Áustria irredutível nas reformas para permitir alargar espaço Schengen

A Áustria é o único Estado-membro que tem mostrado forte oposição ao alargamento do espaço Schengen
A Áustria é o único Estado-membro que tem mostrado forte oposição ao alargamento do espaço Schengen Direitos de autor Matthias Schrader/Copyright 2019 The AP. All rights reserved
De  Vincenzo Genovese
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Áustria exige que a União Europei (UE) melhore o controlo das fronteiras externas antes de aprovar a adesão plena da Roménia e da Bulgária ao espaço Schengen de livre circulação.

PUBLICIDADE

A Áustria é o único Estado-membro da UE que tem mostrado forte oposição ao alargamento do espaço Schegen de livre circulação (que não exige a apresentação de passaporte pelos cidadãos e outras medidas burocráticas no caso das empresas), apesar da Comissão Europeia dizer que os aqueles dois países do leste reúnem todas as condições técnicas.

O governo austríaco aceitou que haja uma adesão parcial ao sistema, ao nível das fronteiras aéreas e marítimas, mas nas fronteiras terrestres continuarão a existir controlos para cidadãos da Bulgária e da Roménia.

Lukas Mandl, eurodeputado austríaco eleito pelo OVP, de centro-direita, partido do governo de Viena, disse à Euronews que a situação migratória na UE coloca problemas de segurança e exige estes cuidados.

"A Áustria tem uma abordagem muito construtiva e positiva. Queremos encontrar uma solução. Como sempre afirmei, queremos que a Bulgária e a Roménia façam parte do espaço Schengen. Só que isso ainda não é possível porque as fronteiras externas da União Europeia ainda não estão devidamente protegidas", explicou. 

"E é por isso que a Áustria tem feito passar a mensagem clara de que primeiro temos de resolver a questão das nossas fronteiras externas em termos de migração irregular. Depois, podemos avançar com, diria eu, a conclusão do espaço Schengen", acrescentou.

Ajuda da Frontex e gestão de requrentes de asilo

O governo austríaco está preocupado com o elevado número de pedidos de asilo no seu território, embora não seja o principal ponto de chegada da maioria dos requerentes que desejam entrar na UE.

Para o futuro, acordámos que a Bulgária e a Roménia irão tomar conta dos refugiados que entraram primeiro num destes dois países.
Lukas Mandl
Eurodeputado, centro-direito, Áustria

Tal acontece na Grécia e em Itália, que devem processar os pedidos, de acordo com a legislação comunitária que exige que a burocracia seja feita no primeiro país de entrada.

"Todos sabemos que esta regra não foi, efetivamente, seguida por muitos Estados-membros, numa dimensão extrema pela Hungria, infelizmente, mas houve outros Estados-membros não a seguiram inteiramente. Para o futuro, acordámos que a Bulgária e a Roménia irão tomar conta dos refugiados que entraram primeiro num destes dois países", afirmou o eurodeputado.

A Roménia e a Bulgária concordaram em reforçar o controlo das fronteiras externas com a ajuda da agência europeia Frontex. Por outro lado, comprometeram-se a processar os pedidos de asilo no seu próprio território.

A adesão parcial aos espaço Schengen acontecerá a 31 de março. A adesão total, que incluirá as fronterias terrestres, será discutida ao longo deste ano pelo Conselho Europeu (chefes de Estado e de governo da UE).

Estes dois países alegam que perdem milhares de milhões de euros por causa da burocracia alfadengária.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas aceita "Air Schengen" proposto pela Áustria para Roménia e Bulgária

PM da Bulgária diz que país é "refém" no debate sobre espaço Schengen

Financiamento da UNRWA deve manter-se para evitar uma catástrofe humanitária em Gaza