EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tusk: Acordo entre a UE e Reino Unido não pode ser contestado na justiça

Tusk: Acordo entre a UE e Reino Unido não pode ser contestado na justiça
Direitos de autor 
De  Pedro Sacadura com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Em Bruxelas, durante um debate no Parlamento Europeu, esta quarta-feira, sobre os resultados da última cimeira de chefes de Estado e de Governo da

PUBLICIDADE

Em Bruxelas, durante um debate no Parlamento Europeu, esta quarta-feira, sobre os resultados da última cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE), o presidente do Conselho, Donald Tusk, insistiu que o acordo alcançado com o Reino Unido é “irreversível” e não pode ser anulado pelo Tribunal Europeu de Justiça.

Presumido, naturalmente, que o “Sim” à permanência do Reino Unido na UE vencerá no referendo agendado para 23 de junho.

“Se a maioria apoiar a saída [do Reino Unido da UE] a Europa vai mudar para sempre e será uma mudança para pior”, sublinhou Tusk.

O eurodeputado britânico conservador Ashley Fox disse que vai apoiar a campanha pelo “Sim” à permanência do Reino Unido na UE e criticou aqueles que não respeitam as opiniões alheias: “Comparar a União Europeia à União Soviética é absurdo e ofensivo para os que viveram efetivamente sob o jugo do comunismo. Ao contrário da União Soviética, qualquer país é livre de deixar a União Europeia.”

Sentado na proximidade de Ashley Fox, o eurocético Nigel Farage anotou as críticas e deixou várias interrogações, repletas de ironia, no ar: “É seguro permanecer numa organização em que o próprio chefe da polícia diz que existem três a cinco mil terroristas que vieram para o continente com a crise de refugiados ou é mais seguro recuperar o controlo das nossas fronteiras e da nossa democracia?”

Na frente doméstica, o primeiro-ministro britânico também enfrenta oposição. Cinco elementos do Governo de David Cameron anunciaram a vontade de fazer campanha pelo “Não.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brexit: Empresários britânicos defendem permanência na UE em carta aberta

CE não fará campanha sobre referendo no Reino Unido

Brexit : O custo para o Reino Unido