EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Tribunal valida lei belga contra uso de véus femininos que cobrem o rosto

Tribunal valida lei belga contra uso de véus femininos que cobrem o rosto
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva com LUSA E AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos confirmou a proibição, na Bélgica, do uso de véus femininos que cubram o rosto em público, mesmo que parcialmente, tais como o niqab e a burqa. O acórdão unânim

PUBLICIDADE

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos confirmou a proibição", na Bélgica, do uso de véus femininos que cubram o rosto em público, mesmo que parcialmente, tais como o niqab e a burqa.

O acórdão unânime, terça-feira, sublinha que a lei de 2011 não viola a Convenção Europeia dos Direitos Humanos.

“O Tribunal refugiou-se atrás dos Estados e não constata o princípio da subsidiariedade, no qual a Bélgica assume um caminho perigoso que poderá levar à estigmatização. O Tribunal reconhece que há na Bélgica uma escolha de sociedade, que comporta riscos, mas absteve-se de decidir sobre isso”, disse, à euronews, Ines Wouters, advogada das duas mulheres muçulmanas que contestaram a lei.

O tribunal referiu que, em democracia, se deve “garantir condições de convivência em sociedade”. Uma posição bem acolhida por uma organização de defesa da laicidade.

“É uma decisão lógica, porque vai na mesma direção de decisões anteriores, e essa é a direção certa. Há uma certa lógica do convívio em sociedade, que se deve pautar pelas mais amplas liberdades possíveis, mas são necessários limites”, disse, à euronews, Jean-Pol Hecq, ativista no Centro para a Ação Laica.

O tribunal seguiu uma decisão de 2014, que validou a interdição deste tipo de véus em França e que fez jurisprudência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Partido Trabalhista britânico apresenta plano de “renovação nacional” na abertura do Parlamento

Várias pessoas atropeladas por automóvel numa esplanada em Paris. Há um morto e três feridos graves

Eleição do novo presidente da Assembleia Nacional francesa: porque é importante e o que está em jogo?