EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cinco anos de "Fridays for Future": investigadores dizem que greves climáticas provocam mudanças lentas mas seguras

Cinco anos após o início do movimento iniciado pela ativista sueca Greta Thunberg, os investigadores europeus debatem a Greve Global pelo Clima.
Cinco anos após o início do movimento iniciado pela ativista sueca Greta Thunberg, os investigadores europeus debatem a Greve Global pelo Clima. Direitos de autor AP Photo/Francois Mori
Direitos de autor AP Photo/Francois Mori
De  Fintan Burke, European Science Communication Institute (ESCI)
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Na véspera da Greve Mundial do Clima deste ano, os investigadores europeus do clima partilham as alterações a que assistiram.

PUBLICIDADE

A Greve Global pelo Clima deste ano, a 15 e 17 de setembro, assinala o quinto aniversário do movimento iniciado pela ativista sueca Greta Thunberg.

As exigências de 2023 incluem o desinvestimento em projetos de combustíveis fósseis novos e atuais, a partilha equitativa dos encargos entre a sociedade, o investimento em projetos comunitários de energias renováveis e o pagamento de indemnizações às comunidades afetadas pela crise climática.

Os protestos, organizados pelo grupo "Fridays for Future", registaram um rápido crescimento. De acordo com os números, cerca de 27 mil pessoas em 150 países participaram na primeira greve, em agosto de 2018.

No ano seguinte, cerca de 3,8 milhões de pessoas saíram às ruas em 3800 cidades, naquele que é considerado o maior protesto climático de sempre. O número real é provavelmente mais elevado, uma vez que o "Fridays For Future" pode não receber todas as estimativas de participantes dos organizadores locais.

Os protestos não atingem apenas os políticos. Os investigadores de toda a Europa estão a ser incentivados pelas greves: tanto para participarem como para desenvolverem o seu próprio trabalho no laboratório.

Em Vilnius, na Lituânia, uma das pessoas que protestou foi a cientista comportamental Audra Balundė, atualmente diretora do Centro de Investigação em Psicologia Ambiental da Universidade Mykolas Romeris.

"Os meus motivos eram muito simples", diz. "Só queria apoiar os esforços dos jovens e mostrar o que defendo. Pareceu-me a coisa certa a fazer."

Tal como noutros locais, os manifestantes exigiam que o governo fizesse mais para reduzir a poluição e garantir que os mais vulneráveis não fossem abandonados aos piores impactos das alterações climáticas.

Porque é que os cientistas se juntam aos protestos contra o clima?

PETRAS MALUKAS/AFP
Estudantes e ativistas climáticos com cartazes participam na manifestação da Greve Climática Global em Vilnius, Lituânia, em maio de 2019.PETRAS MALUKAS/AFP

Audra diz que também queria juntar a sua voz de cientista às greves.

"Pareceu-me importante mostrar àqueles que poderiam sentir-se tentados a marginalizar os manifestantes - especialmente os jovens, desvalorizando os seus pedidos devido à sua tenra idade - que os investigadores estão ao lado dos manifestantes e apoiam a sua ação", afirma.

A participação nos protestos também motivou Audra a continuar a sua investigação, que inclui explorar a forma como a moral e o sentido de identidade das pessoas afetam a forma como conservam o ambiente.

Está também a trabalhar com um projeto financiado pela União Europeia (UE), denominado Biotraces, para encontrar formas mais socialmente inclusivas de promover a ecologia local. Por exemplo, analisando o que pode impedir as comunidades locais de aceitarem projetos de recuperação de rios na sua área residencial.

Algumas das suas investigações anteriores mostraram que os valores ambientais das pessoas, a sua auto-identidade e as suas "normas pessoais" para se envolverem em comportamentos de conservação do ambiente estavam relacionados com o apoio dos adolescentes ao ativismo contra as alterações climáticas. Por outras palavras, as gerações mais jovens sentem uma maior responsabilidade de agir em prol do ambiente.

Do outro lado do continente, em Bruxelas, essas normas pessoais motivaram a investigadora Adalgisa Martinelli a participar numa manifestação local para melhorar a vegetação da cidade no ano passado.

Dias depois de ter chegado de Itália, seu país natal, em setembro de 2022, Adalgisa ficou impressionada com a mensagem positiva e os objetivos específicos de um grupo local: acrescentar mais plantas e flores à cidade.

"Não era como se [as pessoas estivessem] a discutir ou a lutar, porque não gosto desse tipo de estilo de comunicação, mas era muito específico", diz ela.

A mensagem também parece ter chegado às autoridades locais, uma vez que Adalgisa diz ter visto uma melhoria acentuada dos parques e espaços verdes da cidade. E, acrescenta, estes encontros também influenciam as atitudes das outras pessoas.

"Vejo que muitas pessoas dão passos simples - por exemplo, vão para o trabalho a pé ou de bicicleta. Isso mostra o valor", diz.

PUBLICIDADE

Quão eficazes têm sido os protestos contra o clima?

Supplied
O que pensam os cientistas europeus sobre as greves climáticas? Da esquerda para a direita: Adalgisa Martinelli, Ishan Bipin Ajmera, Benoit Durillon.Supplied

A trabalhar com um grupo de reflexão sedeado em Bruxelas, Adalgisa faz agora parte do projeto "Leguminose", que estuda a forma como a agricultura europeia pode utilizar melhor as culturas intercalares (alternar as culturas de um campo todos os anos para melhorar a saúde do solo).

Um colega no projeto é Ishan Bipin Ajmera, investigador de pós-doutoramento na Universidade de Recursos Naturais e Ciências da Vida em Viena, Áustria.

Tal como Adalgisa, é um recém-chegado ao país e pode ver como os protestos contra o clima estão a levar a mudanças claras para as pessoas.

"Parece que os protestos contra o clima aumentaram efetivamente a sensibilização e influenciaram o discurso público sobre as questões climáticas", afirma.

Mas na sua Índia natal, descreve a eficácia dos protestos contra o clima como sendo "limitada ou mista."

PUBLICIDADE

O que se deve às diferentes perceções do público. Os debates na Índia centram-se no desenvolvimento económico versus proteção ambiental, nos desafios políticos e nas reações diferentes das regiões à defesa do clima.

Apesar de não pressionarem os políticos da mesma forma, Ishan acredita que estes debates estão a aumentar a sensibilização. "Os meus pais, a minha família alargada e os meus amigos falam frequentemente sobre a alteração dos padrões climáticos, o aumento das calamidades globais ou as medidas políticas governamentais que ouvem nas notícias ou que são debatidas em público", afirma.

Na Europa, outros investigadores sabem que os protestos ainda têm um longo caminho a percorrer e estão preocupados com os sinais de que o movimento pode estar a perder força.

"Faz-nos sentir menos sozinhos"

Na era pós-Covid-19, os números dos protestos continuam baixos. As greves do ano passado contaram com a participação de cerca de 70 mil pessoas a nível mundial num único dia, embora os relatórios de participação apresentados pelos organizadores locais tenham sido menos numerosos.

"O facto de cada vez menos pessoas participarem mostra talvez que há uma resignação sobre o assunto, como se não pudéssemos fazer mais nada", diz Benoit Durillon, professor associado de engenharia elétrica no Laboratório de Engenharia Elétrica e Eletrónica de Lille.

PUBLICIDADE

Tal como Audra, participou numa greve climática anterior, mas tem sentimentos contraditórios sobre a forma como decorreu.

Gostei do ambiente em geral, com exceção, infelizmente, de alguns momentos de tensão com a polícia, uma vez que o contexto francês já é muito tenso", diz Benoit, que está atualmente a investigar como equilibrar melhor as redes de energia da Europa com o projeto "Ebalanceplus."

"Mas, acima de tudo, gosto da criatividade dos slogans e cartazes que, muitas vezes, mostram, com humor, que esta é uma causa que toca as pessoas. Faz-nos sentir menos sozinhos."

E os investigadores sentem que os protestos os ajudam a comunicar o seu trabalho a outras pessoas curiosas sobre os pontos levantados pelas greves.

"Tenho uma irmã mais nova e ela pede-me cada vez mais livros ou artigos, porque há demasiada informação disponível", diz Algasia. "Por isso, claro, tento sempre dar-lhe algumas orientações."

PUBLICIDADE

Mesmo os investigadores que não queiram juntar-se aos protestos deste ano têm ainda uma oportunidade vital de partilhar as suas opiniões informadas com os outros, diz Benoit.

"Não fujam do debate quando ele surge na vida quotidiana", afirma. "Para mim, esta é também uma forma de protesto."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ativistas climáticos pintam Portas de Brandemburgo durante protesto

Espanha registou 22 mil mortes relacionadas com o calor nos últimos oito anos. Como é que um novo mapa pode ajudar?

Abril bate recordes de temperatura global pelo 11º mês consecutivo. Qual o papel do El Nino?