Eurodeputados exigem plano de contingência orçamental

Eurodeputados exigem plano de contingência orçamental
Direitos de autor Source: EC - Audiovisual ServiceFrankfurt am Main - Eurotower, Frankfurt am Main - European Central Bank
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Face ao impasse para chegar a um acordo sobre o orçamento da União para o período 2021-2027, os eurodeputados aprovaram, quarta-feira, em sessão plenária, um pedido formal à Comissão Europeia para apresentar, quanto antes, uma proposta inovadora.

PUBLICIDADE

O Parlamento Europeu quer um plano de contingência até 15 de junho para evitar que o financiamento da União Europeia aos Estados-membros seja interrompido a 1 de janeiro de 2021.

Face ao impasse para chegar a um acordo sobre o orçamento da União para o período de 2021 a 2027, os eurodeputados aprovaram, quarta-feira, um pedido formal à Comissão Europeia para apresentar, quanto antes, uma proposta inovadora.

"Normalmente, haveria apenas uma prorrogação dos programas atuais e seus montantes, mas consideramos que isso não é suficiente. O que queremos é um fundo de recuperação, que estará ancorado no próximo orçamento plurianual da União Europeia e que possa ser usado já este ano. Para situações extraordinárias, precisamos de soluções inovadoras", explicou Margarida Marques, eurodeputada portuguesa de centro-esquerda e co-relatora da iniciativa legislativa em causa, em entrevista à euronews.

Uma "bazuca" de dois biliões de euros

Os eurodeputados votarão, sexta-feira, a sua própria proposta para um plano de recuperação no valor de dois biliões de euros. As verbas deverão vir do orçamento plurianual da União Europeia, de um novo fundo a partir de obrigações garantidas pela Comissão Europeia e de algum investimento privado.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, garantiu, na sessão plenária, que essas sugestões serão integradas: "Em poucas palavras, vou explicar como será o instrumento de recuperação. Será dirigido para onde existirem as maiores necessidades e o maior potencial".

"Este instrumento de recuperação é de curto prazo, para ser gasto, sobretudo, nos primeiros anos da recuperação, incluirá subvenções a fundo perdido e a possibilidade de utilizar parte do investimento ainda este ano", acrescentou Ursula von der Leyen.

O orçamento da União Europeia tem de ser aprovado pelos chefes de Estado e de governo numa cimeira, antes da votação final no Parlamento Europeu, que deseja encerrar o processo antes do verão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Há cortes injustificáveis" no orçamento da UE

Um mealheiro para todos ou uma dívida impagável?

Euronews em força nas eleições europeias que vão marcar uma era