EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Governo neerlandês nomeia Wopke Hoekstra para comissário europeu

O governo provisório de Mark Rutte nomeou o ministro dos Negócios Estrangeiros cessante, Wopke Hoekstra, como Comissário da UE na sexta-feira
O governo provisório de Mark Rutte nomeou o ministro dos Negócios Estrangeiros cessante, Wopke Hoekstra, como Comissário da UE na sexta-feira Direitos de autor Mauro Scrobogna/LaPresse lapresse
Direitos de autor Mauro Scrobogna/LaPresse lapresse
De  Mared Gwyn JonesIsabel Marques da Silva (Trad.)
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O ministro dos Negócios Estrangeiros cessante, Wopke Hoekstra, foi nomeado, na sexta-feira, pelo Governo neerlandês para o cargo de comissário europeu, depois de Frans Timmermans, responsável pela pasta do clima, se ter demitido para se candidatar às próximas eleições legislativas nos Países Baixos.

PUBLICIDADE

"Após consultas no seio do governo e com a presidente da Comissão Europeia, decidi apresentar Wopke Hoekstra como candidato à Comissão Europeia", declarou o primeiro-ministro interino, Mark Rutte, num comunicado.

Hoekstra é ministro dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos desde 2022. O governo de coligação de quatro partidos entrou, recentemente, em colapso devido a um desacordo sobre a política de migração.

O político já foi ministro das Finanças, entre 2017 e 2022, representando os Países Baixos nas negociações sobre a recuperação financeira pós-pandemia da UE. Ganhou reputação em Bruxelas como um dos críticos mais veementes da partilha da carga fiscal, reunindo um grupo de países ditos "frugais" para se oporem à emissão de dívida colectiva sob a forma de "obrigações Covid-19".

Hoekstra terá de passar por uma audição no Parlamento Europeu antes de poder assumir o cargo.

O atual comissário europeu escolhido pelo país, Frans Timmermans, demitiu-se formalmente da Comissão Europeia, no início desta semana, e espera-se que o seu substituto assuma o comando da política climática da UE, embora a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, possa decidir atribuir a pasta do clima a outro comissário.

No início desta semana, foi confirmado que o socialista Maroš Šefčovič, que tem estado a tratar das relações com o Reino Unido e da criação de uma plataforma conjunta de compra de gás, entre outros, assumiria as anteriores responsabilidades de Timmermans como Vice-Presidente da Comissão Europeia para o Pacto Ecológico, mas a pasta do clima continua em aberto.

Hoekstra pertence ao partido de direita, Apelo Democrata-Cristão, cuja família política, o Partido Popular Europeu (PPE), tem sido recentemente alvo de críticas por tentativas de diluir e bloquear políticas climáticas europeias de referência.

Socialistas contra atribuição automática da pasta

Em resposta à nomeação, o grupo dos Socialistas e Democratas (S&D) no Parlamento Europeu confirmou na sexta-feira a sua pretensão à pasta do clima, descrevendo Hoekstra como um candidato "controverso".

"No contexto das recentes manobras cínicas e populistas do PPE para enfraquecer o Pacto Ecológico e fazer descarrilar dossiês legislativos fundamentais, como a lei sobre a recuperação da natureza, é crucial para o nosso grupo que a pasta do clima permaneça nas mãos da família socialista e democrata", afirmou o grupo S&D, em comunicado.

"Wopke Hoekstra tornou-se conhecido do grande público europeu com declarações controversas durante a crise da Covid-19", acrescentou o grupo, "para ganhar o apoio do nosso grupo, qualquer comissário designado tem de provar, sem margem para dúvidas, o seu compromisso com os valores europeus, como a solidariedade como pedra angular da nossa união".

A audição de Hoekstra perante o Parlamento Europeu deverá ter lugar no início do outono.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Frans Timmermans demite-se da Comissão Europeia e quer ser primeiro-ministro neerlandês

Lei da Recuperação da Natureza aprovada pelo Parlamento Europeu

Rutte "deixa política" depois das legislativas