EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Europa vê a migração climática como uma ameaça maior do que a Rússia

Moradores reunidos num ponto de distribuição de ajuda recebem mantimentos no centro de Kherson, no sul da Ucrânia.
Moradores reunidos num ponto de distribuição de ajuda recebem mantimentos no centro de Kherson, no sul da Ucrânia. Direitos de autor AP Photo/Bernat Armangue
Direitos de autor AP Photo/Bernat Armangue
De  Rosie Frost
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Milhares de pessoas em países do G7, bem como no Brasil, Índia, China e África do Sul, foram questionadas sobre 32 riscos globais.

PUBLICIDADE

De acordo com uma nova sondagem, os eleitores europeus estão mais preocupados com a migração provocada pelas alterações climáticas do que com a ameaça representada pela Rússia.

O estudo foi publicado na segunda-feira, na antecipação da reunião de altos responsáveis políticos e da defesa de todo o mundo, marcada para o final da semana. 

A sondagem, efetuada antes da Conferência de Segurança de Munique (MSC), revela que as preocupações com a migração em massa resultante da guerra ou das alterações climáticas aumentaram no último ano, ultrapassando a agressão russa. Outras preocupações com o clima também ocupam lugares de destaque no Índice de Segurança da MSC.

Em Itália, as três principais preocupações são as condições meteorológicas extremas e os incêndios florestais, as alterações climáticas em geral e a destruição de habitats naturais. A Alemanha mostrou-se mais preocupada com a migração em massa em resultado da guerra ou das alterações climáticas, enquanto a França colocou este risco em segundo lugar, seguido das alterações climáticas em geral.

O inquérito questionou 12 000 pessoas em países do G7, bem como no Brasil, Índia, China e África do Sul, sobre a sua perceção de 32 riscos diferentes.

Fora do G7, as alterações climáticas continuam a ser o maior problema. Em todos os países, com exceção dos EUA, pelo menos uma das três ameaças ambientais incluídas no índice figurava entre as três principais preocupações.

"Apesar das enormes diferenças nas perceções de risco, os cidadãos de todo o mundo continuam a partilhar grandes preocupações sobre as ameaças ambientais", afirmam os autores do relatório.

Uma "corrida ao topo" para a liderança climática?

Para além do inquérito do Índice de Segurança, o relatório do MSC intitulado "Lose-Lose?" também analisou a ação global em matéria de clima.

Embora o crescente alinhamento dos objetivos climáticos, geopolíticos e económicos possa contribuir para o avanço dos objetivos ecológicos, os autores afirmam que as perspetivas nacionais correm o risco de prejudicar a colaboração.

"À medida que cada vez mais Estados definem o seu sucesso em relação a outros, um ciclo vicioso de pensamento de ganhos relativos, perdas de prosperidade e crescentes tensões geopolíticas ameaça desenrolar-se", lê-se.

A concorrência internacional em matéria de inovação pode ser positiva para o progresso, criando uma "corrida para o topo" entre a China e os EUA. Mas há riscos para o progresso dos objetivos de zero emissões líquidas se os países optarem por utilizar esta rivalidade em torno da tecnologia verde como arma para outros fins políticos.

As fricções internacionais em matéria de subsídios climáticos e de fixação de preços do carbono também podem comprometer a liderança ecológica.

De um modo geral, diz o relatório, é necessária uma cooperação positiva mais profunda entre os países de alto e baixo rendimento para atingir os objetivos globais de zero emissões líquidas - especialmente no que se refere ao financiamento e à obtenção de minerais essenciais para a transição ecológica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Análise: O acordo da UE com o Egipto tem um preço e riscos elevados

Resiliência da água não pode ser ignorada: 21 Estados-Membros alertam executivo da UE

Quando é que vai terminar a vaga de calor na Europa? Peritos prevêem o fim, mas com tempestades a seguir