EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Verificação de factos: estará a UE a criar um exército europeu?

O mito de que a UE está a criar um exército europeu ressurgiu nas redes sociais antes das eleições europeias
O mito de que a UE está a criar um exército europeu ressurgiu nas redes sociais antes das eleições europeias Direitos de autor Canva/Euronews
Direitos de autor Canva/Euronews
De  James Thomas
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os críticos da UE há muito que afirmam que o bloco criou um exército conjunto ou que o fará em breve, citando apelos de vozes pró-europeias que querem uma união cada vez mais estreita. O The Cube desvenda este mito.

PUBLICIDADE

A ideia de que a União Europeia criou ou está a criar um exército pan-europeu, que recrutará cidadãos dos Estados-Membros, é frequentemente utilizada para atacar a liderança e a orientação geral do bloco.

É tipicamente difundida por partidos de direita e eurocépticos ativos nas redes sociais para acusar a UE de atacar a soberania dos seus membros.

Mas muitos defensores da "união cada vez mais estreita" também invocam a ideia, argumentando que um exército europeu é uma forma de o continente se defender melhor e reduzir a sua dependência dos EUA.

Um dos melhores exemplos de histórias assustadoras sobre o exército da UE surgiu durante o debate sobre o Brexit, quando os apoiantes do "Leave" alimentaram o receio de que os cidadãos britânicos fossem recrutados para uma força militar europeia sem terem voto na matéria.

Haverá alguma verdade nisto? Para simplificar: não, não existe nem existirá num futuro próximo um exército da UE.

"Tanto quanto sei, e considero-me relativamente informado, não existem planos secretos fechados em gabinetes algures em Bruxelas com este tipo de ideia", disse Daniel Fiott, diretor do Programa de Defesa e de Estadística do Centro de Segurança, Diplomacia e Estratégia da Escola de Governação de Bruxelas.

"Penso que a palavra 'mito' é apropriada para este contexto e para este debate", afirmou ao The Cube.

A ideia de que a UE criaria um exército é uma questão particularmente sensível, daí a sua suscetibilidade a falsas narrativas: por um lado, temos os federalistas europeus que anseiam por um exército europeu totalmente integrado, enquanto, por outro, temos aqueles que acreditam que isso contradiz diretamente a noção de independência nacional.

Vale a pena salientar que a ideia de um exército da UE tem, de facto, um fundamento longínquo, mas não é o caso agora.

Fiott recordou que, após a Segunda Guerra Mundial, nos anos 50, houve uma tentativa de criar um exército europeu, mas que falhou.

A Bélgica, a Alemanha Ocidental, o Luxemburgo e os Países Baixos ratificaram o tratado da Comunidade Europeia de Defesa, que teria criado um exército supranacional, mas este acabou por ficar pelo caminho quando a França e, mais tarde, a Itália abortaram o processo.

No entanto, esse esforço falhado alimentou, obviamente, algumas das suspeitas a que assistimos atualmente.

É certo que a UE tem uma política comum de segurança e defesa, bem como uma agência de defesa, mas está muito longe de ter um verdadeiro exército.

Segundo o próprio bloco, a política comum "permite que a União assuma um papel de liderança nas operações de manutenção da paz, na prevenção de conflitos e no reforço da segurança internacional. É parte integrante da abordagem global da UE em relação à gestão de crises, recorrendo a meios civis e militares".

A partir da esquerda, militares da Estónia, do Reino Unido e da França participam no exercício Spring Storm da NATO em Kilingi-Nomme, Estónia, quarta-feira, 15 de maio de 2024
A partir da esquerda, militares da Estónia, do Reino Unido e da França participam no exercício Spring Storm da NATO em Kilingi-Nomme, Estónia, quarta-feira, 15 de maio de 2024Hendrik Osula/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Fiott explicou que, na prática, os Estados-Membros concordam, por tratado, em cooperar estreitamente em matéria de defesa.

"O que isso significa na prática, e temos muitos casos em que isso acontece, é que podemos enviar forças para o estrangeiro, quer sejam forças militares ou mesmo, em alguns casos, peritos civis", afirmou.

"O princípio continua a ser o mesmo: temos um chefe de missão, mas essa missão é normalmente constituída por Estados membros individuais, todos a colaborar entre si".

"E isso significa, basicamente, dedicar pessoal a determinadas missões", acrescentou Fiott, "e também decidir quanto dinheiro, recursos financeiros ou capacidades militares devem ser reunidos como parte desse esforço".

PUBLICIDADE

Existem, evidentemente, outras parcerias e alianças militares europeias, nomeadamente a NATO.

A maioria dos Estados membros da aliança são também membros da UE, por isso, em vez de integrarem as suas forças sob os mecanismos da UE, um maior alinhamento através da NATO pode ser o melhor caminho para a defesa europeia, de acordo com Sven Biscop, professor de estratégia e política externa na Universidade de Ghent e diretor do programa "A Europa no Mundo" no Egmont, o Instituto Real de Relações Internacionais em Bruxelas.

"Parece-me que, após 25 anos de quase paralisação em termos de despesas com a defesa e de desenvolvimento de capacidades, a ideia parece ser a de continuar sem qualquer revisão fundamental", disse ao The Cube. "Não creio que isso faça sentido."

"A minha opinião é que devemos centrar a nossa atenção naquilo que os Estados-Membros consideram mais importante, que é a NATO. Por isso, eu diria: tentem alinhar as contribuições dos aliados europeus no seio da NATO, para que todos os aliados europeus da NATO tenham um conjunto completo de forças".

As bandeiras dos países membros da NATO tremulam ao vento no exterior da sede da NATO em Bruxelas, quarta-feira, 3 de abril de 2024.
As bandeiras dos países membros da NATO tremulam ao vento no exterior da sede da NATO em Bruxelas, quarta-feira, 3 de abril de 2024.Virginia Mayo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Biscop explicou que, se os países europeus tiverem algum tipo de carência militar, devem poder utilizar os instrumentos da UE e o Fundo Europeu de Defesa para ajudar os aliados europeus da NATO a aumentar o que lhes falta.

PUBLICIDADE

Atualmente, as forças europeias no seio da NATO só podem estar totalmente operacionais com o apoio dos EUA, segundo Biscop, mas isso tem de mudar.

"O meu ideal é que, no final, os europeus da NATO precisem apenas de um único americano para serem eficazes, o 'Saceur': o chamado Comandante Supremo Aliado da Europa, porque é sempre um general americano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Não, 97% das pessoas que recebem o rendimento mínimo de base em Espanha não são migrantes

Não, este vídeo não mostra o interior do turbulento voo da Singapore Airlines

Porque é que a Europa Central está mais exposta a notícias falsas antes das eleições europeias?