Espanha quer proibir voos domésticos sempre que seja possível apanhar um comboio em vez de um avião

Os jactos da Iberia são vistos numa zona de estacionamento enquanto um passageiro carrega a sua bagagem.
Os jactos da Iberia são vistos numa zona de estacionamento enquanto um passageiro carrega a sua bagagem. Direitos de autor AP Photo/Andres Kudacki
De  Euronews Green
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Ainda não se sabe quantos voos serão efetivamente afetados pelas restrições.

PUBLICIDADE

A Espanha está a proibir alguns voos domésticos de curta distância, como parte do plano do país para reduzir as emissões de carbono.

Os voos com uma alternativa ferroviária que demore menos de duas horas e meia deixarão de ser permitidos, "exceto nos casos de ligação a aeroportos centrais que estabeleçam ligações com rotas internacionais".

A restrição faz parte de um acordo feito no Congresso pelo governo de coligação de Espanha. O país tem vindo a considerar uma proibição desde 2021 como parte do seu plano de ação climática para 2050.

A medida surge depois de o Governo francês ter proibido oficialmente os voos domésticos para viagens que possam ser efetuadas em menos de duas horas e meia de comboio, em maio de 2023.

O texto acordado pelos dois partidos políticos espanhóis - PSOE e Sumar - procura também analisar o potencial impacto da restrição da utilização de jactos privados e de uma diretiva da União Europeia sobre a tributação dos produtos energéticos, incluindo o querosene utilizado como combustível para a aviação.

Que impacto terá a proibição dos voos de curta distância?

Inicialmente, o projeto da líder da Sumar, Yolanda Díaz, incluía a eliminação dos voos de curta distância com alternativas ferroviárias de menos de quatro horas, mas esta proposta foi agora reduzida para duas horas e meia.

A proposta inicial teria poupado até 300.000 toneladas de CO2 e 50.000 voos por ano, de acordo com um estudo divulgado no ano passado pela Ecologistas en Acción. A coligação de grupos ambientalistas afirmou que 11 rotas aéreas poderiam ser substituídas por viagens de comboio em menos de quatro horas, reduzindo as emissões de CO2 em Espanha em quase 10%.

O relatório analisou principalmente os voos de e para Madrid, muitos dos quais não deverão ser incluídos na atual proibição, uma vez que se trata de um aeroporto internacional.

Tal como aconteceu com as medidas introduzidas em França, o número de voos efetivamente afetados por estas medidas poderá ser mínimo.

Proibição de voos de curta distância criticada como "ineficaz

Os partidos da oposição, PP e Vox, são contra a proibição, tendo o último afirmado que tornaria a Espanha "menos competitiva".

O deputado do PP, Guillermo Mariscal, explicou que considera a iniciativa "ineficaz", uma vez que só resultaria numa redução de 0,06% das emissões, de acordo com os dados do Colégio de Engenheiros de Aeronaves (COIAE).

No ano passado, o COIAE partilhou uma declaração em que manifestava o seu desacordo com um plano de redução dos voos com menos de três horas, alegando que teria um impacto quase nulo nas emissões de carbono. Perante benefícios tão reduzidos, os danos causados ao sector dos transportes aéreos em Espanha serão consideráveis", afirmou.

Ainda não é claro quando serão introduzidas as medidas nem quais as rotas que serão afectadas. A proibição terá de passar por mais algumas fases de alterações antes de ser aprovada pelo Senado e finalmente tornar-se lei.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Galiza luta contra desastre ambiental

As condições meteorológicas extremas estão a transformar muitas pessoas em migrantes climáticos

A COP28 chega a um acordo "histórico" para abandonar os combustíveis fósseis: Quais são as principais conclusões?