Reunião do G7 deverá abordar escape às sanções contra a Rússia

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel Direitos de autor AP Photo/Virginia Mayo
De  Gregoire LoryIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

União Europeia quer punir países terceiros que contornam as sanções contra a Rússia, mas também rever situação das relações com a China e possíveis acordos com países emergentes.

PUBLICIDADE

A União Europeia (UE) deve apresentar-se com uma posição bem definida, sobretudo no que toca à guerra na Ucrânia, durante a reunião do G7, que juntará os países mais industrializados do mundo, no final da semana, no Japão.

Para dar o exemplo, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, deram um "briefing" conjunto, segunda-feira, em Bruxelas.

Em destaque nas suas preocupações está o 11º pacote de sanções contra a Rússia, que deverá visar, sobretudo, os países na Ásia, no Cáucaso e no Médio Oriente que estão a ajudar o regime de Moscovo a escapar às medidas punitivas.

"No que diz respeito aos países terceiros que compram diretamente na UE e que depois, potencialmente, entregam esses bens sancionados à Rússia, discutimos e, sobretudo, enviamos o aviso de que levamos muito a sérios as nossas sanções e que podemos proibir o envio desses bens para esses países terceiros se houver provas claras de que se trata de uma evasão às sanções", explicou Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia.

China e outras regiões do mundo

As relações com a China também serão centrais nos debates que reunirão os líderes dos EUA, Canadá, Reino Unido, Japão, França, Alemanha e Itália, e a que há alguns anos se juntam os líderes de duas das instituições da UE.

Os dirigentes europeus querem reduzir os riscos em relação ao regime de Pequim, mas mantendo o diálogo aberto. Sanções contra empresas chinesas podem criar um novo conflito diplomático e o líder chinês é o dos poucos que é ouvido pelo presidente russo.

Além disso, há outras regiões do mundo cujos interesses devem ser ponderados, admitiu o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

"Os países em desenvolvimento e os países emergentes manifestaram a sua preocupação com o facto de o G7 estar a focar-se demasiado na Ucrânia e a não prestar atenção suficiente às suas necessidades e prioridades, e nós ouvimos as suas preocupações. Queremos construir parcerias sólidas com os países em desenvolvimento e emergentes, de uma forma que seja mutuamente benéfica", afirmou o presidente do Conselho Europeu.

A UE quer ter uma maior autonomia política, militar e económica, mas não pode crispar os tradicionais aliados, nem alienar ouras regiões do mundo às quais quer comprar materiais e vender produtos. Um equilíbrio difícil, a ser testado na reunião de 19 a 21 de maio, na cidade japonesa de Hiroshima.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Esquerda europeia elege Walter Baier como candidato principal para as eleições de junho

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris

Cólera dos agricultores em Espanha e França está para durar