casas ameaçadas por tempestades e inundações também são susceptíveis de sofrer danos causados pelo vento. Se uma propriedade puder ser exposta a ventos de mais de 80 km/h, pode necessitar de uma cobertura de seguro especializada para furacões.

Pode consultar o historial meteorológico da sua zona no sítio de dados meteorológicos Visual Crossing.

Se estiver à procura de casas em zonas propensas a ventos fortes e tempestades, deve também ter em atenção as árvores de grande porte que podem cair e causar danos na propriedade. Os ventos extremos podem também provocar e propagar incêndios florestais, colocando as casas vizinhas em maior risco.

PUBLICIDADE

Os inspetores imobiliários devem chamar a atenção dos compradores para estas questões quando avaliam um edifício, uma vez que podem afetar a avaliação e o crédito.

Verificar o índice de qualidade do ar: poluição pode afetar os preços dos imóveis

Embora a baixa qualidade do ar não constitua uma ameaça direta para a sua casa, pode causar problemas de saúde e obrigar as pessoas a ficarem em casa. Isto torna as propriedades em áreas com má qualidade do ar menos atrativas e potencialmente menos valiosas.

Verifique o número médio de dias de má qualidade do ar - aqueles com um Índice de Qualidade do Ar superior a 100 - na zona onde está a planear comprar.

A baixa qualidade do ar também pode ser indicativa de incêndios florestais, próximos ou distantes, com padrões de vento que transportam o fumo para a sua casa.

Também pode ser causada pelo elevado tráfego rodoviário nas proximidades. Verifique o acesso da casa que pretende a percursos pedonais e cicláveis, bem como a transportes públicos. Isto não só pode significar uma melhor qualidade do ar, como também pode ajudar a reduzir as suas emissões, para que não contribua ainda mais para o problema.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apenas sete países respiram ar considerado limpo. Três deles situam-se na Europa

Capital Verde Europeia 2024: O que é que Valência tem planeado para o seu ano na ribalta?

A vida fora da rede pode parecer fácil no Instagram, mas o final trágico desta família conta uma história diferente