Pacto Ecológico Europeu tornou-se fonte de crispação

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen (centro) definou o Pacto Ecológico como central no seu mandato
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen (centro) definou o Pacto Ecológico como central no seu mandato Direitos de autor Zahid Hussain/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Gregoire Lory
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Outrora um ponto de convergência política, o Pacto Ecológico Europeu é agora uma fonte de crispação dentro da União Europeia (UE). O projecto emblemático da Comissão Europeia para um modelo económico menos poluente está sob crescente ataque, de que são exemplos alguma batalhas legislativas recentes.

PUBLICIDADE

A batalha para aprovar a Lei de Recuperação da Natureza, a polémica prorrogação do herbicida glifosato por mais 10 anos, a rejeição de um regulamento para diminuir o uso de pesticidas e o adiamento de legislação mais moderna sobre produtos químicos são exemplos de que a apetência por uma grande ambição na política climática da UE poderá estar a arrefecer. 

Para a bancada dos verdes no Parlamento Europeu, a atmosfera internacional está a perturbar o objetivo da UE de obter a neutralidade de emissões poluentes, nomeadamente de C02, até 2050.

“As pessoas dizem que são demasiadas crises: a guerra, ainflação, o receio de perder o emprego e que não haverá quem cuide dos idosos porque as nossas sociedades estão a envelhecer", Jutta Paulus, eurodeputada alemã dos verdes, em entrevista à euronews.

"Todas estas questões juntas, acompanhadas de ataques populistas através das redes sociais e da difusão de notícias falsas, formam uma mistura tóxica de rejeição do Pacto Ecológico", explicou Paulus.

A UE adotou, rapidamente, variada legislação para promover a energia com base em fontes renováveis e não poluentes e para promover a eficiência energética. Também criou novos impostos sobre a importação de produtos em moldes mais poluentes e tem uma estratégia para abandonar os motores de combustão nos veículos.

Devemos estabelecer prioridades, não devemos exagerar e devemos ter o apoio das populações.
Peter Liese
Eurodeputado, centro-direita, Alemanha

Foram adotadas uma dúzia de leis para cumprir a meta de reduzir as emissões de CO2 em 55% até 2030. Mas a paisagem política parece agora menos favorável a uma abordagem progressista.

"Por vezes, exageramos, ou a maioria no Parlamento Europeu exagerou, não dando às populações opção de escolha, mas tomando decisões muito prescritivas a nível europeu, o que nunca é uma boa ideia", referiu Peter Liese, eurodeputado alemão do centro-direita, à euronews.

"Quando fazemos tudo o que os Verdes querem, corre-se o risco de não alcançar as metas climáticas ou de perder muitos empregos e competitividade. Ambas as coisas não são boas. Devemos estabelecer prioridades, não devemos exagerar e devemos ter o apoio das populações", sugere o eurodeputado.

Duas ambições em paralelo

Devemos fazer mais para garantir que as empresas podem continuar a evoluir e que as pessoas vêem um futuro brilhante à frente, mesmo que as circunstâncias possam mudar.
Wopke Hoekstra
Comissário europeu para a Ação Climática.

Alguns setores industriais, empresas e a comunidade agrícola consideram que o cumprimento das regulamentações ambientais acarreta um fardo adicional. Apesar destes ventos contrários, a Comissão Europeia pretende manter o rumo.

"Temos realmente de fazer duas coisas. Uma é continuar com a nossa ambição climática porque a realidade é que as alterações climáticas estão à porta de todos", afirmou Wopke Hoekstra, comissário europeu para a Ação Climática.

"Dito isto, precisamos e garantir boas perspetivas para os cidadãos e empresas, isto é, fazer mais para garantir que as empresas podem continuar a evoluir e que as pessoas vêem um futuro brilhante à frente, mesmo que as circunstâncias possam mudar", acrescentou o comissário, em declarações à euronews.

A proteção do clima é mais do que apenas uma questão ambiental, tem grande impacto na posição geopolítica da UE, face à corrida industrial pelas tecnologias mais ecológicas por parte de potências tais como a China e os Estados Unidos.

As próximas negociações europeias para definir metas ambientais intercalares para 2040 serão, portanto, um indicador da ambição do bloco de 27 países neste domínio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

COP28 pode renovar a esperança nos objetivos do Acordo de Paris

Exclusivo: Šefčovič promete ajudar empresas na gestão do Pacto Ecológico

Von der Leyan renova apelo à aquisão conjunta de armas na UE