EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Viver sem trabalho em Espanha

Viver sem trabalho em Espanha
Direitos de autor 
De  Hans von der Brelie
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O crescimento parece ter regressado, mas Espanha continua a ter milhões de desempregados. Fazemos um retrato da Andaluzia, uma região onde uma em

O crescimento parece ter regressado, mas Espanha continua a ter milhões de desempregados. Fazemos um retrato da Andaluzia, uma região onde uma em cada três pessoas estão desempregadas.

Miguel Angel, tem 27 anos e tenta sair de uma situação desesperante… Estamos em Jerez de la Frontera, na Andaluzia – no sul de Espanha. Aqui, a taxa de desemprego atingiu os 40%… Mas por trás das estatísticas estão rostos reais, destinos reais e pessoas reais – como Miguel Angel: “Estou desempregado há três anos e meio. É uma situação desesperante. Começamos a acreditar que tudo se resume a isto, que a vida é assim… Há dias que nem sequer queremos sair da cama. Noutros levantamo-nos com algum ânimo, mas para nada… “

Miguel Angel treina para os exames da polícia. A competição é dura: este ano são 58 mil candidatos a um dos 1300 postos de trabalho disponíveis na polícia. Espanha vive uma situação de rutura geracional, Miguel Angel concorda: “Sim, penso muito nisso… Os meus pais eram mais jovens do que eu quando me tiveram. É doloroso pensar nisso, porque gostaria de constituir uma família, ter uma casa, viver com a minha mulher e ter filhos. Mas sem trabalho é impossível.”

A irmã de Miguel Angel, Maribel, também está desempregada. Na cidade de Jerez 34 mil pessoas vivem sem trabalho… A administração regional da Andaluzia publicou 69 ofertas de trabalho este ano, e recebeu mais de 23 mil candidaturas.

A economia de Espanha mostra um quadro misto: o crescimento está de volta – mas o desemprego desce lentamente e as discrepâncias regionais são enormes: o desemprego na região da Extremadura está nos 29%, na Andaluzia nos 32% e na cidade de Jerez, voltamos a sublinhar – ronda os 40%.

Maribel tem 30 anos. Estudou turismo e trabalhou durante algum tempo no aeroporto de Jerez. Apesar das qualificações está sem emprego há 4 anos. Aderiu a um grupo no Facebook chamado “Trabalhar em Jerez” – um grupo para procurar e divulgar ofertas de trabalho na região: “Normalmente, começo por ver o meu e-mail para ver se tenho alguma oferta de trabalho que possa partilhar. Depois consulto vários sites e plataformas na internet onde posso encontrar mais algumas ofertas que possa partilhar no nosso grupo do Facebook.”

José Ramon lançou esta iniciativa no Facebook há três anos. Quando o designer se mudou para Jerez, percebeu que a melhor forma de encontrar emprego a nível local era através do “passa a palavra” e que as redes sociais têm um papel fundamental na região. O grupo “Trabalhar em Jerez” conta com quase 9 mil membros. José Ramon explica a alta taxa de desemprego: “Não posso dizer que seja algo cultural, isto, no meu entender… É algo que já acontece há muito tempo: tem a ver com o sistema de protecionismo do Estado. É mais fácil para o Estado dar o peixe, dar o subsídio, do que ensinar as pessoas a trabalhar – do que ensinar a pescar.”

A jornalista Ana Huguet acusa o ex-ditador Franco, pela elevada taxa de desemprego. Segundo ela, Franco acelerou a industrialização do Norte, negligenciando o Sul. E os políticos locais renderam-se ao dinheiro fácil – abrindo portas à corrupção e à má gestão: “Se um Presidente da Câmara gasta milhões euros, num projeto faraónico que nunca vê a luz, ou não tem resultados: é dinheiro público que foi enterrado e que não foi produtivo nem gerou emprego. Se a cidade tem uma dívida de 1013 milhões de euros… O investimento é nulo.”

Parte do centro está em ruínas. Em 1980, ainda havia 22 mil pessoas a trabalhar para os produtores de xerez da cidade. Depois da queda das vendas, das fusões e da robotização, agora são menos de mil.
Maribel e José Ramon encontram-se com Manuel, um pintor de automóveis desempregado. Ele também faz parte do Grupo do Facebook de Jerez. As ilusões são poucas, os escassos empregos disponíveis são a termo e mal pagos: “Quanto ao futuro: quero sentir-me uma pessoa novamente, estando desempregado não me sinto… Há muitas coisas que me enfraquecem e me fazem questionar o meu valor.”

“No grupo do Facebook, por vezes as pessoas pensam que a oferta é minha, que sou eu o empregador e enviam-me o CV. Mas eu só estou a partilhar ofertas de emprego que encontro… Alguns currículos não estão muito bem escritos, algumas pessoas não sabem como fazer um currículo corretamente. Então, muitas vezes, voluntariamente, tento ajudá-los, corrigindo os CVs e reenvio-lhes a versão correta”, diz Maribel.

Trinta por cento da economia da província de Cádiz é paralela, não é declarada. O trabalho negro é um grande problema em Jerez e Manuel concorda: “Há muito trabalho ilícito por aqui. Toda a gente sabe disso. Aqui na Andaluzia temos que nos fazer à vida: às vezes é legal outras vezes não…”

O desemprego está intimamente ligado com a pobreza. Mas os laços sociais ainda são fortes em Jerez. Existem 43 associações tradicionais na região, Miguel Angel faz parte de uma delas. Costumam levar comida a pessoas com necessidade. Pessoas ricas e pobres, com ou sem trabalho juntam-se para ajudar.

Juan Carlos Ruiz Becerra, Presidente da Associação Sagrada Lanza de Jerez explica: “Temos de continuar a trabalhar. Reunimo-nos aqui para recolher alimentos. É um esforço que ninguém vê. Estes 800 kg que conseguimos na última sexta-feira… Temos de conseguir o triplo até à próxima sexta. E no sábado temos a festa “ zambomba”, com um espetáculo de caridade e vai entrar algum dinheiro. Com este dinheiro e com os alimentos que conseguimos vamos ajudar 8 famílias carenciadas.”

“Passar tempo na associação ajuda-me a desligar dos meus problemas pessoais, para tentar evitar pensar nos problemas que tenho por estar desempregado e por não poder viver a vida que gostava. Dá-me força para procurar projetos novos e tentar alcança-los”, Miguel Angel.

“Solidariedade” – é uma palavra que ainda tem significado em Jerez. Até 2020, a província de Cádiz vai receber 1 milhão e 400 mil euros para fazer face ao desemprego… Será que este dinheiro vai ser gasto adequadamente? E qual vai ser a próxima estratégia nacional para promover a recuperação económica? Cabe a Espanha decidir…

Ana Huguet: ‘‘Um terço da economia é paralela’‘

Quais as razões do elevado nível de desemprego na região da Andaluzia? Segundo a jornalista Ana Huguet, os principais problemas são a História, a corrupção, a má gestão e a economia paralela.

José Ramón Torrejoyanca: ‘‘É escolher entre a guilhotina ou fazer hara-kiri’‘

A Euronews falou com José Ramón Torrejoyanca, em Jerez de la Frontera, uma cidade com uma taxa de desemprego que ronda os 40%. José Ramón Torrejoyanca explica-nos o funcionamento do grupo do Facebook: “Trabalhar em Jerez.”

Spain - unemplyoment

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os espanhóis sentem que o país vai melhor?

Espanha: Reforma constitucional pendente

Espanha: A essência de um país vai a votos