EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Věra Jourová critica a campanha "escandalosa e enganadora" da Hungria

Os cartazes espalhados pela Hungria visam diretamente Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia.
Os cartazes espalhados pela Hungria visam diretamente Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia. Direitos de autor Denes Erdos/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Denes Erdos/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Sandor ZsirosJorge Liboreiro
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Věra Jourová, vice-presidente da Comissão Europeia com o pelouro dos Valores e Transparência, criticou publicamente a campanha anti-UE da Hungria, chamando-lhe enganadora e repleta de "mentiras verificáveis".

PUBLICIDADE

"Esta campanha de cartazes é ultrajante e escandalosa. E esta campanha está a ofender a minha chefe Ursula von der Leyen, está a ofender-me a mim também e penso que a maioria, se não todos, os membros do Colégio" de Comissários, disse Jourová na tarde de terça-feira, em resposta a uma pergunta da Euronews.

"Não mostra algo a que chamamos, na gíria diplomática europeia, cooperação sincera".

Os cartazes, que começaram a aparecer nas ruas da Hungria em meados de novembro, mostram von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia, ao lado de Alexander Soros, o filho de 38 anos do bilionário George Soros e atual presidente da Open Society Foundations (OSF).

Um texto em maiúsculas diz: "Não vamos dançar ao som da música que eles assobiam!"

Embora a família Soros e a OSF, que apoia organizações da sociedade civil em todo o mundo através de subvenções, tenham sido difamadas pelo Governo húngaro no passado, a campanha liderada pelo Estado é a primeira vez que von der Leyen foi pessoalmente visada.

Os cartazes destinam-se a promover uma consulta nacional não vinculativa que pede aos cidadãos húngaros a sua opinião sobre uma seleção de políticas da UE. Os participantes são convidados a escolher entre duas respostas possíveis, uma contra e outra a favor.

O inquérito, cuja linguagem é fortemente incendiária e enganadora, foi enviado por correio às famílias húngaras. Está também disponível uma versão em linha.

Questionada sobre o conteúdo da consulta, Věra Jourová descreveu as perguntas e respostas como "mentiras verificáveis".

"Por exemplo, Bruxelas quer 'abolir o apoioestatal aos serviços públicos'. É mentira! Bruxelas quer 'abolir o imposto húngaro sobre os lucros inesperados'. É mentira! Compete aos Estados-Membros decidir", disse Jourová, desmascarando o questionário.

"Por exemplo, uma coisa sumarenta: O 'alegado apoio de Bruxelas às organizações palestinianas com ligações ao Hamas' é pura mentira. Esclarecemos exatamente o que estamos a fazer, que tipo de controlo estamos a efetuar para termos a certeza absoluta de que o nosso dinheiro não vai parar às mãos do Hamas", acrescentou, referindo-se à análise urgente da Comissão sobre os fundos de desenvolvimento para os territórios palestinianos, que não detectou qualquer fuga.

"Posso continuar. Sim, há mentiras. A campanha está a tentar enganar os cidadãos húngaros e nós temos de discordar veementemente disso."

Os comentários de Jourová representam a mais feroz denúncia até à data da mais recente tentativa do primeiro-ministro Viktor Orbán de minar o processo de decisão da UE.

No mês passado, um porta-voz da Comissão afirmou que a Presidente von der Leyen, ao ver os cartazes, tinha ficado "tranquila".

A Presidente "confia plenamente na capacidade do público húngaro para tomar a sua própria decisão com base em informações objectivas e factuais sobre o que fazemos", disse o porta-voz.

"Sejamos claros. Sabemos que esta não é a primeira vez. Provavelmente não será a última vez. Temos negócios a fazer. Temos crises para gerir. Temos políticas a implementar".

PUBLICIDADE

No entanto, os cartazes e a consulta aumentaram a temperatura do confronto entre Bruxelas e Budapeste, numa altura crítica em que Viktor Orbán ameaça suspender o apoio do bloco à Ucrânia e impedir as conversações de adesão.

A pressão da oposição de Orbán tem-se traduzido em múltiplos ataques à credibilidade da Comissão e à autoridade de von der Leyen, com uma ferocidade crescente.

"Em vez de analisarmos longamente as estruturas europeias, pensemos na nossa experiência quotidiana com a imprensa - na frequência com que parece ao público que a Europa está a ser gerida pela Comissão e pelo seu Presidente", afirmou o primeiro-ministro num discurso recente.

"Pensamos nela e lemos as suas palavras como se fosse um líder da Europa a falar - quando, na verdade, ela é nossa funcionária, nossa funcionária paga, cujo trabalho é executar o que decidimos."

PUBLICIDADE

As discussões deverão ser bastante quentes no final desta semana durante a cimeira da UE de quinta e sexta-feira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hungria firme na oposição à adesão da Ucrânia à UE

Bruxelas poderá desbloquear 10 mil milhões de euros para Hungria

Hungria: Ursula von der Leyen "não se incomoda" com cartazes críticos