EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Espanha contesta imunidade de dois eurodeputados catalães

Espanha contesta imunidade de dois eurodeputados catalães
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Espanha contesta imunidade de dois eurodeputados catalães

PUBLICIDADE

A imunidade de Carles Puigdemont e Tonin Comín enquanto eurodeputados é contestada pelo Supremo Tribunal de Justiça de Espanha, que já pediu a suspensão da mesma pelo facto de existirem mandados de detenção europeus contra os dois independentistas catalães.

Cabe ao presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, informar a câmara sobre a recepção do pedido espanhol, abrindo, formalmente, o procedimento de análise.

"Não será uma avaliação sobre a culpa criminal dos eurodeputados, mas sim uma avaliação sobre se estão, ou não, reunidas as condições legais para levantar a imunidade dos mesmos", explicou Jan Wouters, professor de Direito Internacional na Universidade KU Leuven, em entrevista à euronews.

Um processo que pode levar até um ano

Essa avaliação cabe à comissão parlamentar de Assuntos Jurídicos que fará uma recomendação, a ser votada em seguida, por braço no ar, pelos eurodeputados reunidos em sessão plenária. Um processo que pode levar de três meses a um ano.

"É algo que acontece com bastante regularidade. Só na anterior legislatura, por exemplo, houve cerca de 60 casos em que foi pedido o levantamento da imunidade concedida pelo Parlamento Europeu e que foram solicitados pelas autoridades nacionais competentes. Na grande maioria dos casos, 92%, o pedido de levantamento foi aceite", realçou o especialista.

Exemplos disso foram os franceses Jean-Marie Le Pen, por uso indevido de fundos europeus, e Marine Le Pen, por exibição de fotografias explícitas de crimes cometidos por terroristas,

Já a portuguesa Ana Gomes pôde manter a sua imunidade num caso de acusações contra uma empresa, porque o Parlamento considerou que foram efetuadas no exercício das suas funções.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Catalunha apela ao diálogo

Região russa do Daguestão decreta três dias de luto após ataques que mataram 20 pessoas

UE contorna Hungria e vai enviar 1,4 mil milhões de euros para Ucrânia