A energia nuclear é "limpa" e sustentável?

Central nuclear de Doel
Central nuclear de Doel Direitos de autor EMMANUEL DUNAND/AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Países europeus mostram-se desalinhados sobre a matéria. Polónia, Chéquia, Eslováquia, Hungria, Bulgária e Roménia querem investir fortemente no nuclear. Áustria, Alemanha e Portugal insistem nas vantagens das energias renováveis

PUBLICIDADE

A energia nuclear pode ser considerada sustentável e limpa ao abrigo do sistema europeu de classificação de investimentos "verdes"? A questão mantém-se.

Enquanto se tenta reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em pelo menos 55% até 2030, os países europeus mostram-se desalinhados sobre esta matéria. De tal forma que a palavra nuclear quase não foi mencionada no recente pacote climático "Fit for 55", apresentado pela Comissão Europeia.

Para o ativista antinuclear Jorg Schellenberg, do movimento contra a central nuclear de Tihange "Stop Tihange", o rótulo "sustentável" não se aplica: "A energia nuclear só pode existir numa situação normal de mercado se estiver a receber grandes subsídios. Penso que esse é o caminho errado. Então não pode fazer parte de um conceito renovável porque a necessidade e produção de energia elétrica não pode ser justificada. É unidirecional e não é uma ideia muito inteligente construir novas centrais nucleares."

Mas Estados-membros como a Polónia, a Chéquia, Eslováquia, Hungria, Roménia e Bulgária estão em processo de construção de novas centrais nucleares. Países que historicamente queimam carvão, argumentam que a energia nuclear os tornará mais "verdes" e limpos.

Cerca de 87 eurodeputados estão de acordo. Numa carta enviada recentemente, disseram à Comissão Europeia que querem mais nuclear, não menos.

Esta semana, 18 sindicatos de dez países europeus aumentaram a pressão.

Samuel Furfari, professor de geopolítica da Energia na Universidade Livre de Bruxelas diz que a Europa não se pode dar ao luxo de evitar uma fonte de energia confiável e de baixo carbono como a nuclear: "O problema da energia é que é muito complexo. O problema é tão grande que precisamos de toda a energia. Precisamos da energia eólica, solar, hidroelétrica. Precisamos de biomassa. Precisamos de carvão. Precisamos de gás. Precisamos de energia nuclear. Na Comissão Europeia, só querem energia eólica e solar. Esta é uma estratégia errada."

Países como a Áustria e Alemanha discordam. A opinião pública também.

Polémicas ou não, as centrais nucleares representam mais de 26% de toda a eletricidade produzida na União Europeia.

Na Bélgica, o peso do nuclear no sistema de energia gera polémica há 50 anos. O plano é claro: desativar todas as instalações nucleares. O gigante da energia ENGIE é o responsável.

Enquanto se inicia esse processo gigantesco, que pode levar mais de 20 anos, outros países do leste esperam para ouvir como a Comissão Europeia decide rotular a energia nuclear. Aguarda-se uma decisão ainda este ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Energia Nuclear na transição energética

Barril de petróleo supera os 80 dólares pela primeira vez desde 2018

Nicolas Schmit nomeado cabeça de lista pelos socialistas para as eleições europeias