UE "extremamente preocupada" com o alegado envolvimento da ONU nos ataques de 7 de outubro contra Israel

Uma mulher passa pela sede da UNRWA em Gaza
Uma mulher passa pela sede da UNRWA em Gaza Direitos de autor ADEL HANA/AP
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A União Europeia afirmou na sexta-feira estar "extremamente preocupada" com as alegações de que o pessoal da agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos estaria envolvido nos ataques do Hamas contra Israel, a 7 de outubro.

PUBLICIDADE

A UNRWA anunciou na sexta-feira que estava a investigar o possível envolvimento de vários dos seus funcionários nos ataques do Hamas de 7 de outubro, que causaram a morte de mais de 1200 israelitas e provocaram uma guerra em Gaza, que já custou a vida a mais de 26 000 palestinianos.

De acordo com uma declaração do Departamento de Estado dos EUA, as alegações dizem respeito a doze funcionários da UNRWA.

O chefe da UNRWA, Philippe Lazzarini, disse na sexta-feira que demitiu imediatamente os funcionários suspeitos de envolvimento "para proteger a capacidade da agência de prestar assistência humanitária" à Faixa de Gaza sitiada.

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, está "horrorizado com esta notícia", segundo o seu porta-voz.

A Comissão Europeia e o chefe da política externa, Josep Borrell, também apelaram, numa declaração conjunta, à UNRWA para que "assegure total transparência sobre as alegações e tome medidas imediatas contra o pessoal envolvido".

Os EUA reagiram suspendendo o financiamento da UNRWA enquanto decorrem as investigações. A agência da ONU tem desempenhado um papel fundamental para garantir que a ajuda vital chegue à população de Gaza desde o início da guerra.

Entretanto, o executivo da UE afirma que irá "avaliar as medidas a adotar" e "retirar ensinamentos" dos resultados da investigação.

O comissário europeu para a vizinhança, Olivér Várhelyi, e o comissário europeu para a ajuda humanitária, Janez Lenarčič, fizeram eco dos apelos a uma investigação transparente.

Os pagamentos de ajuda ao desenvolvimento da UE aos territórios palestinianos foram temporariamente suspensos em resposta aos ataques de 7 de outubro, enquanto se aguarda uma revisão para garantir que nenhum dinheiro da UE chegue inadvertidamente às mãos do Hamas, designado como organização terrorista pelo bloco.

Foram examinados contratos no valor de 331 milhões de euros, não tendo sido detetado qualquer desvio de fundos para grupos terroristas, o que permitiu que a ajuda ao desenvolvimento voltasse a circular.

A UE é o maior doador de ajuda ao desenvolvimento para os territórios palestinianos, com uma parte significativa da ajuda canalizada através da UNRWA, para apoiar famílias vulneráveis e deslocadas.

Para o período de 2021 a 2023, a contribuição da UE para o orçamento do programa da UNRWA ascendeu a 281 milhões de euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Casa Branca: "resposta" à morte de soldados americanos não afeta libertação de reféns em Gaza

Tribunal Internacional de Justiça ordena a Israel que evite o genocídio em Gaza

Esquerda europeia elege Walter Baier como candidato principal para as eleições de junho