Letónia, Lituânia e Polónia preocupadas com proximidade do grupo Wagner na vizinha Bielorrússia

Membros do grupo paramilitar Wagner sentados em cima de um tanque numa rua em Rostov-on-Don, Rússia, 24 de junho de 2023.
Membros do grupo paramilitar Wagner sentados em cima de um tanque numa rua em Rostov-on-Don, Rússia, 24 de junho de 2023. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Alice Tidey
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Minsk foi anteriormente acusada usar como arma a fronteira com os Estados-Membros da UE, enquanto a Polónia afirmou que a UE deveria pagar para reforçar a segurança na fronteira.

PUBLICIDADE

Os países da União Europeia (UE) que fazem fronteira com a Bielorrússia pediram, esta quinta-feira, mais solidariedade do bloco comunitário e da NATO perante a presença de "assassinos em série" do grupo paramilitar Wagner e o risco de "infiltração" nos seus países.

"Estamos muito atentos a tudo o que se passa na Bielorrússia, com o [chefe do grupo Wagner, Yevgeny] Prigozhin e um número desconhecido de combatentes muito treinados e qualificados que, presumivelmente, se juntarão a ele", disse o primeiro-ministro da Letónia, Arturs Krišjānis Kariņš, aos jornalistas à chegada à cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, em Bruxelas.

"Isso representa, potencialmente, uma ameaça. A ameaça, provavelmente, não seria uma ameaça militar frontal, mas antes a ameaça de tentativa de infiltração na Europa para fins desconhecidos. Por isso, temos de reforçar a vigilância das nossas fronteiras e garantir o seu controlo", acrescentou.

Minsk já foi acusada de utilizar a fronteira com os Estados-Membros da UE como uma arma, trazendo deliberadamente milhares de migrantes estrangeiros, na sua maioria do Médio Oriente, para a fronteira, em retaliação às sanções da UE contra a Bielorrússia por causa de alegada fraude eleitoral e subsequente repressão violenta das manifestações pró-democracia.

A Polónia, que também faz fronteira com a Bielorrússia, afirmou, entretanto, que a UE deveria pagar para reforçar a segurança fronteiriça.

"A solidariedade europeia significa apoiar os países ameaçados de desestabilização", afirmou o vice-ministro polaco dos Negócios Estrangeiros, Pawel Jablonski, na quinta-feira, na rádio pública.

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, confirmou, na terça-feira, que Prigozhin chegou ao país e disse que uma antiga base militar foi disponibilizada para qualquer combatente do grupo Wagner que desejasse juntar-se a ele.

O exílio de Prigozhin na Bielorrússia faz parte de um acordo que o chefe do grupo Wagner terá alcançado com o Presidente russo, Vladimir Putin, depois de ter liderado um motim no fim de semana em que ele e alguns dos seus combatentes se deslocaram até cerca de 200 km a sul de Moscovo, matando mais de uma dúzia de soldados russos.

O exílio permitir-lhes-ia evitar acusações criminais, embora o Ministério da Defesa russo tenha também apelado aos combatentes do grupo paramilitar para se alistarem com eles e tenha apreendido algum do seu equipamento militar.

Vilnius também está "extremamente preocupada com os desenvolvimentos na Bielorrússia", disse o presidente lituano, Gitanas Nausėda.

"O grupo de combatentes ou estes assassinos em série, chamo-lhes assim, podem estar e surgir na Bielorrússia a qualquer momento. E ninguém sabe quando é que se podem virar contra nós", acrescentou.

Referiu ainda que esta situação deve incentivar a NATO a "tomar decisões corajosas sobre o reforço do seu flanco oriental."

Os líderes dos 31 membros da Aliança Atlântica vão reunir-se na capital lituana a 11 e 12 de julho para debater a transformação em curso da NATO e revelar novos planos regionais para reforçar a cooperação entre os membros e as defesas contra novas ameaças.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia reforça policiamento na fronteira com a Bielorrússia por temer outra crise migratória

Lituânia em vigilância máxima nas fronteiras

"Estado da União": motim do Wagner e reforma do mercado de energia em destaque