"Um pouco contraditório": Borrell critica os EUA por lamentarem as mortes em Gaza e enviarem armas para Israel

Josep Borrell fala após uma reunião de ministros da UE, Bruxelas, 12 de fevereiro
Josep Borrell fala após uma reunião de ministros da UE, Bruxelas, 12 de fevereiro Direitos de autor LUSA
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Josep Borrell criticou duramente a administração Biden por lamentar o número crescente de mortos em Gaza e, ao mesmo tempo, fornecer a Israel armas para apoiar a sua campanha militar.

PUBLICIDADE

Em Bruxelas, horas depois de as forças israelitas terem bombardeado a cidade de Rafah, no sul de Gaza, o chefe da política externa da UE apelou a Washington para que deixasse de implorar a Israel que parasse de matar civis e começasse a "fazer alguma coisa".

"Quantas vezes ouvimos os líderes mais proeminentes e os ministros dos negócios estrangeiros de todo o mundo dizerem: 'Estão a ser mortas demasiadas pessoas'? O Presidente Biden disse: 'Isto é um exagero'", afirmou Borrell, referindo-se às recentes declarações de Biden.

"Bem, se acreditam que estão a ser mortas demasiadas pessoas, talvez devessem fornecer menos armas para evitar que tantas pessoas sejam mortas".

"É um pouco contraditório continuar a dizer que há demasiadas pessoas a serem mortas, por favor, tomem conta das pessoas, por favor, não matem tantas", prosseguiu. "Parem de dizer por favor e (comecem) a fazer alguma coisa."

A repreensão surgiu horas depois de um tribunal de recurso dos Países Baixos ter ordenado ao governo que suspendesse a entrega de peças dos caças F-35 a Israel, por recear que as exportações holandesas pudessem estar a contribuir para violações do direito internacional, à luz do acórdão do TIJ.

Nos últimos meses, a administração norte-americana contornou o Congresso para continuar a enviar armas a Israel, ao mesmo tempo que apelava à contenção na guerra em Gaza, que já custou a vida a cerca de 28.000 palestinianos, segundo o Ministério da Saúde, dirigido pelo Hamas.

Nos últimos dias, os democratas do Senado têm pressionado a Casa Branca a consultar o Congresso antes de qualquer venda futura de armas a Telavive, receando a cumplicidade americana na devastação e na crise humanitária que assolou Gaza.

O Presidente Biden respondeu a esses apelos na passada quinta-feira com uma ordem executiva que autoriza o corte da ajuda militar a governos estrangeiros que não respeitem o direito internacional. O memorando pretende "reforçar" a segurança nacional dos EUA, "reforçando o respeito pelos direitos humanos, o direito humanitário internacional, a governação democrática e o Estado de direito", e espera "reduzir o risco de danos a civis".

Estima-se que Israel tenha recebido mais ajuda militar dos EUA do que qualquer outra nação desde os anos 50, devido a uma política de apoio bipartidária de longa data.

"Se a comunidade internacional acredita que isto é um massacre, que demasiadas pessoas estão a ser mortas, talvez tenham de pensar no fornecimento de armas", disse Borrell.

Os dados partilhados com a Euronews sugerem que muitos outros países da UE - incluindo a Itália e a Alemanha - também forneceram a Israel algum do equipamento militar e componentes utilizados nas suas ofensivas.

O centro de investigação Delas afirma que os europeus são, em conjunto, "um dos principais fornecedores de sistemas e equipamentos militares a Israel", a seguir aos EUA, e que os Estados-Membros licenciaram contratos militares no valor de mais de dois mil milhões de euros a Israel, incluindo munições, equipamento de disparo de armas e componentes para aviões e veículos militares.

Organizações como a Amnistia Internacional e a Rede Europeia contra o Comércio de Armas (ENAAT) há muito que apelam a um embargo global de armas tanto a Israel como ao Hamas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel financiou o Hamas para enfraquecer a Autoridade Palestiniana, afirma Josep Borrell

Um quarto dos jovens romenos vive com privação material e social severa

Macron diz que envio de tropas ocidentais para o terreno na Ucrânia "não está excluído"