EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Estado da União": Alargamento da UE subiu nas prioridades

O alargamento da UE a mais países pasasará pelas regiões do leste e dos Balcãs Ocidentais
O alargamento da UE a mais países pasasará pelas regiões do leste e dos Balcãs Ocidentais Direitos de autor Jean-Francois Badias/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Jean-Francois Badias/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
De  Stefan GrobeIsabel Marques da Silva (Trad.)
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O tema do alargamento da UE subiu nas prioridades desde que eclodiu a guerra na Ucrânia, país que insiste que tal é essencial à sua segurança e desenvolvimento. Os Balcãs Ocidentais estão à espera há anos, mas agora parece haver mais vontade de acelerar o processo.

PUBLICIDADE

O programa "Estado da União" está de volta após as férias de verão, no qual se registaram temperaturas elevadas e, por outro lado, tempestades típicas de outono, como nunca antes visto. O facto de as alterações climáticas estarem a contribuir para condições meteorológicas extremas tornou-se um lugar-comum, mesmo nos círculos políticos. 

A euronews entrevistou o novo supervisor do Pacto Ecológico Europeu, o vice-presidente da Comissão Europeia, Maroš Šefčovič: "Não agir nesta fase seria a pior solução possível porque vejamos como foi este verão. No verão passado vimos o que foi terrível. Este verão foi muito pior. E vamos enfrentar o mesmo nos próximos verões, se não agirmos", disse.

Šefčovič substituiu nesta pasta Frans Timmermans, que se demitiu da Comissão Europeia para se candidatar às eleições neerlandesas, em novembro.

Se vier a ser o próximo primeiro-ministro dos Paises Baixos, Timmermans terá, provavelmente, de enfrentar com os seus homólogos uma questão importante: o alargamento da União Europeia.

O tema tem estado em suspenso há muitos anos, mas ganhou maior atenção devido às consequências da guerra na Ucrânia.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, apresentou uma proposta surpreendente, esta semana: "Temos de falar sobre o calendário: temos de falar sobre o nosso trabalho de casa e tenho uma sugestão. Ao prepararmos a próxima agenda estratégica da UE, temos de estabelecer um objetivo claro: creio que, até 2030, temos de estar prontos para o alargamento".

O Parlamento Europeu desempenha um papel fundamental no processo de alargamento, uma vez que tem de ratificar os tratados de adesão com os países candidatos. A euronews entrevistou David McAllister, presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros, que supervisiona esse processo.

"De acordo com os nossos tratados, um país que respeite os nossos valores e esteja empenhado em promovê-los poderá aderir à União Europeia. É claro que isto implica um longo processo, mas todas as condições têm de ser cumpridas. Diria que um país pode aderir à União Europeia apenas quando estiver, efetivamente, pronto. E isso significa que todas as condições têm de ser cumpridas: financeiras, económicas, políticas e judiciais", explicou.

(Veja a entrevista na íntegra em vídeo)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente do Conselho Europeu quer alargar a União até 2030

Começa o julgamento do plano de golpe de extrema-direita na Alemanha

Inundações obrigam a declarar estado de emergência na região russa da Iacútia