EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Ponto de viragem" climático pode ser catastrófico para a Europa

 Um barco navega à noite junto a grandes icebergues na parte oriental da Gronelândia.
Um barco navega à noite junto a grandes icebergues na parte oriental da Gronelândia. Direitos de autor AP Photo/Felipe Dana, File
Direitos de autor AP Photo/Felipe Dana, File
De  Rosie Frost
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Isso significaria graves repercussões climáticas a nível mundial, com a Europa a suportar o peso das consequências.

PUBLICIDADE

Os cientistas conseguiram modelar com êxito um ponto de viragem climática que mergulharia vastas zonas da Europa num profundo congelamento - e pode estar mais próximo do que se pensava.

Utilizando um modelo climático complexo, os investigadores da Universidade de Utrecht, nos Países Baixos, simularam o colapso de uma importante corrente do Oceano Atlântico que atualmente traz água quente para norte e mantém as temperaturas amenas na Europa.

Uma paragem abrupta desta corrente alteraria o clima a nível mundial, com a Europa a sofrer as consequências mais graves. O derretimento das camadas de gelo poderia causar o seu colapso - mas quando e qual a probabilidade de isso acontecer?

O que é a Circulação do Oceano Atlântico?

A Circulação Meridional de Revolvimento do Atlântico (AMOC) é um importante sistema de correntes oceânicas. Transporta água quente, carbono e nutrientes para norte através do Oceano Atlântico, onde a água arrefece e se afunda nas profundezas.

A AMOC ajuda a distribuir a energia pelo planeta, movendo o calor através do oceano como uma correia transportadora e regulando o nosso clima.

A água quente - mais salgada devido à evaporação - flui para norte na superfície do oceano, mantendo a Europa mais amena do que seria de outro modo. Quando esta água arrefece, afunda-se porque a sua elevada salinidade aumenta a sua densidade. Em seguida, flui de volta para o hemisfério sul ao longo do fundo do oceano.

Mas os estudos de episódios passados de arrefecimento dramático na Europa ao longo dos últimos 100 000 anos sugerem que a fusão das camadas de gelo pode enfraquecer o AMOC devido a alterações na salinidade e na temperatura.

A água doce reduz a salinidade - e, por conseguinte, a densidade da água - à superfície do oceano. Isto significa que uma menor quantidade de água à superfície se afunda, abrandando potencialmente o fluxo da corrente.

Estaremos a caminhar para um ponto de viragem catastrófico?

Alguns estudos sugerem que as alterações climáticas podem estar a abrandar o fluxo da corrente. Um estudo de 2023, baseado nas temperaturas da superfície do mar, sugeriu que poderia ocorrer um colapso total entre 2025 e 2095.

Existe uma enorme incerteza sobre como, quando ou mesmo se este "ponto de viragem" poderá efetivamente acontecer e a modelação do cenário é complicada. A maioria das simulações informáticas anteriores que mostraram um colapso envolveu a adição de quantidades enormes e irrealistas de água doce de uma só vez.

A equipa holandesa utilizou um supercomputador para realizar a modelização mais sofisticada até à data, a fim de procurar sinais de alerta para este ponto de rutura. Adicionaram água gradualmente, descobrindo que um declínio lento poderia eventualmente levar a um colapso súbito em menos de 100 anos.

Até agora, diz o documento, um ponto de viragem da AMOC era apenas um "conceito teórico" e os seus autores afirmam que o ritmo a que a viragem desta corrente vital ocorreu na sua modelização foi "surpreendente".

Large icebergs near the town of Kulusuk, in eastern Greenland.
Large icebergs near the town of Kulusuk, in eastern Greenland.Felipe Dana/Copyright 2019 The AP. All rights reserved.

Mas os investigadores tiveram de executar a simulação durante mais de 2000 anos para obter este resultado e, mesmo assim, adicionaram muito mais água do que a que está atualmente a entrar no oceano à medida que o manto de gelo da Gronelândia derrete.

O autor principal do estudo, René van Westen, afirma que atualmente não existem dados suficientes para dizer algo definitivo sobre um potencial colapso futuro da AMOC. É necessária mais investigação para determinar um calendário - incluindo modelos que incorporem níveis crescentes de dióxido de carbono e aquecimento global.

"Só podemos dizer que estamos a caminhar para o ponto de viragem e que a viragem do AMOC é possível".

PUBLICIDADE
We can only say that we’re heading towards the tipping point and that AMOC tipping is possible.
René van Westen
Lead author of the study

Algumas das mudanças observadas no modelo antes do colapso correspondem, no entanto, a mudanças que temos visto no Oceano Atlântico nas últimas décadas.

"Quando o AMOC perde estabilidade, como sabemos pelas reconstruções disponíveis, é mais provável que se desenvolvam transições abruptas no futuro", acrescenta van Westen.

O que é que um colapso da corrente oceânica significaria para a Europa?

Se a AMOC entrar em colapso, estudos anteriores demonstraram que os impactos climáticos daí resultantes seriam quase irreversíveis à escala temporal humana. Isto significaria graves repercussões no clima global, com a Europa a suportar o peso das consequências.

Nalgumas partes da Europa, as temperaturas poderiam descer até 30ºC. Em média, o modelo mostra Londres a arrefecer 10ºC e Bergen 15ºC.

PUBLICIDADE

Os autores do relatório afirmam que "nenhuma medida de adaptação realista pode fazer face a alterações de temperatura tão rápidas".

As temperaturas no hemisfério sul subiriam e as estações húmidas e secas da floresta amazónica inverter-se-iam.

Van Westen afirma ainda que isso poderá significar menos precipitação e uma subida do nível do mar de até um metro nas zonas costeiras da Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Marcas de fast fashion chinesas com nota zero em matéria de direitos humanos e políticas ambientais

Por que é que a Europa está a registar temperaturas tão extremas e o que é que se pode fazer?

Junho bate recordes de temperatura global pelo 13º mês consecutivo