Acordos de comércio da UE precisam de ratificação unânime

Acordos de comércio da UE precisam de ratificação unânime
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Futuros acordos de livre comércio entre a União Europeia e outros países ou blocos não deverão entrar em vigor sem todos os Estados-membros os terem ratificado. Em causa está o precedente estabelecido

PUBLICIDADE

Futuros acordos de livre comércio entre a União Europeia e países tais como os Estados Unidos, Japão ou o Reino Unido – após o Brexit – não deverão entrar em vigor sem todos os Estados-membros da União os terem ratificado.

Em causa está o precedente estabelecido pelo parecer do Tribunal de Justiça da União Europeia, terça-feira, que estabelece esse requisito para a entrada em vigor do acordo de livre comércio entre a União Europeia e Singapura.

Estes acordos são uma forte aposta da Comissão Europeia para o crescimento económico do bloco. Estão em curso várias negociações que deverão ser finalizadas a médio prazo, incluindo com o grupo do Mercosul, que agrega Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

Mas o caso mais premente será o do Reino Unido, Estado-membro que pediu para sair da União Europeia e que espera obter um acordo de livre comércio muito ambicioso por forma a manter os estreitos laços económicos dos últimos 40 anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estado da União": Escândalos políticos "aquecem" campanha eleitoral

Lei da "influência estrangeira" afasta Geórgia da UE, alerta Charles Michel

Presidente do Conselho Europeu alerta para "horas críticas" nos ataques Israel-Irão