A cidade mexicana que está a ser engolida pelo mar

Guadalupe Cobos senta-se junto à costa, entre destroços causados pelas inundações provocadas pela subida do nível do mar no Golfo do México, na sua comunidade costeira de El Bosque, no estado de Tabasco,
Guadalupe Cobos senta-se junto à costa, entre destroços causados pelas inundações provocadas pela subida do nível do mar no Golfo do México, na sua comunidade costeira de El Bosque, no estado de Tabasco, Direitos de autor AP Photo/Felix Marquez
De  Ruth Wright com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Forçados a fugir das casas que construíram, os habitantes de El Bosque mudaram-se para propriedades de aluguer, aguardando a ajuda do governo.

PUBLICIDADE

Quando a inundação chegou à casa de Eglisa Arias, ela pediu ao mar tempo suficiente para recolher as suas coisas, e ele deu-lhe.

"E assim, quando saí de lá, despedi-me do mar. Agradeci-lhe o tempo que ele esteve lá para mim".

Eglisa teve de fugir da sua casa na cidade costeira de El Bosque no início de novembro. Foi uma das muitas pessoas que se mudaram para o Golfo do México na década de 1980 em busca de trabalho, principalmente na pesca.

Atualmente, restam menos de uma dúzia de residentes, uma vez que o oceano está a engolir El Bosque devido às brutais tempestades de inverno e à subida do nível do mar, uma das mais rápidas do mundo.

Até 2050, milhões de mexicanos serão deslocados devido às alterações climáticas, de acordo com o Mayors Migration Council, uma organização que investiga a migração interna.

An aerial view of the coastal community of El Bosque, in the state of Tabasco, Mexico, Thursday, Nov. 30, 2023
An aerial view of the coastal community of El Bosque, in the state of Tabasco, Mexico, Thursday, Nov. 30, 2023AP Photo/Felix Marquez

A uma tempestade de distância da destruição

Forçados a fugir das casas que construíram, os habitantes locais mudaram-se para propriedades de aluguer, aguardando desesperadamente a ajuda do governo.

Guadalupe Cobos é uma das poucas pessoas que ainda vivem na cidade. A relação dos moradores com o mar é "como um casamento tóxico", diz Cobos, observando as ondas.

"Amo-te quando estou feliz, certo? E quando estou zangada, tiro-te tudo o que te dei", disse.

Juntamente com a rápida subida do nível das águas, as tempestades de inverno, chamadas "nortes", deslocaram a linha de costa em mais de 500m desde 2005, segundo Lilia Gama, investigadora de vulnerabilidade costeira na Universidade Estatal de Tabasco Juarez.

"Antes, se um norte chegava, durava um ou dois dias", disse Gama. "A maré vinha, subia um pouco e desaparecia". Agora, alimentadas pelo aquecimento do ar, que pode reter mais humidade, as tempestades de inverno duram vários dias de cada vez.

Os cientistas locais dizem que uma tempestade mais forte poderia destruir El Bosque para sempre. A deslocalização, atrasada pela burocracia e pela falta de financiamento, ainda está a meses de distância.

O México dá um tiro no pé com a sua indústria petrolífera

Enquanto o sol se põe na praia, Cobos, conhecida como Doña Lupe pelos vizinhos, aponta para uma dúzia de pequenas estrelas cor de laranja no horizonte - plataformas petrolíferas a queimar gás.

"Há aqui dinheiro", diz ela, "mas não para nós".

Enquanto El Bosque se instalava, a empresa petrolífera estatal Pemex lançou-se numa onda de exploração no Golfo, triplicando a produção de petróleo bruto e transformando o México num grande exportador internacional. O país tem uma nova refinaria planeada em Tabasco, apenas 80 quilómetros a oeste de El Bosque.

O nível do mar no Golfo do México está a subir três vezes mais depressa do que a média global, de acordo com um estudo realizado em março por investigadores do Reino Unido, de Nova Orleães, da Florida e da Califórnia.

Debris from collapsed home and felled trees litter the shore line of the coastal community of El Bosque, in the state of Tabasco, Mexico, Thursday, Nov. 30, 2023.
Debris from collapsed home and felled trees litter the shore line of the coastal community of El Bosque, in the state of Tabasco, Mexico, Thursday, Nov. 30, 2023.AP Photo/Felix Marquez

Os mexicanos estão a ser deixados para trás

As comunidades costeiras de todo o mundo que enfrentam batalhas semelhantes, do Quebeque à Nova Zelândia, começaram a sair em "retiradas controladas".

No entanto, a retirada de El Bosque parece ter sido muito pouco controlada. Quando a família Xolo fugiu da sua casa, no final de novembro, partiu a meio da noite, com as 10 crianças debaixo de uma lona, sob uma chuva torrencial.

Quando a Associated Press visitou El Bosque durante uma tempestade no final de novembro, a comunidade só era acessível a pé ou de mota.

PUBLICIDADE

As novas casas não estarão prontas antes do outono de 2024, diz Raúl García, diretor do departamento de desenvolvimento urbano de Tabasco, que afirmou que o processo é demasiado lento.

O Presidente Andrés Manuel Lopéz Obrador, nascido no interior do país, fez do desenvolvimento petrolífero uma parte fundamental da sua plataforma.

Isso pode mudar se a ex-prefeita da Cidade do México e cientista Claudia Sheinbaum for eleita presidente no ano que vem. Apesar de ser a protegida de Lopéz Obrador, ela promete comprometer o México com a sustentabilidade, uma promessa mais urgente do que nunca.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Ponto de viragem" climático pode ser catastrófico para a Europa

Cientistas "mais preocupados que nunca" com calor recorde de 2023

Invernos acima dos -8°C ameaçam abastecimento de água na Europa