EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Meloni destacada na reta final até às europeias

Giorgia Meloni tem uma vantagem significativa sobre os adversários
Giorgia Meloni tem uma vantagem significativa sobre os adversários Direitos de autor Mauro Scrobogna/LaPresse
Direitos de autor Mauro Scrobogna/LaPresse
De  Giorgia Orlandi
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O partido da primeira-ministra italiana deverá conseguir um resultado histórico nestas europeias. Meloni encabeça a lista, mas não irá assumir o cargo em Bruxelas.

PUBLICIDADE

Tudo indica que as próximas eleições europeias serão mais um êxito político para a primeira-ministra italiana de direita, Giorgia Meloni. De acordo com a última sondagem Euronews-Ipsos, Meloni tem 27% das intenções de voto, muito acima de qualquer um dos rivais.

Os adversários, o Partido Democrático e o Movimento Cinco Estrelas, estão respetivamente a oito e dez pontos de distância.

Meloni é a única primeira-ministra europeia que está efetivamente a concorrer às eleições. No entanto, esta medida é vista sobretudo como um teste à força interna, uma vez que, se for eleita, não ocupará o lugar em Bruxelas.

No próximo Parlamento Europeu, o seu partido, Irmãos de Itália, deverá juntar-se a uma coligação de direita mais alargada.

Diz Lorenzo Pregliasco, especialista em sondagens e fundador da YouTrend: "Apesar do claro crescimento dos grupos de direita a nível europeu - ECR (Conservadores e Reformistas Europeus) e ID (Identidade e Democracia) - as expectativas são de que a coligação continue a existir e que essa coligação continue a incluir o Partido Popular Europeu (PPE) e o grupo socialista. O centro continuará a ser a pedra angular da política europeia, também no novo parlamento"

Apesar de uma boa relação de trabalho com a presidente da Comissão Europeia, Urusula Von der Leyen, Meloni tem um historial de oposição à UE.

O manifesto eleitoral, relativamente conciso, é uma repreensão total a Bruxelas e à forma como o executivo comunitário lidou com os maiores problemas que enfrentou nos últimos anos: A pandemia de COVID-19, a guerra, bem como a crise energética e económica.

"Itália pode mudar a Europa. E digo-vos mais: já o começou a fazer. Fizemo-lo, por exemplo, em relação à migração. Se hoje a União Europeia já não fala de migração descontrolada, é graças ao que a Itália fez com este governo no último ano e meio”, diz Giorgia Meloni.

Itália pode mudar a Europa. E digo-vos mais: já o começou a fazer.
Giorgia Meloni
Primeira-ministra italiana e candidata ao Parlamento Europeu

Uma das principais promessas eleitorais é alterar radicalmente o Pacto Ecológico Europeu, que diz ser "uma loucura economicamente insustentável", tanto para os agricultores como para os consumidores.

A primeira-ministra italiana e candidata a eurodeputada reitera também o seu apelo para acabar com a migração ilegal e intensificar os repatriamentos. Mas apela igualmente a mais políticas de bem-estar social para contrariar o declínio das taxas de natalidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cortejada por Le Pen e von der Leyen, Meloni tem as cartas na mão antes das eleições europeias

Como é que Itália vê a abertura de Ursula von der Leyen para cooperar com Meloni?

Von der Leyen admite acordo com eleitos pelo partido de Meloni