As condições meteorológicas extremas estão a transformar muitas pessoas em migrantes climáticos

Kalita Titi Homasi na COP28 e uma vista do atol de Funafuti, em Tuvalu, onde a subida do nível do mar ameaça as casas das pessoas.
Kalita Titi Homasi na COP28 e uma vista do atol de Funafuti, em Tuvalu, onde a subida do nível do mar ameaça as casas das pessoas. Direitos de autor Euronews Green / TORSTEN BLACKWOOD/AFP
De  Lottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O que significa a mobilidade climática? Jovens africanos e das ilhas do Pacífico partilham as suas ideias na linha da frente da COP28.

PUBLICIDADE

Não há lugar como a nossa casa, mas o país insular de Kalita Titi Homasi no Pacífico corre o risco de se tornar inabitável até 2050 com a subida do nível do mar. Aos 23 anos de idade, ela já sentiu as temperaturas e as secas aumentarem, viu as praias recuarem e os pescadores serem forçados a ir mais longe - para além da barreira segura do recife - à medida que o branqueamento dos corais torna os peixes mais escassos.

Estamos agora a mais de 8000 milhas da sua casa, falando à margem da cimeira da ONU sobre o clima COP28, no Dubai. A conferência não conseguiu eliminar gradualmente os combustíveis fósseis, o que teria dado às nações insulares de baixa altitude, como Tuvalu, a oportunidade de reter e recuperar mais terras.

Embora tenha deixado escapar os poluidores com uma mão, a COP criou um novo fundo de perdas e danos com a outra. Este fundo alarga o âmbito do financiamento climático para promover "a mobilidade humana equitativa, segura e digna sob a forma de deslocação, relocalização e migração".

Os líderes dos países vulneráveis às alterações climáticas não têm perdido tempo a elaborar os seus planos de emergência. Dois exemplos muito recentes: as Ilhas Marshall acabam de concluir um projeto de cinco anos - notável pela amplitude do seu envolvimento comunitário - para criar um plano nacional de adaptação ou "plano de sobrevivência".

E Tuvalu assinou um acordo com a Austrália para permitir que a sua população se desloque para lá. "Gosto de pensar nisto como uma ponte, para ligar as oportunidades que nós, tuvaluanos, não conseguimos ter", diz Titi, estudante de ciências biomédicas na Universidade Victoria de Wellington. "A Austrália é uma ponte e mesmo que as pessoas decidam ir, sinto que terão sempre a necessidade de regressar."

O que é que o acordo Austrália-Tuvalu diz sobre a mobilidade climática?

O governo não vai obrigar as pessoas a atravessar esta ponte - e não o poderia fazer mesmo que tentasse. "Se perguntarmos a qualquer pessoa na ilha, [a perspetiva de mudança] é difícil de compreender. É difícil para eles absorverem, e é difícil para nós explicarmos-lhes. É um nível totalmente diferente de teimosia", diz ela, "o apego é real".

A União Falepili - cujo nome deriva do termo tuvaluano para designar os vizinhos que optam por viver em casas próximas - estabelece um regime especial de vistos para os tuvaluanos viverem, trabalharem e estudarem na Austrália. Além disso, a Austrália atribui mais 16,9 milhões de dólares australianos aos esforços de adaptação costeira do seu vizinho muito mais pequeno.

Tuvalu's former Foreign Minister Simon Kofe pictured during the Pacific Islands Forum in Suva, July 2022.
Tuvalu's former Foreign Minister Simon Kofe pictured during the Pacific Islands Forum in Suva, July 2022.WILLIAM WEST/AFP

O acordo tem sido criticado por alguns devido às vantagens de segurança que a Austrália recebe em troca. Simon Kofe - ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Tuvalu, cujo discurso em vídeo no mar chamou a atenção do mundo em 2021 - disse que o acordo invade a soberania de Tuvalu e precisa de ser renegociado.

"Nenhum acordo é perfeito", diz Kamal Amakrane, diretor do Centro Global para a Mobilidade Climática (GCCM), parceiro da ONU, à Euronews Green, "mas coloca-nos na trajetória certa para onde devemos estar".

"Não se fala de migração", explica. "Não existe a palavra deslocalização. E não há nenhuma palavra sobre proteção ou asilo. Trata-se de percursos de mobilidade climática, com dignidade e soberania."

A Somali woman fills a container with water at a camp for displaced people on the outskirts of Dollow, Somalia, September 2022.
A Somali woman fills a container with water at a camp for displaced people on the outskirts of Dollow, Somalia, September 2022.Jerome Delay/AP

As questões relacionadas com a água são um fator essencial da migração climática

Harriette Okal, uma jovem queniana de 30 anos, delegada do GCCM, está atualmente a estudar para um doutoramento em hidrologia na Universidade de Rhodes, na África do Sul.

"A maior parte das vezes, quando estamos a deslocar pessoas, é por causa de demasiada água, que são as cheias, ou de pouca água, que são as secas", explica. Os pastores no Quénia estão habituados a chuvas irregulares, mas não conseguem ter em conta as previsões nos seus movimentos.

Com sistemas de alerta precoce, saberiam se deveriam colher água antes dos períodos de escassez ou canalizá-la quando as chuvas fortes ameaçam. As redes de monitorização dos rios, o acesso aberto aos dados e a formação fazem parte deste quadro de adaptação local, sugere Harriette, o que reduziria as deslocações.

Youth delegates Harriette Okal from Kenya and Ibrahim Muhammad of Nigeria at the Global Climate Mobility Pavilion, COP28.
Youth delegates Harriette Okal from Kenya and Ibrahim Muhammad of Nigeria at the Global Climate Mobility Pavilion, COP28.Euronews Green

A vizinha Somália também é afetada por oscilações entre a seca e as cheias, com a guerra civil que dura há décadas a tornar as pessoas "duplamente deslocadas", diz Ahmed, de 23 anos. Há vários anos, uma seca severa matou o gado da sua aldeia, provocando uma escassez de leite e de carne e o subsequente colapso do comércio na comunidade.

Em consequência, a família de Ahmed teve de se mudar para a cidade grande, o que não é uma medida de adaptação que toda a gente possa pagar, salienta. E mesmo na cidade não há como escapar à crise, uma vez que as casas das pessoas podem ser arrastadas pelas águas.

Ahmed, que participou na COP28 com a Save the Children, diz que gostaria de ver investimento em água potável, bem como em agricultura inteligente e sustentável - áreas em que os jovens podem liderar a construção da resiliência. Atualmente, diz ele, "as pessoas não sabem nada sobre o futuro".

Os jovens podem educar e ajudar a sua população a preparar-se

A mobilidade climática tem a ver com "cenários de mudança", diz Titi. Paredes de mares a serem fortificadas com cimento em vez de areia. Ou ter jovens tuvaluanos em espaços como a COP28. "É muito raro em Tuvalu ou no Pacífico", explica, "as decisões são tomadas pelos nossos ministros, os nossos anciãos, mas agora sentem a necessidade de envolver os jovens porque sabem que somos os futuros líderes".

Enquanto o governo de Tuvalu comunica a sua situação ao mundo, Titi vê um papel para os jovens de língua inglesa e com conhecimentos tecnológicos para explicar a situação às gerações mais velhas.

PUBLICIDADE
Ibrahim Muhammad, another youth delegate and climate activist from Nigeria, works on supporting displaced communities via agricultural solutions and ecosystem restoration.

O que é que o financiamento da adaptação e das perdas e danos pode fazer?

Como serão quantificadas exatamente as perdas e os danos? E os fundos dispersos - per capita, por exemplo? Partes interessadas como a OIM e o GCCM estão ansiosas por ver as bases corretas construídas à medida que estas conversações prosseguem.

E os jovens delegados que viajaram para a COP - embora satisfeitos com o novo fundo e ansiosos por o ver chegar às suas comunidades especialmente vulneráveis - continuam concentrados no outro extremo do processo climático.

"O dinheiro só vem para cobrir os combustíveis fósseis que ainda estão a ser utilizados", diz Titi. "Não faz sentido."

Harriette sublinha a necessidade de o financiamento da adaptação ser feito antes para reforçar as capacidades. "Estas perdas e danos são literalmente [algo] que a maioria dos países está a prometer como uma reflexão tardia", diz ela. "Talvez seja porque é da nossa natureza sermos heróis. Por isso, ficamos à espera que a catástrofe aconteça".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Ponto de viragem" climático pode ser catastrófico para a Europa

Cientistas "mais preocupados que nunca" com calor recorde de 2023

Invernos acima dos -8°C ameaçam abastecimento de água na Europa