EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Acordo UE-Turquia: Bruxelas levanta mais entraves à isenção de vistos para turcos

Acordo UE-Turquia: Bruxelas levanta mais entraves à isenção de vistos para turcos
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os vistos para que os cidadãos turcos possam circular livremente na Europa não devem ser aprovados tão cedo.

PUBLICIDADE

Os vistos para que os cidadãos turcos possam circular livremente na Europa não devem ser aprovados tão cedo. Esta é uma das conclusões do segundo relatório sobre a aplicação do acordo União Europeia- Turquia para os refugiados.
O comissário europeu para as Migrações, Dimitris Avramopoulos, explica que o governo de Ancara ainda tem muitos requisitos obrigatórios a cumprir para que os vistos sejam liberalizados”.

Recorde-se que o acordo prevê que todos os migrantes que tenham entrado ilegalmente na Grécia desde 20 de Março sejam devolvidos para o território turco. Avramopoulos sublinha que “até agora só 7272 pessoas foram realojadas, muito abaixo das 22.504 acordadas em julho do ano passado, sobretudo vindas da Turquia, Jordânia e Libano”.

Our priority remains continuation and full implementation of entire EU-#Turkey statement https://t.co/2TUN5uSfip

— DimitrisAvramopoulos (@Avramopoulos) 15 de junho de 2016

A reação da Turquia não deve ser a melhor: já esta terça-feira o primeiro-ministro turco ameaçou suspender o acordo, caso a questão dos vistos não se resolva. Binali Yıldırım garantiu que está fora de questão alterar a lei anti-terrorismo do país. “A Turquia não vai mudar nunca as leis anti-terrorismo, mesmo se isso significar o colapso do acordo com a União Europeia em matéria de vistos para a circulação de turcos na União Europeia”, sublinhou Binali Yıldırım.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europeias 2024: Candidatos à Presidência da Comissão Europeia em debate

Reconhecimento do Estado da Palestina é único caminho para a paz, diz primeiro-ministro da Irlanda

Emmanuel Macron em missão no Pacífico para travar os motins na Nova Caledónia