EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Organismo anti-fraude pede devolução de 317 milhões de euros

Organismo anti-fraude pede devolução de 317 milhões de euros
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A corrupção com fundos da União Europeia é um dos motivos manifestações antigoverno em países do Leste, tais como a República Checa e a Roménia. Mas um pouco por toda a União Europeia, 167 investigações foram concluídas pelo do Organismo Europeu Anti-Fraude, em 2018.

PUBLICIDADE

A corrupção com fundos da União Europeia é um dos motivos de manifestações antigoverno em países do Leste, tais como a República Checa e a Roménia. Mas um pouco por toda a União Europeia, 167 investigações foram concluídas pelo Organismo Europeu Anti-Fraude (OLAF), que publicou, terça-feira, o relatório relativo a 2018.

O organismo recomendou que fossem devolvidos 371 milhões de euros e o diretor-geral, Ville Itälä, defende a revisão de alguns projetos, como por exemplo na Hungria, um dos piores casos.

"É importante analisar o que se esconde por detrás dos números porque nem sempre revelam toda a verdade da situação. É por isso que decidi visitar a Hungria, a fim de discutir os problemas com as autoridades, a nível legislativo e judicial, e ver como poderemos encontrar em conjunto soluções para os resolver", disse Ville Itälä em entrevista à euronews.

O OLAF pede às autoridades locais que aprofundem as investigações mas, algumas vezes, acabam em saco roto.

Por exemplo, o Ministério Público da República Checa arquivou o caso contra o primeiro-ministro, Andrej Babis, o que não surpreende ativistas anticorrupção.

"Penso que o mais notório neste relatório é que os Estados-membros, simplesmente, não parecem levar a sério a luta contra a corrupção com fundos da União Europeia. Uma taxa de apenas 36% de dedução de acusações é inaceitável", afirmou Nick Aiossa, ativista da Transparência Internacional.

"O facto do Ministério Publico checo ter decidido suspender a investigação sobre corrupção visando o primeiro-ministro Babis é um exemplo de como os Estados-membros costumam reagir às investigações deste organismo: arrastam o caso, não investigam adequadamente e deixe a investigação cair no esquecimento", acrescentou.

A Comissão Europeia adotou uma proposta para reforçar as competências deste organismo, de modo a ter condições para melhor trabalhar em conjunto com a futura Procuradoria-Geral da União Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Projetos ambientais são alvos frequentes de fraude com fundos da UE

Parlamento europeu pressiona na luta contra os crimes financeiros

"Breves de Bruxelas": Fraude com fundos, Irão e ajudas contra intempérie