EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE pode processar Gazprom por abuso de posição dominante no mercdo

UE pode processar Gazprom por abuso de posição dominante no mercdo
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Depois da Google, agora pode ser a vez da Gazprom. A União Europeia prepara-se para processar a companhia de gás russa por abuso de posição

PUBLICIDADE

Depois da Google, agora pode ser a vez da Gazprom.
A União Europeia prepara-se para processar a companhia de gás russa por abuso de posição dominante no mercado. A decisão deve ser anunciada esta quarta-feira e surge numa altura em que se mantém a tensão entre Moscovo e Kiev. O processo será o culminar de mais de dois anos de investigação à Gazprom. O regulador da concorrência de Bruxelas acusa a energética russa de cobrar aos países do leste europeu preços demasiado elevados no gás natural.

Marat Terterov, responsável pelo Brussels Energy Club, explica que “na Rússia e, em especial, no setor energético de Moscovo, há a percepção de que este é um caso político. Eu ainda não estou convencido, não há certezas se é mesmo um caso político ou são apenas as instituições europeias a tentar aplicar as leis”.

Ao que tudo indica, a Gazprom já terá manifestado à Comissão vontade de resolver o diferendo. Recorde-se que as negociações formais foram interrompidas no ano passado depois da Rússia ter anexado a península da Crimeia, território que oficialmente pertence à Ucrânia.

Este processo contra a Gazprom pode resultar numa multa de muitos milhões de euros para a empresa russa. Recorde-se que um terço do gás consumido nos países da União Europeia é fornecido pela energética de Moscovo, do qual metade chega aos Estados-membros, passando pela Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurosatory 2024: já arrancou em Paris a maior feira de armamento do mundo

Tragédia dupla no mediterrâneo: naufrágio de dois barcos de migrantes faz 12 mortes

Líderes da UE debatem cargos de topo e António Costa está no pacote