EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Parlamento Europeu destitui Eva Kaili

Eva Kaili
Eva Kaili Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A eurodeputada socialista grega tinha uma das vice-presidências da câmara

PUBLICIDADE

O Parlamento Europeu (PE) sancionou esta terça-feira Eva Kaili

A eurodeputada grega implicada num escândalo de corrupçãodetinha uma das 14 vice-presidências do hemiciclo e foi destituída da função por "má conduta grave".

A proposta tinha de ter mais do que a maioria de dois terços dos votos, mas acabou por ser votada praticamente por unanimidade (625 votos a favor, um voto contra e duas abstenções). De acordo com a Presidente do PE Roberta Metsola já tinha sido objeto de uma decisão "unânime" da Conferência dos Presidentes, o órgão político do Parlamento Europeu onde estão os líderes dos partidos políticos representados no hemiciclo.

Eva Kaili, deputada socialista que foi presa na Bélgica no domingo, é suspeita de ter sido paga pelo Qatar para defender os interesses do emirado que acolhe o Campeonato do Mundo. Três outras pessoas foram detidas na investigação por um juiz de instrução belga.

A defesa de Eva Kaili disse na terça-feira que esta não tinha aceite quaisquer "subornos do Qatar". "A sua posição é que ela é inocente. Ela não tem nada a ver com os subornos do Qatar", disse o advogado Michalis Dimitrakopoulos à televisão grega.

No entanto, foram encontrados sacos de dinheiro no seu apartamento na capital belga. O Ministério Público federal belga revelou que centenas de milhares de euros tinham sido apreendidos a três suspeitos em três locais diferentes durante as 20 buscas já efectuadas. A polícia também esteve nas instalações do Parlamento  em Bruxelas para fazer buscas a vários gabinetes.

Roberta Metsola expressou "fúria, raiva e tristeza" na segunda-feira, anunciando uma "investigação interna" para examinar todos os factos e uma revisão minuciosa dos procedimentos da instituição.

"Vamos lançar um processo de reforma para ver quem tem acesso às nossas instalações, como estas organizações, ONGs e indivíduos são financiados, que ligações têm com países terceiros, vamos pedir mais transparência nas reuniões com actores estrangeiros", prometeu a líder maltesa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novas buscas no Parlamento Europeu horas antes da destituição de Eva Kaili

Ativista italiana candidata às eleições europeias passa para prisão domiciliária na Hungria

Partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha expulso do grupo Identidade e Democracia