EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?

Uma mulher assa amendoins no exterior da sua casa na ilha de Diamniadio, no Senegal.
Uma mulher assa amendoins no exterior da sua casa na ilha de Diamniadio, no Senegal. Direitos de autor AP Photo/Jane Hahn
Direitos de autor AP Photo/Jane Hahn
De  Lottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

"Acredito que se a casa do nosso vizinho está a arder, devemos ajudá-lo. África é o nosso vizinho", diz o diretor-executivo da Agência Internacional de Energia.

PUBLICIDADE

Os líderes mundiais reúnem-se esta terça-feira em Paris para combater um dos maiores assassinos silenciosos do mundo: os combustíveis sujos para cozinhar.

Em África, onde quatro em cada cinco pessoas cozinham em fogueiras abertas e fogões básicos, esta é a segunda principal causa de morte prematura entre mulheres e crianças.

Convocada pela Agência Internacional da Energia (AIE) na sede da UNESCO, a Cimeira sobre Cozinha Limpa em África deverá anunciar uma verba importante e soluções para resolver o problema.

"Acredito que se a casa do nosso vizinho está a arder, devemos ajudá-lo. A África é o nosso vizinho", diz o diretor-executivo da AIE, Fatih Birol, à Euronews Green antes do evento.

A nível mundial, 2,3 mil milhões de pessoas não têm acesso a uma cozinha limpa - definida como combustíveis e equipamentos que limitam ou evitam significativamente a libertação de poluentes nocivos para a saúde humana.

Apesar da dimensão do problema, o diretor da AIE afirma que a Europa pode ajudar a resolvê-lo com relativamente pouco dinheiro. Como escreveu num relatório de referência no ano passado, os obstáculos à concretização da promessa de cozinha limpa para todos não são técnicos.

"O que é encorajador e perturbador, em igual medida, é que este enorme desafio ambiental, económico e humano pode ser resolvido com um investimento relativamente modesto".

Como é que a cozinha limpa pode ajudar a mitigar as alterações climáticas?

A falta de acesso a uma cozinha limpa é uma questão transversal: enraíza as pessoas na pobreza, rouba o tempo das mulheres, provoca doenças respiratórias e cardiovasculares e aumenta as emissões de calor para o planeta.

Cozinhar com combustíveis "sujos" como o carvão vegetal, a lenha, o carvão, querosene e os resíduos agrícolas gera elevados níveis de poluição. No caso da madeira proveniente das florestas, também consome valiosos recursos que absorvem dióxido de carbono.

"Há aqui um verdadeiro benefício climático", afirma Birol sobre a transição para a cozinha limpa. "Penso que isto pode desempenhar um papel muito importante para manter os pulmões do mundo em África".

O relatório da AIE situa o problema em diferentes contextos nacionais. A mudança para combustíveis "limpos" para cozinhar, como o gás de petróleo liquefeito (GPL) e os fogões eléctricos, aumentará as emissões em certa medida a curto prazo, dependendo do sistema energético do país.

No entanto, tendo em conta a redução das emissões de metano e de outros gases com efeito de estufa resultantes da combustão incompleta da lenha e do carvão vegetal nos fogões básicos - e as florestas poupadas - a AIE prevê uma redução líquida de 1,5 gigatoneladas de CO2 equivalente até 2030. Trata-se de uma quantidade enorme: aproximadamente o mesmo que a quantidade de CO2 emitida por aviões e navios num ano.

Quem vai participar na cimeira

Dada a forte dimensão climática, a comunidade está empenhada em tornar a cozinha limpa uma realidade global.

Birol diz contar com o apoio das presidências da COP29 (a cimeira da ONU sobre o clima que se realiza no Azerbaijão no final deste ano) e da COP30, no Brasil, no próximo ano. O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, é um "grande apoiante" e comprometeu-se a colocar a cozinha limpa na agenda da cimeira do G20, que vai realizar em novembro, bem como na COP30.

O presidente da COP28, o sultão Al-Jaber, vai participar na cimeira sobre cozinha limpa, onde também se espera que faça um anúncio importante sobre a forma como os Emirados Árabes Unidos vão ajudar.

Representantes de cerca de 50 governos participam esta terça-feira na cimeira, muitos deles chefes de Estado ou ministros. O primeiro-ministro norueguês Jonas Gahr Støre é copresidente, juntamente com a presidente da Tanzânia, Samia Suluhu Hassan, o presidente do Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento, Akinwumi A. Adesina, e Fatih Birol. Os líderes do sector da energia também estarão presentes.

Tendo em conta toda esta canalização de conhecimentos e recursos, "creio que 2024 será finalmente um ponto de viragem para resolver este problema", afirma o diretor-executivo da AIE.

Porque é que a Europa deve assumir a liderança no incentivo à cozinha limpa

"Para além de ser ético, existem outros benefícios para a Europa", afirma Fatih Birol.

PUBLICIDADE

Se a Europa não oferecer apoio, sugere que existem "outros países em todo o mundo que disseram que o fariam com... talvez outras agendas".

As medidas para aumentar a prosperidade social e económica de África também ajudarão a resolver o problema da imigração, sugere, e pouparão dinheiro a longo prazo ao lidar com a instabilidade que a pobreza energética cria.

"Acredito que a Europa tem todos os meios para o fazer", diz à Euronews Green. "E estou muito feliz por dizer que, como se pode ver na terça-feira, muitos governos europeus, a Comissão Europeia e as empresas europeias estão a responder positivamente ao nosso pedido para avançar nesta direção".

A AIE estima que são necessários apenas 4 mil milhões de dólares (3,7 mil milhões de euros) de investimento anual para garantir que todos os agregados familiares africanos tenham acesso a tecnologias de cozinha limpas até 2030.

Para contextualizar: a Europa construiu 13 terminais de GNL para substituir o gás russo, com um custo de cerca de 25 mil milhões de dólares (23 mil milhões de euros) cada. "Podemos resolver este problema em África", conclui Birol.

PUBLICIDADE

Limpar o mercado de créditos de carbono para cozinha limpa

Uma importante fonte de financiamento provém do mercado de créditos de carbono para fogões.

Os créditos são comprados por empresas e governos de países industrializados que pretendem compensar as suas próprias emissões através do financiamento de projetos de cozinha limpa em países não industrializados.

Mas, tal como acontece com o mercado de carbono em geral, as investigações revelaram a existência de problemas graves nalguns destes sistemas. Um estudo recente concluiu que os projetos de fogões que geram compensações de carbono estão a exagerar os seus benefícios climáticos em 1000%, em média.

"Não queremos que estes créditos muito importantes, que são essenciais para ajudar a resolver esta questão, sigam o mesmo caminho que os grandes créditos hidroelétricos no passado", disse Dan Wetzel, chefe da unidade de acompanhamento das transições sustentáveis da AIE, numa conferência de imprensa antes do evento.

A Clean Cooking Alliance tem liderado os esforços para tornar o mercado mais rigoroso, com novas metodologias que deverão ser aprovadas na cimeira.

PUBLICIDADE

"Os créditos de carbono fazem parte desta solução, mas não são a parte principal", afirma Birol. "Vamos anunciar que só permitiremos que os sistemas de crédito de carbono de boa qualidade sejam considerados aqui, porque sabemos que há alguns usos indevidos de sistemas de crédito de carbono em todo o mundo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Expedição "Darwin 200" recria viagem do cientista em nome do ambiente

Ativistas ambientais juntam 650 mil beatas de cigarros em Lisboa

Projetos ambientais são alvos frequentes de fraude com fundos da UE