EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Política da UE. 8 deputados que podem dominar a política económica e financeira após as eleições

Os 720 legisladores da UE passarão os próximos cinco anos a refletir sobre questões como um euro digital e a reforma dos mercados de capitais
Os 720 legisladores da UE passarão os próximos cinco anos a refletir sobre questões como um euro digital e a reforma dos mercados de capitais Direitos de autor Eric Vidal/EP
Direitos de autor Eric Vidal/EP
De  Paula SolerJack Schickler
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os 720 legisladores da UE vão passar os próximos cinco anos a refletir sobre questões como o euro digital e a reforma dos mercados de capitais.

PUBLICIDADE

Faltam poucas semanas para as eleições para o novo Parlamento Europeu e as sondagens sugerem que haverá uma viragem à direita.

Mas, para além da política partidária, os eurodeputados podem também dar um cunho pessoal ao processo legislativo, defendendo os seus próprios cavalos de batalha e liderando o trabalho em peças legislativas fundamentais.

Com o aumento do custo de vida e o apoio ao crescimento económico entre as maiores preocupações dos cidadãos da UE, e com os eurodeputados prestes a apreciar leis importantes sobre os mercados de capitais e o euro digital, as questões financeiras vão ser uma parte fundamental do seu mandato de cinco anos.

Eis oito dos nomes mais proeminentes que poderão influenciar as questões económicas da UE nos próximos cinco anos.

1. Stéphanie Yon-Courtin (França/Renew Europe)

A deputada francesa foi recentemente nomeada a legisladora mais ativa na definição dos mercados de capitais e da política financeira, de acordo com o Índice de Influência dos Deputados do Parlamento Europeu compilado pela EU Matrix.

Yon-Courtin trabalhou anteriormente como advogada na Comissão Europeia e como consultora da autoridade francesa da concorrência entre 2007 e 2010.

Nos últimos anos, negociou as regras fiscais da UE e as reformas das regras de proteção dos consumidores para os pequenos investidores, tendo eliminado planos controversos da Comissão que limitavam os incentivos monetários pagos aos intermediários financeiros.

Yon-Courtin é a 13ª candidata do partido francês Renascença, pelo que ainda tem boas hipóteses de ganhar um lugar no próximo parlamento, mesmo que as sondagens sugiram que o partido do Presidente Emmanuel Macron sofrerá perdas significativas.

2. Jonás****Fernández (Espanha/Socialistas e Democratas)

Fernández é deputado ao Parlamento Europeu desde 2014. Foi um dos vice-presidentes da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários, que examina questões como a banca e os seguros.

Liderou os trabalhos sobre as recentes reformas das regras da UE em matéria de fundos próprios dos bancos, uma reforma abrangente destinada a evitar a repetição do colapso financeiro de 2008 sem estrangular a concessão de empréstimos à economia.

Uma sondagem da Euronews prevê 20 lugares para o seu partido, e o economista espanhol está em sétimo lugar.

3. Markus Ferber (Alemanha/Partido Popular Europeu)

Ferber negociou as controversas novas regras fiscais da UE. O alemão há muito que salienta a necessidade de um regresso à responsabilidade orçamental após a pandemia e apelou à Comissão para que aplique rigorosamente as regras orçamentais.

Em parlamentos anteriores, a partir de 2010, também liderou os trabalhos sobre a histórica lei Mifid da UE, que estabelece regras para a negociação de instrumentos financeiros, como acções e obrigações.

O poderoso político é o quinto na lista do seu partido para as eleições legislativas na Alemanha, onde o grupo de centro-direita regista atualmente boas sondagens.

4. Kira-Marie Peter-Hansen (Dinamarca/Verdes)

PUBLICIDADE

Aos 26 anos, é uma das mais jovens deputadas do Parlamento Europeu e é atualmente a principal candidata na lista do Partido Popular Socialista. Peter-Hansen é membro da comissão parlamentar de Economia e vice-presidente da subcomissão parlamentar de Fiscalidade.

Já trabalhou em importantes reformas no domínio da luta contra o branqueamento de capitais e liderou as negociações sobre a diretiva relativa à transparência salarial - legislação que obrigará as empresas da UE a partilhar informações sobre os salários e a tomar medidas se a diferença salarial entre homens e mulheres for superior a 5%.

Kira-Marie Peter-Hansen
Kira-Marie Peter-HansenEP

5. Johan Van Overtveldt (Bélgica/Conservadores e Reformistas Europeus)

Van Overtveldt é um antigo ministro das finanças belga e, durante o seu mandato, presidiu à comissão parlamentar do orçamento. Numa entrevista recente, sugeriu que iria pedir uma reforma profunda do dinheiro da UE gasto nas regiões mais pobres para a coesão e a agricultura, concentrando-o antes na investigação e desenvolvimento.

Interessou-se pelo trabalho do parlamento sobre a tecnologia de livro-razão distribuído, que está na base de moedas como a bitcoin, mas é também um pouco cético, afirmando que as criptomoedas deviam ser proibidas por serem "veneno especulativo" sem valor económico.

PUBLICIDADE

É o cabeça de lista do seu partido, pelo que parece provável que regresse após as eleições europeias.

6. Aurore Lalucq (França/S&D)

A economista francesa tem liderado os apelos a um imposto sobre os super-ricos para financiar a transição ambiental e social. Lalucq também apoiou a criação de uma nova garantia pública de emprego na UE para criar emprego em áreas com necessidades sociais não satisfeitas.

Lalucq ocupa o quarto lugar na lista conjunta de Raphael Glucksmann e do Partido Socialista francês, pelo que é muito provável que seja reeleita.

7. Eva Maria Poptcheva (Espanha/PPE)

PUBLICIDADE

Depois de passar do partido liberal espanhol Ciudadanos (Renovar a Europa) para o Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, Eva Maria Poptcheva, uma das vice-presidentes da Comissão Económica e Financeira do Parlamento Europeu, parece poder vir a ganhar um lugar na próxima legislatura.

Antes de se tornar eurodeputada em 2022, prestou assistência técnica ao Parlamento sobre o orçamento de um milhão de milhões de euros da UE.

Poptcheva liderou os trabalhos sobre a criação de uma nova agência de combate ao branqueamento de capitais - uma negociação complicada que viu Frankfurt defender-se da concorrência de oito outros concorrentes para ganhar o direito de acolher centenas de funcionários da UE.

A eurodeputada também se mostrou preocupada com os vistos dourados, uma forma de conceder direitos de residência aos ricos que também suscita preocupações em relação ao dinheiro sujo.

Poptcheva é a 23ª na lista do Partido Popular espanhol para as eleições e espera-se que o seu partido tenha 25 eurodeputados.

PUBLICIDADE

8. Fabio De Masi (Alemanha/unaligned)

Fabio de Masi, economista e candidato principal da Aliança de Sahra Wagenknecht, um partido recém-formado, constituído por antigos membros do Die Linke, o partido de esquerda alemão, é outro dos candidatos a que devemos estar atentos.

Atualmente, não é eurodeputado, mas foi até 2017, altura em que foi vice-presidente de uma comissão especial para investigar o branqueamento de capitais e a evasão fiscal.

Fabio de Masi
Fabio de MasiDominique Hommel/EP

De Masi tem fortes credenciais na luta contra a corrupção. Durante o seu mandato no Parlamento alemão (2017-2021), liderou uma investigação sobre o colapso da empresa alemã de pagamentos Wirecard. De acordo com a imprensa local, o seu próximo alvo poderá ser o papel da Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na negociação de contratos de vacinas com a Pfizer.

Uma sondagem da Euronews sugere que o partido de De Masi poderá ganhar sete lugares nas eleições de junho.

PUBLICIDADE

Quem se vai embora?

A par destas personalidades, há dois economistas de renome que não voltarão de certeza.

Após três mandatos parlamentares, o copresidente do grupo dos Verdes, o belga Philippe Lamberts, vai abandonar o cargo.

Depois de ter trabalhado em temas fundamentais como a regulação do setor bancário e a resposta institucional da UE à crise do euro, Lamberts lamentou as novas regras orçamentais que, segundo ele, vão asfixiar o crescimento.

"Esta obcessão com a redução da dívida conduzirá inevitavelmente a um regresso da austeridade, numa altura em que a UE precisa urgentemente de estimular o investimento", afirmou aos seus homólogos.

Lamberts será substituído no cargo de líder dos Verdes belgas por Olivier de Schutter, que publicou relatórios sobre emprego, igualdade e pobreza.

PUBLICIDADE

O presidente da subcomissão fiscal, Paul Tang (Países Baixos/S&D), é outro eurodeputado que não estará de volta a partir de junho. Foi um dos eurodeputados que liderou a recente diretiva relativa à luta contra o branqueamento de capitais e tem-se oposto à evasão fiscal.

Paul Tang
Paul TangPhilippe Buissin/EP

Tang apoia a nova legislação da UE proposta pela Comissão em 2021, que visa impedir que empresas duvidosas de fachada vazia obtenham benefícios fiscais. "Precisamos de aumentar as receitas através do combate à evasão fiscal e as empresas-fantasma estão no centro da questão", disse Tang à Euronews no início deste ano.

Por último, mas não menos importante, a respeitada dupla portuguesa Margarida e Pedro Marques não voltará a fazer parte da lista do Partido Socialista (PS), na sequência de uma decisão do seu líder, Pedro Nuno Santos, de eliminar os atuais eurodeputados.

Margarida negociou as novas regras orçamentais da UE, enquanto Pedro foi um legislador ativo no sistema bancário e um vice-presidente assumido do seu grupo político.

Em março, o seu partido perdeu as eleições nacionais para o PSD, de centro-direita, mas, de acordo com uma sondagem exclusiva da Euronews-Ipsos, ainda se espera que venham a obter sete lugares no próximo parlamento.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estará o aumento da extrema-direita a obrigar as mulheres a serem politicamente mais ativas?

Escândalo, bullying e iconoclastia: como os eurodeputados perderam o rumo político

Massimiliano Allegri despedido da Juventus