EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE pediu provas à Turquia de respeito pelos valores democráticos

UE pediu provas à Turquia de respeito pelos valores democráticos
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Num dos momentos mais tensos nas relações com as instituições e países da União Europeia, sobretudo com a Alemanha, Federica Mogherini pediu provas à Turquia de que os valores democráticos não estão e

PUBLICIDADE

Num dos momentos mais tensos nas relações com as instituições e países da União Europeia, sobretudo com a Alemanha, Federica Mogherini pediu provas à Turquia de que os valores democráticos não estão em risco nesse país.

Depois de um encontro com o seu homólogo turco, em Bruxelas, a chefe da diplomacia da União Europeia sublinhou que “tal como sempre fizemos, continuamos a realçar que o espírito de cooperação e de diálogo deve ser sustentado em passos positivos concretos nas áreas do Estado de direito, das liberdades fundamentais e nas relações bilaterais com cada um dos Estados-membros”.

Briefing the press after #EU#Turkey Political Dialogue in Brussels with MevlutCavusoglu</a> <a href="https://twitter.com/omerrcelik">omerrcelikJHahnEU</a> <a href="https://t.co/oDszoZ1UsL">pic.twitter.com/oDszoZ1UsL</a></p>&mdash; Federica Mogherini (FedericaMog) July 25, 2017

Após o golpe de Estado falhado, há um ano, o governo turco levou a cabo uma purga nas forças de segurança e na sociedade civil, incluindo a detenção de cidadãos estrangeiros.

O ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, disse que “o facto de serem jornalistas ou ativistas é irrelevante. Há uma parte dos jornalistas que fazem bem o seu trabalho, em completa liberdade. Mas há outros que dizem ser jornalistas enquanto dão apoio a uma organização terrorista, e é preciso diferenciá-los”.

Entre os milhares de detidos encontram-se ativistas dos direitos humanos de várias organizações, incluindo internacionais.

On behalf of 895,000 amnesty</a> & <a href="https://twitter.com/Avaaz">Avaaz campaigners, I urged FedericaMog</a> today to keep up pressure on <a href="https://twitter.com/hashtag/Turkey?src=hash">#Turkey</a> to <a href="https://twitter.com/hashtag/FreeRightsDefenders?src=hash">#FreeRightsDefenders</a>! <a href="https://t.co/6R7GaYrZhs">pic.twitter.com/6R7GaYrZhs</a></p>&mdash; Salil Shetty (SalilShetty) July 25, 2017

“Este é um momento decisivo para a sociedade civil na Turquia e, também, para a comunidade internacional na sua relação com a Turquia”, disse, à euronews, John Dalhuisen, diretor regional da Amnistia Internacional para a Europa e Ásia Central, que participou num protesto à porta da reunião de alto nível.

“Essas relações precisam de mudar e os nossos colegas da comunidade dos direitos humanos na Turquia devem ser libertados e apoiados”, acrescentou o ativista.

Numa semana, a Amnistia Internacional e a Avaaz recolheram quase 900 mil assinaturas a pedir a libertação dos seus colegas e dos membros das organizações turcas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Troca de prisioneiros entre o Irão e a Suécia: Hamid Nouri libertado

Peter Pellegrini toma posse como novo presidente da Eslováquia

Segurança máxima na Suíça na conferência de paz para a Ucrânia