EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Josep Borrell critica "lei russa" da Geórgia e exige que seja revogada

Josep Borrell
Josep Borrell Direitos de autor European Union, 2024.
Direitos de autor European Union, 2024.
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A declaração do alto representante da diplomacia europeia foi feita 24 horas depois de a lei ter sido aprovada em terceira e última leitura no Parlamento da Geórgia.

PUBLICIDADE

Josep Borrell criticou a Geórgia por ter aprovado a chamada “lei russa” em terceira e última leitura. Numa declaração assinada em conjunto com a Comissão Europeia, Josep Borrell afirma que a legislação é contrária às ambições de adesão da Geórgia à UE e que deve ser eliminada na sua totalidade.

“A adoção desta lei afeta negativamente os progressos da Geórgia na via da adesão à UE. A decisão sobre o caminho a seguir está nas mãos da Geórgia", escrevem.

“Exortamos as autoridades georgianas a retirarem a lei, a manterem-se empenhadas na via da UE e a avançarem com as reformas necessárias”.

A declaração, no entanto, não prevê qualquer retaliação explícita ou consequências para o processo de adesão, que teve início em dezembro, na sequência da declaração da Geórgia como país candidato à UE, cumprindo assim um objetivo há muito ambicionado, mas difícil de alcançar. “A UE está pronta a continuar a apoiar os georgianos que trabalham para um futuro europeu”, lê-se na declaração.

O chefe da política externa tencionava inicialmente emitir um comunicado coletivo criticando a legislação, assinada pelos 27 Estados-membros, logo após a terceira leitura, na tarde de terça-feira.

Mas, segundo os diplomatas em Bruxelas, o plano foi vetado pela Hungria e pela Eslováquia, cujos primeiros-ministros adoptaram políticas pró-Rússia e tendem a resistir a declarações demasiado críticas contra o Kremlin e os seus aliados internacionais. “Um estava a esconder-se atrás do outro”, disse fonte diplomática à Euronews.

Na ausência de unanimidade, a ideia passou a ser que Borrell emitisse uma declaração conjunta com Oliver Várhelyi, Comissário Europeu para a Vizinhança e o Alargamento, como ambos fizeram quando o parlamento georgiano aprovou a lei em segunda leitura. Mas isso atrasou ainda mais a iniciativa devido a alegadas divergências entre os dois. No final, a declaração foi publicada esta quarta-feira às 11:00, quase 24 horas após a conclusão da terceira leitura. Foi assinada com toda a Comissão Europeia.

O atraso foi notável, tendo em conta a grave situação no terreno e a rápida condenação expressa pelos EUA. As publicações de Borrell nas redes sociais sobre a sua viagem a Washington e a guerra entre Israel e o Hamas só aumentaram a frustração pelo silêncio prolongado.

“A UE afirmou clara e repetidamente que o espírito e o conteúdo da lei não estão em conformidade com as normas e valores fundamentais da UE", diz a declaração.

“A liberdade de associação e a liberdade de expressão são direitos fundamentais que estão no centro dos compromissos assumidos pela Geórgia no âmbito do Acordo de Associação e de qualquer processo de adesão à UE".

Entretanto, os ministros dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, Estónia, Letónia e Islândia aterraram em Tbilisi para mostrar o seu apoio aos manifestantes e reunir-se com a presidente Salome Zourabichvili, que prometeu vetar a lei.

"A lei dos “agentes estrangeiros” é incompatível com as normas da UE. Esta lei não pode ser corrigida, porque está fundamentalmente corrompida", declarou o lituano Gabrielius Landsbergis.

Policiamento inaceitável

De acordo com a nova lei, os meios de comunicação social e as organizações sem fins lucrativos da Geórgia terão de se registar publicamente como “perseguindo os interesses de uma potência estrangeira” se receberem mais de 20% dos seus fundos do estrangeiro. As organizações devem também declarar os rendimentos recebidos e apresentar um balanço financeiro anual.

O Ministério da Justiça da Geórgia estaria encarregado de supervisionar o cumprimento das obrigações e sancionar as infrações.

Desde que o texto foi apresentado, a oposição e a sociedade civil afirmaram que as disposições da lei seriam exploradas para expor, visar e eventualmente amordaçar vozes independentes que se recusassem a seguir a linha oficial do governo.

Muitas ONG que operam no país recebem donativos ocidentais, uma tendência que remonta à transição da república soviética para a democracia. Grupos bem conhecidos, como a Transparência Internacional e a Amnistia Internacional, seriam rotulados de “agentes estrangeiros”.

O primeiro-ministro Irakli Kobakhidze argumenta que a lei “cria fortes garantias de paz e tranquilidade a longo prazo” e ajudará a ultrapassar a polarização política. De forma polémica, Kobakhidze associou as ONG financiadas por estrangeiros a tentativas revolucionárias entre 2020 e 2023, um ponto amplamente desacreditado por Bruxelas e Washington.

O texto foi apelidado de “lei russa” por ter semelhanças com um projeto de lei que o Kremlin introduziu há uma década para silenciar as vozes críticas.

PUBLICIDADE

Para além do contexto legislativo, o governo georgiano tem sido criticado pela sua dura repressão dos manifestantes, que saíram para as ruas para exigir o cancelamento do projeto e a continuação da integração europeia. 

Uma sondagem publicada no ano passado revelou que 89% da população da Geórgia apoia a adesão à UE e 80% apoia a NATO. Na mesma sondagem, 87% dos inquiridos apontaram a Rússia como a maior ameaça política e económica.

“A UE está ao lado do povo georgiano e da sua escolha pela democracia e pelo futuro europeu da Geórgia”, afirmaram Borrell e a Comissão.

“A intimidação, as ameaças e os ataques físicos contra representantes da sociedade civil, líderes políticos e jornalistas e suas famílias são inaceitáveis. Apelamos às autoridades georgianas para que investiguem estes atos documentados”.

Antes da terceira leitura, um grupo interpartidário de eurodeputados redigiu uma carta conjunta apelando a Borrell para que prepare sanções contra Kobakhidze e os deputados que apoiaram o projeto de lei. Os eurodeputados pediram também a Várhelyi que canalize fundos adicionais para a sociedade civil georgiana e que se abstenha de iniciar conversações de adesão enquanto a legislação controversa estiver em vigor.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Confrontos, estradas bloqueadas e detenções na Geórgia após aprovação da "lei russa"

Parlamento da Geórgia aprova a polémica lei da influência estrangeira

Lei da "influência estrangeira" da Geórgia poderá ser uma fonte de novos problemas para a Europa?