EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Verificação de factos: a mulher de Zelenskyy gastou 4 milhões de euros num Bugatti?

O Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy e a sua mulher Olena Zelenska olham um para o outro na sexta-feira, 7 de junho de 2024, no Palácio do Eliseu, em Paris.
O Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy e a sua mulher Olena Zelenska olham um para o outro na sexta-feira, 7 de junho de 2024, no Palácio do Eliseu, em Paris. Direitos de autor AP Photo/Thomas Padilla
Direitos de autor AP Photo/Thomas Padilla
De  James Thomas
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os utilizadores das redes sociais acusam Olena Zelenska, mulher do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, de ter utilizado milhões de euros do dinheiro dos contribuintes para comprar um hipercarro ainda não lançado no mercado. O The Cube verifica.

PUBLICIDADE

À medida que a invasão russa da Ucrânia avança, também avança a guerra de desinformação de Moscovo contra os seus adversários.

Não é novidade que o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy seja alvo de falsas alegações, mas desta vez foi a sua mulher, Olena Zelenska, que foi apanhada na mira de um aparente esforço para desacreditar o apoio internacional ao seu país.

Esta imagem que se tornou viral nas redes sociais mostra supostamente uma fatura de um Bugatti de 4,4 milhões comprado pela primeira-dama ucraniana.

Uma fatura falsa foi amplamente partilhada nas redes sociais
Uma fatura falsa foi amplamente partilhada nas redes sociaisEuronews

A moeda não é especificada, mas alguns posts dizem que é em dólares, enquanto outros dizem que é em euros.

A fatura mostra o nome de Zelenska e que o carro será entregue em Paris, juntamente com uma data de produção marcada para janeiro de 2026.

Por vezes, a imagem é partilhada com alegações de que o Bugatti foi comprado com "dólares dos contribuintes americanos", enquanto outros posts online sugerem que foram os "contribuintes britânicos" que o pagaram.

Por vezes diz-se que foram os contribuintes americanos que pagaram o Bugatti, outras vezes são os cidadãos britânicos.
Por vezes diz-se que foram os contribuintes americanos que pagaram o Bugatti, outras vezes são os cidadãos britânicos.Euronews

De qualquer forma, a implicação é que Zelenskyy e a sua mulher estão a desviar dinheiro da ajuda do Ocidente, uma vez que continuam a apoiar a Ucrânia contra a invasão da Rússia.

Mas, como relata a BBC, as mensagens são falsas e fazem parte de uma campanha de desinformação russa que visa os EUA antes das eleições presidenciais de novembro.

'Verdade oculta'

A alegação de que Zelenska comprou o carro apareceu em vários meios de comunicação russos de baixo perfil online, todos eles apontando para um site francês supostamente respeitável.

Ironicamente, chama-se Veritée Cachée - ou "Verdade Oculta" em francês.

De acordo com o site, os Zelenskyys estiveram numa exibição privada com a Bugatti enquanto estavam em França para as comemorações do Dia D em junho.

Segundo o Veritée Cachée, Zelenska terá encomendado um novo hipercarro que ainda não foi apresentado ao público, o que a tornaria proprietária de um dos primeiros 250 exemplares fabricados.

Os jornalistas terão obtido a fatura e o artigo também mostra um vendedor a falar sobre o negócio. No entanto, tudo isto foi inventado.

Muitas vezes é difícil para o olho humano detetar deepfakes, mas normalmente há algumas pistas.
Muitas vezes é difícil para o olho humano detetar deepfakes, mas normalmente há algumas pistas.Euronews

Numa declaração publicada na conta oficial do Instagram da Bugatti Paris, o concessionário onde Zelenska supostamente comprou o carro negou a existência da transação e a autenticidade da fatura.

A empresa disse que havia vários erros, como um preço incorreto, descrições imprecisas e gráficos antigos.

PUBLICIDADE

A fatura também não contém dados como o número de encomenda e o endereço do vendedor, que são obrigatórios para as faturas francesas.

"A Car Lovers Group já tomou medidas legais contra os fatos acima mencionados, apresentando uma queixa-crime por falsificação, utilização de falsificações, usurpação de identidade e difamação", diz o comunicado.

"Mais uma vez, o Car Lovers Group denuncia firmemente esta campanha de desinformação", acrescentou.

Quanto ao vídeo do vendedor de automóveis a falar sobre a venda, é gerado por IA. O homem no vídeo não existe e o seu rosto foi construído a partir de uma fotografia de arquivo, de acordo com os verificadores de fatos.

PUBLICIDADE

Os especialistas dizem que pode ser difícil para o olho humano identificar as falsificações profundas, mas pode haver sinais reveladores - como movimentos estranhos e discurso robótico.

Estar sempre atento à desinformação russa

Os meios de comunicação social estatais russos e outros meios de comunicação social com tendências pró-russas acusaram repetidamente os Zelenskyys de desviar dinheiro e acumular riqueza para financiar um estilo de vida luxuoso à custa da ajuda ocidental. Nenhuma destas alegações se revelou verdadeira.

O que as histórias mostram, no entanto, é a evidência de uma enorme campanha de desinformação russa destinada a influenciar a opinião pública na Europa e no mundo ocidental em geral, a desestabilizar o apoio à Ucrânia e a minar a democracia.

Estas histórias falsas tornam-se ainda mais prevalecentes em alturas de eleições, como foi o caso no Reino Unido e em França na semana passada e como continua a ser o caso no período que antecede as eleições nos EUA no final do ano.

PUBLICIDADE

Não é má ideia diversificar a proveniência das notícias e sair da câmara de eco, mas, em última análise, sempre que houver dúvidas, deve confirmar com fontes de notícias fiáveis e imparciais para evitar a desinformação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os partidos apresentaram candidatos falsos nas eleições gerais no Reino Unido?

Retórica anti-imigração e antissemita no centro da desinformação relacionada com o Euro 2024

TikTok "promoveu a misoginia e os estereótipos negativos" no período que antecedeu as eleições europeias