EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Ensino em casa será uma aposta de cada vez mais famílias?

Ensino em casa será uma aposta de cada vez mais famílias?
Direitos de autor Euronews Brussels
Direitos de autor Euronews Brussels
De  Isabel Marques da SilvaMéabh McMahon
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A pandemia de Covid-19 deu a oportunidade a muitas famílias de testar um modelo diferente, para muitos associado a um passado distante de falta de infra-estruturas de educação, mas que poderá tornar-se mais comum na vida moderna.

PUBLICIDADE

O ensino em casa em vez de na escola era quase uma extravagância ate 2020, quando passou a ser a regra em muitas famílias por causa da pandemia de Covid-19.

A viver em Bruxelas, Mialy Clark passou a ser, também, professora em part-time dos seus três filhos durante e após o confinamento, que tenta equilibrar com os momentos de lazer e entretenimento.

"Esta situação permitiu-nos ter mais tempo para passar em família, de forma mais relaxada. Digo isto depois de ter ouvido um podcast da Universidade de Harvard sobre o facto das sociedades de caçadores e coletores apenas trabalharem 15 a 17 horas por semana. Agora trabalhamos 40, 50, 60 horas por semana. Não passamos muito tempo com os nossos filhos e com o resto da família", disse Mialy Clark em entrevista à euronews.

Flexibilidade versus profissionalismo?

Um estudo da UNESCO (agência das Nações Unidas para a educação), alerta que o ensino em casa pode ser um desafio difícil para as famílias em que os pais não podem ficar em casa ou que não têm acesso a material informático.

Mas nos países onde existem mais apoios técnicos e financeiros, as famílias tendem a aceitar melhor esta possibilidade.

Segundo o ministério da Educação da Flandres, região autónoma belga, essa opção aumentou em 33%, mas o ministro Ben Weyts, defende o sistema institucional: "O ensino em casa é um direito garantido pela Constituição, mas acreditamos, firmemente, que é do melhor interesse das crianças que elas frequentem a escola. A melhor educação é disponibilizada na sala de aulas, com um professor profissional e entusiasta”.

Elizabeth Newcamp é bloguer sobre viagens nos EUA e professora a tempo inteiro dos seus filhos, alegando que esse sistema se adapta melhor às necessidades da sua família.

"A maioria dos pais que ensinam os filhos em casa não pensam que a escola não é boa, apenas consideram que ha outras opções. Penso, sinceramente, que proporciona maior flexibilidade e tempo de qualidade aos meus filhos. Fica-se quase viciado na possibilidade de deixar uma criança ler um livro durante toda a tarde. A infância é muito curta e alguns anos depois serão obrigados a usar o tempo de forma produtiva no mercado de trabalho. É bom dar-lhes a oportunidade de seguirem os seus caprichos criativos e aquilo de que gostam mais nesta altura das suas vidas", disse Elizabeth Newcamp, em entrevista à euronews.

A pandemia de Covid-19 deu a oportunidade a muitas famílias de testar um modelo diferente, para muitos associado a um passado distante de falta de infra-estruturas de educação, mas que poderá tornar-se mais comum na vida moderna.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Escola Frello abre na Dinamarca e rompe com os modelos tradicionais de ensino

Diretiva sobre "direito a desligar" em revisão na UE

Bélgica ensaia a reabertura das escolas