EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Hackaton europeu para inventar soluções para a pandemia

Hackaton europeu para inventar soluções para a pandemia
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Isabel Marques da SilvaLaura Ruiz Trullos
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão Europeia e empresas tecnológicas organizam uma maratona para desenvolver propostas inovadoras e financiamento para resolver os problemas que a pandemia criou.

PUBLICIDADE

Andrius Milinavičius é fundador de uma empresa startup na Lituânia e está a desenvolver uma aplicação para otimizar o trabalho dos voluntários que ajudam os idosos a lidar com a pandemia da Covid-19.

"Muitas organizações têm um banco de dados sobre as necessidades de apoio e outro banco de dados sobre os voluntários. O nosso papel é fazer uma ligação entre os dois bancos de dados e permitir visualizar todas as informações num mapa", explicou Andrius Milinavičius, em entrevista à euronews.

"Abre-se a aplicação e vê-se se está próxima uma pessoa vulnerável ou idosa que precisa de apoio, que pode ser para ir buscar mantimentos ou uma encomenda, ou ainda algo muito importante para os idosos que são os medicamentos", acrescentou.

Este programador vai participar num hackaton organizado pela Comissão Europeia e empresas de tecnologia. É uma maratona de inovação tecnológica para debater soluções e financiamento para resolver os problemas que a pandemia criou.

"Pode ter-se muito boas ideias mas é preciso, sobretudo, encontrar os meios para as realizar. Gostaríamos de ter novas ideias sobre como produzir ventiladores de forma rápida, em grande quantidade e que possam ser acessíveis para todos. Esse é um exemplo do que esperamos do hackaton",  explicou Mariya Gabriel, comissária europeia para Inovação, em entrevista à euronews.

Engenheiros, programadores e designers não se poderão reunir fisicamente, mas trabalharão intensamente a partir das suas casas, com conta o programador Sasa Popovic: "Dorme-se pouco ou nada. Vai-se comendo um pouco, mas a atenção está quase sempre no trabalho. Geralmente as pessoas estão muito motivadas e mais ainda quando é para ajudar numa causa como esta".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tecnologia 5G ao serviço da saúde

Desafio do futuro: Como 'casar' a tecnologia com o homem

"Precisamos trabalhar em novas tecnologia que reduzam as emissões de carbono" garante von der Leyen