EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

CE propõe regime de obrigatoriedade para que multinacionais publiquem dados fiscais por país

CE propõe regime de obrigatoriedade para que multinacionais publiquem dados fiscais por país
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Na sequência da polémica gerada com a divulgação dos chamados “Panama Papers” a Comissão Europeia propôs, em nome da transparência, obrigar as

PUBLICIDADE

Na sequência da polémica gerada com a divulgação dos chamados “Panama Papers” a Comissão Europeia propôs, em nome da transparência, obrigar as grandes multinacionais com negócios de mais de 750 milhões de euros no bloco comunitário a tornar públicos os dados fiscais e impostos pagos em cada país europeu.

As informações também se estendem aos territórios considerados como paraísos fiscais.

“Se grandes multinacionais com operações na Europa pagam impostos em outro lugares como o Panamá, por exemplo, terão de tornar esse facto público”, anunciou, esta terça-feira, o comissário responsável pela Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e Mercado de Capitais, Jonathan Hill.

#TaxTransparency proposal will require big multinationals to publish info on tax they pay country by country pierremoscovici</a> <a href="https://twitter.com/VDombrovskis">VDombrovskis

— Jonathan Hill (@JHillEU) April 12, 2016

A divulgação dos impostos pagos sobre negócios mantidos fora da União Europeia deverá será feita de forma agregada, em vez de país a país, o que já mereceu críticas por parte de Philippe Lamberts, eurodeputado belga dos Verdes: “É um passo mínimo na direção certa. Também mostra a total falta de coragem da Comissão Europeia, uma falta total de responsabilidade dos Estados-membros.”

As informações deverão constar de um relatório completo disponível para a consulta pública durante um período temporal de pelo menos cinco anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições em França: Alemães preparam-se para abalo sísmico na política da UE

Imigração, Ucrânia, energia: Qual é a posição da extrema-direita francesa?

Negociações para a adesão da Ucrânia e da Moldova à UE já começaram