EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Quer trabalhar sempre em casa? O clima pode ser a sua melhor desculpa

Trabalhar em casa das 9h às 17h? Um novo estudo sugere que esta é uma forma de poupar emissões.
Trabalhar em casa das 9h às 17h? Um novo estudo sugere que esta é uma forma de poupar emissões. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Euronews Green
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Trabalhar a partir de casa não significa "zero emissões", dizem alguns autores norte-americanos, mas pode resultar em grandes poupanças.

PUBLICIDADE

Está sempre a trabalhar em casa? De acordo com um novo estudo, poderá estar a produzir cerca de metade das emissões de gases com efeito de estufa dos seus colegas que trabalham no escritório.

Os investigadores da Universidade de Cornell e da Microsoft concluíram que os funcionários dos EUA que trabalham remotamente a tempo inteiro reduzem as suas emissões em 54% em comparação com os que trabalham num escritório.

A pandemia da COVID revolucionou a forma como trabalhamos e onde trabalhamos. Muitas pessoas mudaram-se para fora das sedes das empresas à medida que o trabalho remoto se tornou mais aceitável.

Qual é o melhor modelo de trabalho para o clima?

Em vez de trabalharmos cinco dias por semana, das 9 às 17 horas no escritório, muitos de nós trabalham atualmente todo o tipo de horas e combinações.

Mas o trabalho híbrido não é necessariamente um bom compromisso do ponto de vista da poupança de emissões.

Trabalhar em casa um dia por semana reduziu as emissões em apenas 2%, de acordo com o estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Isto deve-se ao facto de a poupança de energia resultante de não se estar no escritório ser compensada por outros fatores, como o aumento das deslocações não pendulares e o consumo de energiaemcasa nesses dias ocasionais de trabalho remoto.

Os investigadores descobriram que trabalhar dois a quatro dias em casa reduzia as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em 11 a 29%.

Qual é a maior fonte de emissões do chamado trabalho de colarinho branco?

Para estudar o impacto dos diferentes padrões de trabalho nas emissões de gases com efeito de estufa, os investigadores utilizaram vários conjuntos de dados - incluindo os dados dos próprios trabalhadores da Microsoft - e examinaram cinco categorias de emissões, incluindo a utilização de energia em edifícios e as TIC.

Verificou-se que as tecnologias de informação e comunicação tiveram um impacto muito reduzido.

As reduções drásticas de CO2 dos trabalhadores em casa a tempo inteiro deveram-se, em grande parte, a uma menor utilização de energia no escritório e a menos emissões resultantes das deslocações diárias.

Com menos trabalhadores nas estradas durante a hora de ponta, também se registaram poupanças mais amplas com o trabalho a tempo inteiro, uma vez que menos tráfego tende a significar economia de combustível.

Mas trabalhar a partir de casa não é uma panaceia, alertam os autores.

As pessoas dizem: 'Eu trabalho em casa, sou emissões zero. Isso não é verdade'.
Fengqi You
Universidade de Cornell

"O benefício líquido do trabalho à distância é positivo, mas a questão fundamental é saber até que ponto é positivo. Quando as pessoas trabalham à distância, tendem a gastar mais emissões em atividades sociais."

Depende da casa e do escritório, claro. Um espaço alimentado a energia renovável é, obviamente, um cenário mais amigo do clima para analisar a sua caixa de correio eletrónico.

PUBLICIDADE

Como oteletrabalho tem sido frequentemente acompanhado por uma mudança para zonas rurais de baixa densidade de deslocações, os trabalhadores híbridos podem estar a depender mais dos automóveis para fazerem as suas longas viagens para o escritório.

Então, como é que podemos realmente descarbonizar o trabalho?

"Embora o trabalho à distância demonstre potencial para reduzir a pegada de carbono, é essencial uma análise cuidadosa dos padrões de deslocação, do consumo de energia dos edifícios, da propriedade de veículos e das deslocações não relacionadas com o trabalho para se poderem concretizar plenamente os seus benefícios ambientais", referem os investigadores.

Todos estes fatores contribuem e acrescentam nuances às emissões específicas da sua vida profissional. Mas, num sentido mais lato, o estudo sugere como os empregadores que trabalham em escritórios podem reduzir as emissões da empresa.

A partilha do espaço de escritórios pode ajudar a reduzir as emissões, bem como o redimensionamento e o reforço das medidas de eficiência energética, refere o estudo.

PUBLICIDADE

"Ao partilhar o espaço do escritório, reduzimos a capacidade e a dimensão e reduzimos o consumo de energia do nosso escritório", explica You.

Uma vez que as TI e as comunicações são responsáveis por uma percentagem tão pequena das emissões totais, as empresas devem concentrar-se nas energias renováveis para o aquecimento e refrigeração dos escritórios, bem como na descarbonização das deslocações pendulares.

Embora as conclusões sejam específicas dos EUA, You observa que a modelação e as tendências são suscetíveis de serem reproduzidas na Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Marcas de fast fashion chinesas com nota zero em matéria de direitos humanos e políticas ambientais

Por que é que a Europa está a registar temperaturas tão extremas e o que é que se pode fazer?

Junho bate recordes de temperatura global pelo 13º mês consecutivo